Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

22.05.22

Aos Domingos, o Portugal Anos 90 recorda alguns dos principais acontecimentos desportivos da década.

Na generalidade, a carreira de um jogador de futebol profissional desenvolve-se segundo certos trâmites, e segue uma estrutura definida: formação num determinado clube (com ou sem passagem para um clube maior durante esse período formativo), afirmação nesse mesmo clube ou em outro do mesmo país e, finalmente, a quase inevitável saída para o estrangeiro. Grosso modo, é esta a fórmula do futebol moderno, e a forma mais expectável de a carreira de qualquer futebolista se desenvolver.

Como em tudo, no entanto, existem excepções a esta regra – jogadores cuja carreira evolui de forma anómala e algo peculiar relativamente ao esperado. É, precisamente, de um caso desses que trata esta edição do Domingo Desportivo, em que nos debruçamos mais a fundo sobre uma carreira, no mínimo, estranha, e, precisamente por isso, interessante: a do sul-africano Eric Tinkler, um daqueles 'grandes dos pequenos' que se notabilizou em equipas menores do nosso campeonato, sem nunca ter dado o 'salto' para um dos três grandes.

img_1280x720$2016_03_19_00_17_00_1078352.jpg

O jogador ao serviço do Vitória de Setúbal

Iniciada em finais da década de 80, a carreira de Tinkler parecia, numa primeira fase, desenrolar-se de forma vulgar: formado no modesto Wits University, da sua região natal, o jogador conseguiu naturalmente o seu lugar na primeira equipa, tendo realizado 18 jogos durante a sua única temporada como sénior, em que mostrou o suficiente para despoletar o interesse de um clube estrangeiro, no caso, português.

É aqui que se dá a grande surpresa da carreira do sul-africano, já que o emblema em causa não era qualquer dos três 'grandes', nem tão-pouco um dos muitos 'históricos' que povoavam e continuam a povoar as duas primeiras divisões do futebol português; antes, o clube que descobrira Eric Tinkler algures no campeonato sul-africano e se propunha trazê-lo para terras lusas era...o União de Tomar! Sim, um clube regional a militar na II Divisão B conseguia, do nada, contratar uma promessa sul-africana, que, no início da época 1991-92, viajava até à Região Centro do país para alinhar pela modesta agremiação!

Escusado será dizer que, na sua única época ao serviço do União, Tinkler se afirmou como uma das figuras da equipa, com 34 jogos e 5 golos; naturalmente, este tipo de registo rapidamente lhe valeu o interesse de um clube bastante maior, no caso o histórico Vitória de Setúbal, da Primeira Divisão. Foi, portanto, com igual naturalidade que Tinkler empreendeu a viagem para o Sul do Tejo, para integrar 'aquela' equipa com Chiquinho Conde na frente (sobre a qual, aliás, nos teremos paulatinamente de debruçar); no total, seriam quatro as temporadas do sul-africano no emblema sadino, no decurso das quais realizou um total de 84 jogos, marcando 2 golos.

erictinkler.jpg

O cromo de Tinkler numa das cadernetas de cromos de futebol da Panini

Apesar das boas prestações ao serviço dos sadinos, no entanto, Tinkler nunca chegaria a mais 'altos vôos' no futebol português; em vez disso, o próximo passo da sua carreira passaria pela passagem directa para o estrangeiro, no caso para o 'Calcio', para representar o Cagliari, por quem realizaria apenas 20 jogos antes de atravessar a Europa para alinhar pelo Barnsley, de Inglaterra, onde voltou a ser nome maior, realizando perto de cem jogos nas cinco temporadas que ali realizou, e contribuindo com nove golos.

É, portanto, com um misto de espanto e incredulidade que vemos o passo seguinte da carreira do jogador (à época, recorde-se, ainda internacional pelo seu país, com 45 jogos e um golo ao serviço dos Bafana Bafana) passar por um regresso à Região Centro portuguesa, para representar mais um clube de pouca ou nenhuma expressão, o Caldas SC, das Caldas da Rainha. Este regresso à Península Ibérica dura três temporadas, durante as quais Tinkler realiza 54 jogos e contribui com 15 golos; as saudades de casa falaram, no entanto, mais alto, e a época 2005-2006 vê o sul-africano regressar à sua terra natal, para terminar a carreira com duas épocas ao serviço do Bidvest Wits, por quem realiza 29 partidas e marca 3 golos.

unnamed.jpg

Tinkler como treinador

Penduradas as chuteiras, Tinkler dedica-se a tempo inteiro ao 'outro lado' do jogo, tornando-se um dos mais proeminentes treinadores do campeonato sul-africano, onde orienta equipas como o Orlando Pirates ou SuperSport United; para trás fica um percurso como jogador quase inacreditável de tão peculiar, que vê o jogador passar da II Divisão B portuguesa para os campeonatos principais de Portugal, Itália e Inglaterra e, daí, regressar directamente às divisões inferiores nacionais, como se tal escolha representasse uma progressão natural de carreira! Só por isso, o sul-africano já merece o rótulo de 'grande dos pequenos' (afinal, conseguiu ser titular da Selecção do seu país enquanto militava no Vitória de Setúbal) e lugar de destaque como caso de estudo de uma carreira totalmente atípica para um futebolista profissional...

18.10.21

NOTA: Este post é respeitante a Domingo, 17 de Outubro de 2021.

Aos Domingos, o Portugal Anos 90 recorda alguns dos principais acontecimentos desportivos da década.

5ffea6b9219b59bdc6bb803e172dc999 (1).png

De entre as (cada vez mais) provas que compõem a época futebolística portuguesa, a Taça de Portugal continua a ser a mais acarinhada pela maioria dos verdadeiros entusiastas de futebol. Isto porque, mais do que uma oportunidade para o nosso clube do coração ganhar mais um troféu, a Taça afirma-se como a mais pura das competições desportivas nacionais (talvez em qualquer modalidade) pelo carácter igualitário que fomenta, permitindo a agremiações que normalmente nunca chegariam a ver as luzes da ribalta jogar olhos nos olhos com as principais equipas nacionais, proporcionando-lhes assim, não só visibilidade e receitas, como também a oportunidade de 'fazer uma gracinha'; e embora este último cenário não seja por aí além frequente, a verdade é que, por vezes, a Taça de Portugal lá reserva uma surpresa aos entusiastas de futebol – e os 'nossos' anos 90 foram palco daquela que talvez seja a mais cabal demonstração deste princípio em toda a História moderna da prova: a Taça de 1998-99.

As peculiaridades da referida edição da Taça começaram logo na quinta eliminatória (a primeira considerada pela maioria das listagens 'online'), em que já só se perfilavam dois dos tradicionais 'três grandes' portugueses, tendo o Sporting ficado pelo caminho ainda numa das rondas anteriores. As duas equipas que sobravam, Benfica e Porto, tinham, obviamente, enorme favoritismo, mas também elas viriam a soçobrar logo nessa mesma eliminatória, com o campeão em título a ser alvo de uma das tais 'gracinhas' mencionadas anteriormente, ao ser batido pelo Torreense em pleno Estádio das Antas - num jogo que pôs o nome de Cláudio Oeiras no radar futebolístico português - e o Benfica a perder com o Vitória de Setúbal, no Bonfim, por 2-0 – um mau resultado, sim, mas longe de uma derrota em casa contra uma equipa da II Divisão B...

As desapontantes prestações dos 'grandes', juntamente com alguns 'agigantamentos' de agremiações mais pequenas (talvez motivadas pela janela de oportunidade que as mesmas proporcionavam) resultaram naquelas que talvez sejam as meias-finais mais atípicas da História da prova, sem nenhuma equipa grande, e com a presença insólita do Esposende, o mais valoroso 'tomba-gigantes' numa época repleta deles, mas que viria a claudicar perante um Campomaiorense então ainda no pleno das suas forças; já no outro jogo, o Beira-Mar levava a melhor sobre o Vitória de Setúbal, confirmando assim uma final da Taça entre dois emblemas de meio da tabela do escalão principal – uma lufada de ar fresco que não se viria a repetir, e que permitiria ao Beira-Mar (mediante um golo de Ricardo Sousa) alcançar um feito histórico para o seu palmarés, carimbando o acesso à Liga dos Campeões do ano seguinte e tornando-se a segunda equipa da década a conseguir desafiar a hegemonia dos 'grandes' (sendo a outra o Boavista, no extremo oposto da década, em 1991.)

16 98 99 1 (2).jpg

A equipa vencedora, em pleno momento de festa após o seu feito histórico

Uma edição da Taça a todos os níveis atípica, portanto, e que provavelmente já não seria possível na era moderna, em que o futebol é clínico e táctico, e os favoritos normalmente acabam mesmo por ganhar. Ainda assim, o desaire do Sporting frente ao Alverca em 2019-2020 mostra que, apesar de improvável, uma repetição desta Taça não é, de todo, impossível – bastando, para isso, que uma das equipas mais pequenas em prova saiba aproveitar as oportunidades, e apanhar os adversários de surpresa. Até lá, e num fim-de-semana em que se celebrou mais uma vez a chamada 'festa da Taça', nada melhor do que recordar o ano em que alguns dos mais históricos emblemas secundários dos campeonatos portugueses tiveram, por breves instantes, o seu 'lugar ao sol'...

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub