Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

21.11.22

Em Segundas alternadas, o Anos 90 recorda algumas das séries mais marcantes para os miúdos daquela década, sejam animadas ou de acção real.

Já anteriormente aqui falámos dos Power Rangers, uma das séries mais icónicas de muitas crianças e jovens da década de 90, em Portugal e não só; como tal, e pela influência que tanto esta série como o personagem tiveram sobre o autor deste blog, não podemos deixar passar em branco a trágica morte de Jason David Frank, eternizado no papel de Tommy Oliver, o inimigo tornado aliado e líder da segunda equipa de Rangers.

315197366_10227665996546086_148566204398376495_n.j

Nascido a 4 de Setembro de 1973, Frank teve a sua grande oportunidade pouco mais ou menos duas décadas depois, quando foi seleccionado para interpretar o papel que o tornaria ídolo de milhares de crianças – embora não de imediato. De facto, as primeiras aparições de Tommy na trama da segunda temporada da série Mighty Morphin' foram como Ranger maléfico, controlado pela vilã Rita, e com 'robot' e monstros próprios ao seu dispôr; o deenrolar dessa primeira saga viu, no entanto, os jovens benfeitores libertarem o seu congénere verde dessa 'prisão', incorporando-o no seu grupo social e, mais tarde, na própria equipa, que o mesmo chegaria inclusivamente a liderar na temporada seguinte de Mighty Morphin', bem como na saga dos Rangers de outro planeta (Alien Rangers) e na temporada de continuação, Power Rangers Zeo. Foi durante este período que a popularidade do personagem – e, por arrasto, do actor – verdadeiramente explodiu entre a demografia-alvo do programa, obrigando inclusivamente a Saban a alterar vários dos seus planos para as diferentes séries, por forma a colocar a maioria do foco no novo integrante, entretanto 'promovido' do uniforme branco para outro, branco, e mais elaborado que o dos seus colegas de equipa, denotando o seu estatuto de líder.

Não se esgotou, aliás, aí o apelo de Tommy junto das crianças de todo o Mundo, sendo que o personagem viria, também, a desempenhar um papel de destaque na primeira série independente do universo Mighty Morphin', a controversa 'Power Rangers Turbo', onde assumiria o posto de Ranger vermelho, mantendo assim a sua posição de liderança também na nova equipa. Infelizmente, alguns desentendimentos com os produtores do programa levaram a que Frank deixasse a franquia após a conclusão desta série, em 1997, certamente deixando entristecida toda uma geração que o idolatrava.

main-qimg-d9db1673a3a4f9fa4df669f33f198fd8-lq.jpg

O actor como Ranger vermelho na série 'Power Rangers Turbo'

Apesar da pouca consideração que tinha pela Saban, que considerava, nas suas próprias palavras, 'forretas', Frank nunca se desvincularia totalmente da propriedade intelectual que o celebrizara, à qual regressaria cinco anos após o seu abandono, para um episódio especial de aniversário que reunia vários membros de equipas anteriores, entretanto extintas; dois anos depois, esta colaboração alargou-se a toda uma nova série, 'Power Rangers: Dino Thunder', onde surgiu primeiro no papel de mentor e conselheiro científico da equipa (à semelhança do personagem Billy na série origijnal) e, mais tarde, como o Ranger negro – o seu primeiro papel de 'coadjuvante' numa equipa da franquia.

Terminada esta nova série, no entanto, voltou a encerrar-se a parceria entre Frank e os criadores de Power Rangers, ainda que o actor nunca tenha deixado de comparecer a convenções e outros eventos do estilo organizados por fãs, bem como a fazer ocasionais aparições especiais, primeiro na série 'Super Megaforce', e depois no filme 'remake' de 2017 (embora aqui no papel de 'civil', e apenas como figurante). A sua principal ocupação, no entanto, passaram a ser as escolas de artes marciais que a fama como actor numa série do género lhe permitira abrir nos anos após o estrelato inicial, e que lhe valeram um lugar no Pátio da Fama da União Mundial de Karaté; anos mais tarde, Frank viria a aplicar esta experiência a uma carreira como lutador de MMA, que ajudou definitivamente a apagar a imagem de 'menino bonito' de cara lavada que adquirira vinte anos antes.

FiBqhgyVIAANc6D.jpg

Uma foto mais recente de Frank com o clássico uniforme verde.

Qualquer que fosse a opinião do actor sobre essa mesma fase da sua carreira, no entanto, é inegável que a carreira de Frank fica, indelevelmente, ligada à da franquia 'Power Rangers', da sombra da qual nunca se conseguiu verdadeiramente libertar; de facto, numa altura em que é anunciado oficialmente o seu falecimento, aos 49 anos, é na figura do Power Ranger branco - líder virtuoso da equipa de super-heróis, que tantas crianças da época (incluindo o autor deste blog, por volta dos seus onze anos de idade) teriam feito 'os impossíveis' para ser – que o seu nome e imagem ficam, para sempre, imortalizados. Que descanse em paz.

04.07.22

Em Segundas alternadas, o Anos 90 recorda algumas das séries mais marcantes para os miúdos daquela década, sejam animadas ou de acção real.

A abertura autêntica, de época, está disponível aqui mesmo, no SAPO, mas não permite fazer 'embed'...

Este é daqueles posts que tinha, mesmo, de começar assim – com um dos mais icónicos genéricos de abertura dos anos 90, daqueles que consegue a proeza de ser memorável sem, para isso, utilizar sequer uma palavra.

Não menos memorável e icónica, no entanto, é a própria série a que este mítico instrumental serve de suporte; antes pelo contrário, serão poucos os ex-jovens da época que não se recordem de ver pelo menos alguns episódios das aventuras do grupo de bebés conhecido, na versão original, como 'Rugrats', e em Portugal como 'Os Meninos do Coro'.

Rugrats_logo.png

De longe a mais famosa produção da dupla Arlene Klasky e Gabor Csupó – e uma das mais famosas do catálogo da Nickelodeon, a par de 'Hey Arnold!' e 'Ren e Stimpy' – 'Rugrats' chegou a Portugal em 1992 (menos de um ano depois da sua estreia em território norte-americano, um intervalo invulgarmente célere para a época) como um dos primeiros 'trunfos na manga' da recém-nascida SIC, que transmitiria a série como parte do seu bloco infantil da manhã durante os dois anos seguintes, primeiro em versão original legendada e, mais tarde, com a icónica (e impressionantemente fiel em termos vocais) dobragem que a maioria das crianças daquela época associará, de imediato, ao nome da série.

Ao todo, foram três temporadas – as primeiras, e melhores – em que os mini-espectadores se tornaram íntimos de Tommy, Chucky, os gémeos Phil e Lil e a 'carrasca' e centro das atenções do grupo, a espalha-brasas Angélica, que, por ser mais velha e extremamente mimada, dividia o seu tempo entre enfiar ideias na cabeça dos amigos mais novos e fazer 'birras' para obter o que queria dos adultos.

HT_rugrats_01_jef_160809_16x9t_992.jpg

O grupo original de 'Meninos do Coro', mais tarde expandido com novos personagens.

E por falar em adultos, estava aí outro dos factores que ajudava a demarcar 'Rugrats – Os Meninos do Coro' de produções contemporâneas semelhantes; os personagens adultos tinham tanto 'tempo de antena' como os bebés, e eram tão ou mais interessantes do que estes, transmitindo (ainda que de forma leve e subtil) mensagens sobre temas tão importantes como as famílias monoparentais, a identidade de género ou os pais mais focados no trabalho que nos filhos, e que tentam suprir essa lacuna com 'mimos' excessivos. Entre si, este grupo de personagens ajudava a que houvesse um pouco de variedade nas histórias da série, e permitia retirar o foco exclusivamente das aventuras estilo 'pastelão' e 'nonsense' dos protagonistas homónimos da série.

rugrats-ss1.jpg

O grupo dos adultos adiciona uma nova dimensão aos episódios.

Estes (e outros) elementos faziam de 'Rugrats – Os Meninos do Coro' uma excelente série para todas as idades (já que os guiões também incluíam piadas de humor um pouco mais sofisticado e dirigidas ao público adulto) que perdurou na memória dos jovens portugueses mesmo depois de ter saído originalmente do ar, em 1994. E se os espectadores lusos da época apenas conheceram esses episódios dos primórdios, lá por fora, a situação era bem diferente, tendo 'Rugrats' continuado a fazer sucesso durante várias décadas, e dado origem a inúmeros produtos de merchandising (tanto oficiais como piratas), várias longas-metragens, novas séries com os mesmos personagens (a excelente 'All Grown Up!' e a experiência falhada chamada 'Angelica and Susie's Pre-School Daze') e até um 'escape room' em Los Angeles!

fb80fa094c13e12519b13a650716b5d0.png

Os personagens em idade pré-adolescente, tal como surgem na sequela 'All Grown Up!'

Por cá, no entanto, o público fã de desenhos animados apenas voltaria a tomar contacto com Tommy e os seus amigos em 2005, com o advento da versão portuguesa da própria Nickelodeon, em que a série se encontrava inserida, agora com novas dobragens.

E a verdade é que esta segunda passagem (da qual é oriundo o genérico que abre este post) se afirmou ainda mais bem-sucedida que a primeira, tendo os 'Meninos do Coro' aproveitado a especificidade da sua nova 'casa', e o estatuto de que gozavam dentro da mesma, para se tornarem presença assídua nos ecrãs da nova geração que, entretanto, substituíra o seu público-alvo original; tanto assim que, em 2021, estreava na Nickelodeon Portugal uma nova temporada desta série aparentemente perene e imorredoura, que conseguiu já a proeza de ser transversal a duas gerações de espectadores, um feito normalmente reservado apenas a produções da Disney e Hanna-Barbera. Só por isso, 'Os Meninos do Coro' já mereciam uma presença nestas páginas; o facto de serem, efectivamente, uma das melhores e mais nostálgicas de entre as séries 'importadas' dos EUA naquele período é apenas a cereja no topo deste bolo de baba, cuspo e outros ingredientes 'duvidosos', mas ainda assim extremamente saboroso...

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub