Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

04.10.22

Porque nem só de séries se fazia o quotidiano televisivo das crianças portuguesas nos anos 90, em terças alternadas, este blog dá destaque a alguns dos outros programas que fizeram história durante aquela década.

Em plena era dos canais por cabo e do 'streaming', pode ser fácil esquecer que, até há bem pouco tempo, a escolha dos telespectadores portugueses se encontrava limitada a um dos dois canais estatais; de facto, celebram-se esta semana (mais precisamente na próxima Quinta-feira, dia 6 de Outubro) apenas trinta anos sobre o aparecimento da primeira alternativa às duas RTPs, e primeiro canal de televisão privado a transmitir em Portugal – a SIC.

unnamed.jpg

Idealizada desde 1986, mas inaugurada apenas seis anos depois, a Sociedade Independente de Comunicação surgia como fruto de uma 'joint venture' que juntava diversas das maiores empresas portuguesas do sector da comunicação a diversas entidades financeiras, instituições como a Universidade Nova de Lisboa, e ainda a Rede Globo, principal rede televisiva do Brasil, e produtora por excelência de telenovelas, muitas das quais a SIC viria a exibir. Para director geral e de programação foi, aliás, escolhido outro brasileiro, Emídio Rangel – um nome a que nenhum espectador português da época será, certamente, indiferente, dado passar por ele grande parte do sucesso dos primeiros anos da emissora.

emidio-rangel.jpg

Emídio Rangel, a mente por detrás do sucesso dos primeiros anos da SIC

De facto, ao contrário da 'irmã mais nova' TVI (cujos primeiros anos seriam algo titubeantes e dependentes do acervo de programação disponível) a SIC apresentou-se, desde o seu arranque, como um canal de personalidade já bem vincada e definida, assumindo desde logo um maior foco no entretenimento - e, neste campo, Ediberto brilhava, não só importando a 'nata' da programação do seu país natal, mas também idealizando ele próprio conceitos que se viriam a revelar sucessos de audiências, e a tornar-se quase sinónimos com o canal, como o 'Big Show Sic', o 'Buereré', o 'Ponto de Encontro', o 'Chuva de Estrelas', 'O Juiz Decide', 'Perdoa-me' ou 'Fátima Lopes', entre muitos outros programas históricos do canal.

Esta capacidade do brasileiro em discernir o que o público queria ver e o tornar realidade foi, aliás, um dos principais factores por detrás da primeira década quase 'perfeita' de que o canal de Carnaxide gozou, tornando-se líder de audiências apenas três anos após a sua primeira transmissão, e adicionando um sem-número de programas ao 'léxico' televisivo dos portugueses; foram, também, de Rangel as ideias para a cerimónia dos Globos de Ouro (uma espécie de 'Oscars' do canal, ainda hoje vigentes) e para os canais de 'expansão' para a rede TV Cabo que a emissora viria a lançar já no novo milénio, como a SIC Gold, SIC Notícias e, claro, a inesquecível SIC Radical – todos eles, também, ainda hoje presentes na grelha do cabo.

download.jpg

A primeira gala dos Globos de Ouro, transmitida em 1996

Apesar do seu papel preponderante no sucesso inicial da emissora, no entanto, a saída de Rangel para a RTP não abrandou o crescimento da SIC, antes pelo contrário - Manuel Fonseca, Francisco Penim, Nuno Santos e os restantes directores de programação não só conseguiram manter o nível de sucesso conseguido pelo director inaugural da estação, como o expandiram, sem por isso comprometer a identidade da estação; aliás, a SIC de hoje em dia é, ainda, reconhecivelmente a mesma emissora que projectou a sua canção de abertura às primeiras horas da manhã de 6 de Outubro de 1992 – um feito admirável, que a 'rival' TVI não almejou replicar, e que torna ainda mais justa esta homenagem à estação de Carnaxide, na semana do seu 30º aniversário. Parabéns, SIC – e que contes mais 30!

06.06.22

Em Segundas alternadas, o Anos 90 recorda algumas das séries mais marcantes para os miúdos daquela década, sejam animadas ou de acção real.

Hoje comum ao ponto de ser considerado apenas mais uma faceta da cultura pop, o anime – e a sua congénere impressa, a 'manga' – era, ainda há bem pouco tempo, uma curiosidade pouco mais do que de nicho em terras portuguesas. Embora o estilo, e os animadores japoneses, viessem exercendo subtil influência sobre os desenhos animados ocidentais já desde a década de 80, poucos eram os exemplos de animação declaradamente oriental (a ridiculamente denominada 'Japanimação') a fazer a transição para o Velho Continente, sendo que mesmo essas chegavam com vários anos de atraso, como era habitual em produtos mediáticos importados. Assim, o Portugal de finais da década de 80 e inícios da seguinte recebia, sobretudo, animações japonesas criadas entre dez a quinze anos antes, de que eram exemplo a lendária série animada de 'Tom Sawyer', o não menos lendário 'Esquadrão Águia' e o programa que hoje abordamos, 'Cavaleiros do Zodíaco'.

image_ur7d.jpg

De facto, entre a produção de 'Saint Seiya', como era originalmente conhecido, e a sua transmissão inicial na RTP (em versão original legendada) em Setembro de 1992 (ou Novembro, no caso da RTP Madeira), passaram-se nada menos do que seis anos – o que, numa época de evolução tecnológica sem paralelo, representava uma verdadeira eternidade em termos técnicos; assim, embora tipicamente ilustrativa do 'anime' que ia chegando a terras lusitanas à época, a série era, pelos padrões japoneses, já algo antiquada, pelo menos de uma perspectiva visual, quando comparada com produtos como 'Dragon Ball Z', estreado três anos depois, mas que apenas chegaria a Portugal quase uma década depois, ainda a tempo de causar uma 'febre' sem precedentes nos recreios nacionais. Ainda assim, e apesar de não terem conseguido, nem de longe, tal culto em Portugal (mas a verdade é que NADA conseguiu) as aventuras de Seiya e dos restantes Cavaleiros – cada um com um nome de código inspirado num signo astrológico ou constelação – não deixam de constituir uma referência nostálgica dentro da programação infantil do Portugal pré-'Tartarugas Ninja' e 'Power Rangers'.

Tanto assim é que – tal como acontecera anteriormente, e viria a acontecer, com 'Esquadrão Águia' – a série não esgotou naqueles oitos meses do início da década a sua longevidade nos ecrãs portugueses, tendo sido um dos muitos programas dessa época 'repescados' anos mais tarde, a tempo de cativar uma nova audiência; no caso de Saint Seiya, foi uma SIC na ressaca de 'Z' quem tentou apresentar a série como alternativa viável às aventuras de Son Goku e companhia – tentativa que, escusado será dizer, não foi de todo bem sucedida. Ainda assim, esta nova versão – agora dobrada em português, e hoje lembrada sobretudo pelo seu memorável genérico de abertura – não deixou de conquistar o seu público, tanto nessa primeira transmissão como na repetição, três anos mais tarde, na entretanto inaugurada (e hoje defunta) SIC Gold. Já na ponta final da primeira década do novo milénio, a série viria ainda a ser transmitida uma quarta vez, desta vez no canal infantil a cabo Animax, e, curiosamente, em ambas as versões – dobrada e original.

A versão dobrada transmitida pela SIC contava com um genérico significativamente mais marcante do que o original

Por via destas constantes repetições, 'Cavaleiros do Zodíaco' acabou mesmo por fazer parte da infância de muitas crianças que haviam sido demasiado novas (ou ainda não nascidas) aquando da transmissão original na RTP; e mesmo quem já tinha visto essa, decerto apreciou a oportunidade de voltar a viver as aventuras daquela equipa de heróis intergalácticos, algures entre G-Force e as Navegantes da Lua, e de comparar a dobragem portuguesa a cargo da Novaga com o original japonês...

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub