Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

06.04.24

As saídas de fim-de-semana eram um dos aspetos mais excitantes da vida de uma criança nos anos 90, que via aparecerem com alguma regularidade novos e excitantes locais para visitar. Em Sábados alternados (e, ocasionalmente, consecutivos), o Portugal Anos 90 recorda alguns dos melhores e mais marcantes de entre esses locais e momentos.

images.jpg

O Palácio da Pena, um dos mais emblemáticos palácios portugueses.

São inúmeros, espalhados um pouco por todo o País (embora com natural ênfase nas áreas metropolitanas), e local privilegiado para Saídas ao Sábado e visitas de estudo escolares, tanto nos anos 90 como na actualidade. Falamos, é claro, dos palácios (e restantes casas-museu) desde há décadas abertos ao público com o objectivo de apresentar um pouco de 'História viva'.

Decorados, normalmente, com mobília e apetrechos da época pré-moderna, que teriam sido utilizados pelos seus mais recentes residentes, este tipo de instalação permite perceber, em primeira mão, como teriam vivido os nobres portugueses daquele período, contextualizando-os assim dentro da História nacional. Mas se para a maioria dos visitantes adultos esse era, mesmo, o principal ponto de interesse, já para os mais novos, o grande apelo deste tipo de espaço estava nos jardins, normalmente também estilizados à moda do período clássico, e que permitiam 'descomprimir' após percorrer o interior da casa, fazer piqueniques, ou até 'perder-se' entre as sebes, propiciando um toque de diversão ao intervalo para descanso ou mesmo ao fim da visita. Em alguns destes locais, as visitas com a escola tinham, ainda, o atractivo adicional de contar com actores 'vestidos a rigor', que demonstravam alguns dos hábitos e ocupações dos nobres, como jogos tradicionais da época, tornando assim a experiência ainda mais memorável para os mais novos.

Como é evidente, a esmagadora maioria dos palácios e casas-museu nacionais continuam abertos ao público, e relativamente inalterados em termos de oferta ao público – ainda que, presumivelmente, fazendo maior uso das capacidades digitais entretanto desenvolvidas. Quem foi jovem em fins do século passado e não visitou um destes espaços desde então recordá-los-à, no entanto, tal como foram, e lembrará com nostalgia os bons momentos que ali passaram, fosse com a turma da escola ou com os pais e familiares, no âmbito de uma Saída ao Sábado de Primavera.

10.03.24

NOTA: Este 'post' é respeitante a Sábado, 9 de Março de 2023.

As saídas de fim-de-semana eram um dos aspetos mais excitantes da vida de uma criança nos anos 90, que via aparecerem com alguma regularidade novos e excitantes locais para visitar. Em Sábados alternados (e, ocasionalmente, consecutivos), o Portugal Anos 90 recorda alguns dos melhores e mais marcantes de entre esses locais e momentos.

Em Portugal, como no resto do Mundo, a música 'pesada' continua a ocupar um lugar de nicho e de base maioritariamente independente e 'underground', tendo em megabandas como Metallica, Iron Maiden, AC/DC ou – em Portugal – Moonspell a sua única expressão junto do chamado 'mainstream'. No entanto, o referido movimento 'underground' tem, desde o seu aparecimento há já cinco décadas, historicamente sido vibrante, com inúmeras bandas a surgirem diariamente, e diversos promotores a organizarem, de forma totalmente independente e sem recurso a grandes verbas, concertos de alguns dos mais conceituados nomes dos diferentes estilos, normalmente centrados em torno de 'meia dúzia' de salas e espaços conotados com o movimento. Um desses espaços, talvez entre os três mais famosos do País, conseguiu, no seu curto tempo de vida, deixar uma marca indelével no movimento 'metaleiro' nacional, o qual contribuiu, em grande medida, para dinamizar.

hard-club_dr.webp

Falamos do Hard Club, sala inaugurada em Gaia, na zona do Grande Porto, nos últimos dias do ano de 1997 e encerrado nos primeiros do ano de 2007, quando se trasladou para um novo espaço mais abrangente tanto em termos físicos como de programação – um espaço temporal de quase exactos dez anos, mas que parece ter o dobro, tal era a ubiquidade desta sala na cena metálica lusitana do período em causa. De facto, durante o seu tempo em actividade, o Hard Club afirmou-se como a alternativa nortenha ao lisboeta Paradise Garage, acolhendo muitas das mesmas bandas daquele – a grande maioria artistas de hard rock, 'hardcore', metal ou punk de média dimensão, capazes de encher uma sala para alguns milhares de pessoas, mas longe do nível de fama e apelo massificado exigido para tocar no então Pavilhão Atlântico (principal sala de concertos nacional à época) num estádio, ou mesmo num dos Coliseus.

Deste ponto de vista, o Hard Club teve um contributo indelével e praticamente inigualado no contexto da música pesada em Portugal, permitindo aos fãs de artistas dentro deste espectro presenciar concertos que, de outro modo, talvez tivessem implicado uma ida ao estrangeiro – não sendo, pois, de estranhar que o espaço se tenha tornado ponto de 'romaria' para grande parte dos 'metaleiros' do Norte de Portugal, como o eram, mais a Sul, o Paradise Garage, o Revolver Bar ou o Side-B.

Infelizmente, a mudança de espaço (para o Mercado Ferreira Borges, que agora explora na totalidade) ditou, também, um afastamento das raízes 'roqueiras' do espaço, em nome da diversificação para uma proposta cultural mais 'generalista' – um objectivo louvável, mas que privou os 'headbangers' portugueses de uma das suas salas de referência, numa altura em que o número e volume das mesmas se encontra em rápido declínio. Ainda assim, nos pouco mais de dez anos em que existiu na sua forma 'original', a sala portuense conseguiu deixar marcas suficientes nos jovens fãs de música pesada para merecer ser recordada, a par de salas como as lisboetas Rock Rendez-Vous e Johnny Guitar, como uma das melhores Saídas de Sábado de índole musical de finais do século XX e inícios do seguinte.

24.02.24

As saídas de fim-de-semana eram um dos aspetos mais excitantes da vida de uma criança nos anos 90, que via aparecerem com alguma regularidade novos e excitantes locais para visitar. Em Sábados alternados (e, ocasionalmente, consecutivos), o Portugal Anos 90 recorda alguns dos melhores e mais marcantes de entre esses locais e momentos.

De entre os tópicos didático-científicos passíveis de agradar à criança média, seja portuguesa ou de qualquer outra nacionalidade, a astronomia é um dos mais consensuais. Tal como sucede com factos relativos à vida selvagem, os conhecimentos sobre as estrelas, planetas e galáxias que constituem o chamado 'espaço sideral' parecem exercer eterno e perpétuo fascinio sobre a juventude, o qual resiste mesmo ao apelo cada vez mais imediatista e vácuo das redes sociais e plataformas de conteúdos. Não é, pois, de espantar que Portugal conte com, não um, mas dois espaços dedicados a esta temática, e que ambos continuem a fazer enorme sucesso junto do seu público-alvo, quiçá incentivado a visitá-los pelos pais, que recordam tardes de infância passadas a admirar os cuidados espectáculos de luz e som postos em 'cena' debaixo das suas cúpulas.

220px-Edificio_CAUP_&_Planetário_do_Porto.jpg33739-Lisbon_(36520695442).jpg

Os edifícios do Porto (em cima), fundado em Novembro de 1998, e de Lisboa (em baixo), inaugurado em Julho de 1965.

Falamos dos Planetários de Lisboa e Porto, dois espaços separados, na sua inauguração, por pouco mais de três décadas (o de Lisboa abriu em 1965, enquanto que o do Porto celebrou há cerca de quatro meses o seu quarto de século de existência) o seu, mas cuja proposta e funcionamento são (ou, pelo menos, eram) fundamentalmente semelhantes. Ambos os espaços, por exemplo, têm como 'foco' central uma cúpula, na qual é projectada uma simulação do céu nocturno, a partir da qual são, depois, transmitidos outros factos relativos a estrelas e planetas específicos; de igual modo, ambos iniciaram a sua actividade com espectáculos de base óptica, tendo depois – já no Novo Milénio – expandido as suas possibilidades com a passagem a um formato digital, que permitiu a diversificação da oferta a outras áreas da sociedade, como espectáculos musicais ou oficinas pedagógicas; finalmente, ambos integram a rede Ciência Viva e estão a cargo de entidades particulares, especificamente a Marinha Portuguesa (no caso do Planetário de Lisboa) e a Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (no caso do 'representante' nortenho). Em comum, estes dois espaços têm, ainda, o facto de se encontrarem entre os maiores da Europa na sua categoria, com o Planetário de Lisboa a ocupar mesmo a segunda posição nesta lista, apenas atrás do seu homólogo de Moscovo.

Para as crianças dos anos 90 (e, talvez, até para as actuais) nada disso interessava, no entanto; os Planetários até poderiam ser espaços pequenos e intimistas, desde que proporcionassem uma experiência cativante e memorável. O espectáculo era a única coisa que interessava ao público-alvo destas instalações; e, nesse particular, nenhuma das duas desapontava, tendo proporcionado Saídas de Sábado para mais tarde recordar a pelo menos duas gerações de portugueses (três a quatro, no caso do espaço lisboeta) - entre elas os 'millennials' dos anos 80, 90 e inícios do Novo Milénio, a quem este texto poderá mesmo ter despertado a vontade de voltar a visitar o 'seu' Planetário local, e de o apresentar aos filhos, familiares, amigos ou até alunos da 'idade certa' para apreciarem a experiência...

10.02.24

As saídas de fim-de-semana eram um dos aspetos mais excitantes da vida de uma criança nos anos 90, que via aparecerem com alguma regularidade novos e excitantes locais para visitar. Em Sábados alternados (e, ocasionalmente, consecutivos), o Portugal Anos 90 recorda alguns dos melhores e mais marcantes de entre esses locais e momentos.

Tal como sucedia com a época do Natal, também o Carnaval em Portugal se revestia, entre a juventude de finais do século XX e inícios do seguinte, de uma série de rituais. O mais óbvio e imediato era, claro, o de se mascarar, fosse com fatos 'profissionais' alugados em lojas próprias ou de forma mais improvisada e 'feita em casa'; no entanto, também os estalinhos, serpentinas, bombinhas de mau cheiro, bisnagas e balões de água podiam ser considerados 'típicos' da festa carnavalesca lusitana, bem como a realização de 'partidas' mais ou menos maliciosas. A estes rituais havia, ainda, a acrescer um outro, relevante sobretudo para as crianças e jovens de ambientes urbanos, sobretudo os que habitavam perto de um teatro – nomeadamente, a exibição de uma peça infantil por alturas da paragem lectiva de Fevereiro.

mundo_jack-010.webp

Versão contemporânea do tipo de peça em causa.

Muitas vezes alvo de visitas de estudo por parte das escolas locais, poucos dias antes das férias do Carnaval, estas peças adoptavam precisamente o mesmo modelo das famosas 'pantomimes' britânicas, embora trocando o Natal pelo Carnaval, talvez para salientar e ressalvar a associação entre os fatos vistosos dos actores e os envergados por grande parte da audiência. A fórmula era tão simples como eficaz, consistindo na adaptação de uma história ou lenda conhecida do público infantil, cuja narrativa original era enriquecida através de números musicais, piadas e 'achegas' ao público, ao melhor estilo do teatro de revista (que, à época, atravessava ele próprio um período áureo, tendo até direito a um programa televisivo a ele dedicado). Se tal abordagem poderia fazer torcer o nariz aos puristas, no entanto, o público-alvo em si não tinha tais pruridos, deliciando-se invariavelmente a patear e cantar 'co-me-ça, co-me-ça' antes do levantar do pano (normalmente em uníssono com todo o resto do teatro), ou a ajudar o herói a localizar o vilão, durante a inevitável cena 'interactiva' presente em toda e qualquer destas peças, e que as tornava ainda mais divertidas para quem tinha a sorte de fazer parte da audiência.

Tal como tantos outros hábitos e tradições de que aqui vimos falando, no entanto, também as peças de teatro infantis por alturas do Carnaval acabaram por decrescer em relevância e frequência, sendo, hoje em dia, bastante mais raras e esporádicas do que o eram há coisa de trinta anos; quem, na sua altura, assistiu a um destes espectáculos, no entanto, certamente concordará que os mesmos constituíam uma excelente e memorável Saída de Sábado na época do Carnaval, e talvez até tenha pena de que esta tradição se tenha perdido antes de os seus filhos terem idade para a conhecer, e gozar de uma experiência semelhante à vivida pelos seus pais quando tinham a mesma idade...

27.01.24

As saídas de fim-de-semana eram um dos aspetos mais excitantes da vida de uma criança nos anos 90, que via aparecerem com alguma regularidade novos e excitantes locais para visitar. Em Sábados alternados (e, ocasionalmente, consecutivos), o Portugal Anos 90 recorda alguns dos melhores e mais marcantes de entre esses locais e momentos.

Já aqui mencionámos anteriormente que, apesar de serem locais de visita assídua durante uma Saída de Sábado, os museus dos anos 90 nem sempre tinham especial interesse para as demografias mais jovens; a apresentação 'à antiga', em particular, tornava o sucesso da visita directamente proporcional às áreas de interesse do próprio visitante, sendo que um museu sem grandes motivos de fascínio constituía uma experiência algo aborrecida. Foi, talvez, com isso em mente que, ainda durante a referida década, uma instituição tentou marcar a diferença, e afirmar-se como Saída de Sábado privilegiada para todos os jovens nacionais; a 'dica' estava no próprio nome – Museu da(s) Criança(s).

Museu_das_Criancas.JPG

As instalações actuais do museu, no recinto do Jardim Zoológico de Lisboa.

Inaugurado há cerca de trinta anos – algures em 1994 – num anexo do Museu da Marinha, na zona de Belém, em Lisboa, o Museu da Criança (ou 'das Crianças', dependendo da fonte) almejava a mais do que apenas uma experiência museológica tradicional, procurando fundir essa vertente com um aspecto de descoberta e interacção por parte dos próprios visitantes, o qual fomentava a pedagogia activa, por oposição à abordagem mais passiva dos museus tradicionais. Significava isto que quem visitasse o espaço, ou uma das exposições temporárias que ali se fixavam periodicamente, era encorajado a mexer, experimentar e interagir com os diferentes expositores e áreas que constituíam cada mostra, ao invés de apenas admirar objectos dispostos em configurações pré-definidas – um estilo de aprendizagem, tradicionalmente, bem mais apetecível para o público mais jovem do que o seu oposto. Assim, não é de surpreender que uma visita àquele espaço se parecesse, na maior parte das vezes, mais com uma tarde de brincadeira do que com a típica 'ida ao museu', deixando vontade de regressar e repetir a experiência num futuro próximo.

Tal foi o seu sucesso, de facto, que o Museu da Criança acabou mesmo por deixar as suas humildes instalações iniciais em favor de uma localização ainda mais apetecível, na 'zona franca' adjacente ao Jardim Zoológico de Lisboa, onde decerto continuará a fazer as delícias dos mais pequenos, contribuindo para aquela que é já, por si só, uma das melhores experiências disponíveis para uma criança ou jovem residente na zona da capital. Mesmo na sua forma original, no entanto, o museu em causa destacava-se já pela tentativa bem-sucedida de apresentar algo diferente do habitual, que o ajudava a conquistar o seu público-alvo e fazia com que valesse bem a pena uma visita – um paradigma, aliás, que se continua a verificar até aos dias de hoje...

13.01.24

As saídas de fim-de-semana eram um dos aspetos mais excitantes da vida de uma criança nos anos 90, que via aparecerem com alguma regularidade novos e excitantes locais para visitar. Em Sábados alternados (e, ocasionalmente, consecutivos), o Portugal Anos 90 recorda alguns dos melhores e mais marcantes de entre esses locais e momentos.

Na última Sessão de Sexta, falámos dos ciclos e mostras de cinema independente, bem como das salas que escolhiam prescindir dos maiores êxitos de bilheteira para divulgar este tipo de filmes, por intermédio de distribuidoras como a Medeia Filmes. Nada melhor, portanto, do que dedicarmos a Saída deste Sábado a explorar um pouco mais a fundo esses espaços emblemáticos de finais do século XX, e – infelizmente – praticamente desaparecidos nos dias que correm.

Cinema-Icaro-2019-1-768x576.jpeg

Normalmente situadas nos locais mais insuspeitos – em ruas residenciais ou paralelas às grandes artérias urbanas, caves de centros comerciais de bairro, ou até no interior de instituições e centros culturais – estas salas mais pequenas e independentes tinham, normalmente, em comum o clima e atmosfera no seu interior, que remetia a tempos mais clássicos, com poucos lugares, o ecrã muito próximo até mesmo das filas de trás, e aquele silêncio quase reverente que as gerações anteriores ao aparecimento dos 'multiplex' se habituaram a associar com a experiência de ir ao cinema. Este claro contraste com as luzes, ruído e banca de pipocas e refrigerantes das referidas salas de 'shopping', coadunava-se com a própria oferta de filmes, sendo as obras exibidas neste tipo de cinema, regra geral, mais intimistas e menos 'bombásticas' do que os típicos filmes de Verão ou Natal.

Não quer isto dizer, é claro, que um ou outro desses filmes não surgisse nos cinemas em causa, sendo que os filmes da Disney, em particular, tendiam a ser exibidos nestes espaços. Mesmo nesses casos, no entanto, estas salas marcavam a diferença, normalmente através da exibição da versão legendada, por oposição à dobrada, mantendo assim a vertente mais inteligente e intelectual que as caracterizava, ao mesmo tempo que se estabeleciam como a única escolha para quem quisesse ver os filmes em versão original, atraindo assim uma quota-parte garantida de público.

Infelizmente, o advento do DVD, e a maior diversificação dos lançamentos em formato caseiro – que passaram a incluir muitos títulos independentes e 'de autor', antes totalmente inacessíveis fora do contexto de salas deste tipo – veio ditar o 'início do fim' dos cinemas independentes, que passariam as duas décadas seguintes a definhar numa triste 'morte lenta', até ao inevitável fecho e reconversão em qualquer outro tipo de negócio. Como consequência, hoje em dia, apenas um número irrisório de entre todas as salas deste género existentes no País à época se encontra ainda em actividade, tendo as mostras e ciclos de cinema passado, quase exclusivamente, para as cinematecas e instituições culturais como a Culturgest, em Lisboa – p que não invalida que as salas em causa vivam na memória de quem nelas assistiu a muitos e bons filmes que, de outra forma, talvez nunca tivesse visto, justificando assim a sua escolha como destino para a primeira Saída de Sábado do ano de 2024.

30.12.23

As saídas de fim-de-semana eram um dos aspetos mais excitantes da vida de uma criança nos anos 90, que via aparecerem com alguma regularidade novos e excitantes locais para visitar. Em Sábados alternados (e, ocasionalmente, consecutivos), o Portugal Anos 90 recorda alguns dos melhores e mais marcantes de entre esses locais e momentos.

De entre todas as tradições de Ano Novo, não só em Portugal como um pouco por todo o Mundo, os espectáculos de fogo de artifício (ou 'foguetes') estão entre os mais clássicos e emblemáticos. Nos anos 90 do século passado, a situação não era, de todo, diferente, e 'ver os foguetes' era já uma tradição de infância não apenas para a geração 'millennial', como também para as suas duas antecessoras. E porque, no nosso post sobre as passagens de ano daquela época, apenas dedicámos algumas linhas a esta pedra basilar de qualquer 'reveillon' nacional, nada melhor do que fazer dela tema central da nossa última Saída de Sábado de 2023.

IDbd260000-0000-0500-0000-00000f289517.jpg

Nos anos 90, como agora, a maioria dos centros urbanos portugueses organizavam, pelo menos, um espectáculo de fogos de artifício, normalmente numa localização centralizada, onde o mesmo pudesse ser visto a alguma distância em redor; Lisboa, por exemplo, tinha-os geralmente junto ao Rio Tejo e na Alameda, espaços amplos e onde os 'foguetes' conseguiam deslumbrar os habitantes de vários bairros em redor, mesmo que estes não se encontrassem no local do evento - paradigma também aplicado em cidades como o Porto e Braga. Assim, para muitos jovens da época (e, ainda mais, dos dias que correm) nem sequer era preciso sair de casa para ver o espectáculo de luzes, sendo que, da varanda do prédio, apenas se ficava a perder a vertente sonora, em particular o acompanhamento musical que tendia a acompanhar os foguetes propriamente ditos. E mesmo quem não tivesse, da sua janela ou presencialmente, acesso a um destes espectáculos, podia ver excertos do mesmo na televisão, onde a maioria dos canais se dedicava já na altura a mostrar os fogos de artifício nas principais localidades do Continente e Ilhas.

Tal como a maioria das tradições de Ano Novo vigentes na época, esta foi uma vertente que pouco ou nada se alterou, continuando os fogos de artifício a fazer as delícias dos filhos, e até netos, das gerações que assistiram aos primeiros espectáculos deste tipo nos centros urbanos nacionais, nas últimas décadas do século passado...

17.12.23

NOTA: Este post é respeitante a Sábado, 16 de Dezembro de 2023.

As saídas de fim-de-semana eram um dos aspetos mais excitantes da vida de uma criança nos anos 90, que via aparecerem com alguma regularidade novos e excitantes locais para visitar. Em Sábados alternados (e, ocasionalmente, consecutivos), o Portugal Anos 90 recorda alguns dos melhores e mais marcantes de entre esses locais e momentos.

O advento da chegada dos 'shoppings' e hipermercados a Portugal, em meados da década de 90, fez da visita aos mesmos uma das 'tradições' natalícias da maioria das famílias portuguesas de finais do século XX e inícios do seguinte; e à medida que este novo paradigma se ia cimentando nas vidas dos portugueses de então, foram sendo introduzidos e adicionados ao mesmo uma série de novos elementos, muitos deles 'importados' de contextos semelhantes em outros países. Um destes elementos, talvez o mais famoso e duradouro, foram as 'grutas do Pai Natal', onde as crianças até certa idade podiam conviver e tirar fotografias com o bom velhinho - ou, como era dito a alguns, com um dos seus ajudantes especialmente seleccionados.

5892c63e0ad21fd654b2e8edb2131170-754x754.jpg

A 'Gruta' do Centro Comercial Colombo, em Lisboa, uma das mais antigas e populares do País.

Escusado será dizer que este tipo de iniciativa fez tanto sucesso em Portugal como nos outros locais onde já havia sido introduzido; afinal, que criança deixaria passar a oportunidade de não só conhecer o 'dispensador' anual de presentes e símbolo de bondade e espírito natalício, mas de conversar com o mesmo, lhe transmitir os seus desejos de Natal, e tirar uma fotografia para a posteridade? Com isto em mente, não era de admirar que as filas para a maioria das 'Grutas' de supermercado fossem, e continuem a ser, consideráveis, mesmo após os primeiros dias da iniciativa; e embora não seja descabido que alguém, algures, venha futuramente a criar uma 'app' para conhecer o Pai Natal em 'streaming', enquanto tal não acontece, é de esperar que as 'Grutas' e 'Casas' do Pai Natal nos supermercados, hipermercados e 'shoppings' deste País continuem a constituir uma antecipada e entusiasmante Saída de Sábado anual para as gerações mais novas.

03.12.23

NOTA: Este post é respeitante a Sábado, 2 de Dezembro de 2023.

As saídas de fim-de-semana eram um dos aspetos mais excitantes da vida de uma criança nos anos 90, que via aparecerem com alguma regularidade novos e excitantes locais para visitar. Em Sábados alternados (e, ocasionalmente, consecutivos), o Portugal Anos 90 recorda alguns dos melhores e mais marcantes de entre esses locais e momentos.

A quadra natalícia no Portugal de finais do século XX e inícios do Novo Milénio ficava, para muitas crianças e jovens, marcada por uma série de rituais que se repetiam anualmente: os jantares em família, a compra e decoração da árvore, a montagem do presépio, o circo de Natal (ao vivo e na televisão), o convívio dos clubes ou modalidades de que faziam parte, os desenhos para pintar e cartas ao Pai Natal escritas na escola, a visita ao referido Pai Natal no 'shopping' ou hipermercado mais próximo e, claro, a festa de Natal organizada por pelo menos uma das empresas onde os pais trabalhavam.

download.jpg

De facto, se em outros países esta festa é, sobretudo, um pretexto para dar uma 'noite de farra' aos adultos, em Portugal, a mesma era mais direccionada às crianças, envolvendo tradicionalmente um convívio com aperitivos, distribuição de prendas, e até, muitas vezes, um espectáculo de palhaços ou teatro ou uma visita do próprio Pai Natal; em outros casos, a festa era, ela mesma, organizada durante, e em torno, de um espectáculo de circo ou peça de teatro já em cena, permitindo simplificar essa faceta do processo e proporcionando uma experiência ainda mais inesquecível aos pequenos espectadores. Não é, pois, de admirar que as festas de Natal de empresas como a Portugal Telecom fossem altamente antecipadas pelos filhos dos funcionários – afinal, quem não gosta de receber presentes, comer 'à borla' e passar uma tarde divertida na companhia de outros jovens da mesma idade?

Infelizmente, o progressivo afastamento da vertente familiar por parte das empresas portuguesas ditou a redução drástica do número de festas deste tipo no século XXI; e embora seja de acreditar que ainda haja em Portugal empresas dispostas a organizar eventos anuais dirigidos aos mais novos, não é de todo polémico afirmar que foi nos anos 90 que as festas de Natal institucionais e corporativas viveram aquele que talvez venha a ser o seu último período áureo.

19.11.23

NOTA: Este post é respeitante a Sábado, 18 de Novembro de 2023.

As saídas de fim-de-semana eram um dos aspetos mais excitantes da vida de uma criança nos anos 90, que via aparecerem com alguma regularidade novos e excitantes locais para visitar. Em Sábados alternados (e, ocasionalmente, consecutivos), o Portugal Anos 90 recorda alguns dos melhores e mais marcantes de entre esses locais e momentos.

Apesar de frequentemente visitados pelas crianças e jovens da época – fosse com a escola ou como Saída de Sábado com a família – os museus dos anos 90 não eram, regra geral, espaços especialmente atractivos para essa demografia. Enquanto que, hoje em dia, tudo tende a ter um cariz mais interactivo, em finais do século XX, este tipo de local caracterizava-se, ainda, por uma certa estaticidade, que – caso a área abordada não fosse de interesse directo para o visitante – os tornava, por vezes, algo aborrecidos. A década em causa viu também, no entanto, serem inaugurados pelo menos dois espaços museológicos directa e explicitamente dirigidos ao público menor de idade. De um deles, falaremos aquando do trigésimo aniversário da sua abertura; ao outro, dedicaremos algumas linhas nos parágrafos que se seguem.

provideded-by-museu-do.jpg

A segunda casa do Museu, no antigo quartel de bombeiros de Sintra.

Trata-se do Museu do Brinquedo, espaço inaugurado ainda em finais da década de 80, na localidade de Sintra, perto de Lisboa, e que, pela temática abordada, imediatamente captou a atenção das crianças e jovens da época. Isto porque, apesar de se tratar de um museu de moldes bastante típicos, a oportunidade de ver brinquedos de várias épocas (incluindo a então actual) era uma posta bastante mais atractiva para o público-alvo do espaço do que a oferecida pelo comum dos museus então existentes, o que aumentava o desejo de visitar o espaço. Uma vez no local, a proposta de valor ganhava, ainda, novos contornos, dado que o museu dispunha de uma sala lúdica, mais tarde transformada em espaço de exposições temporárias ou itinerantes, mas que, na altura, permitia aos mais novos passarem alguns minutos divertidos a 'descomprimir' após a visita (guiada ou não) ao acervo de brinquedos cultivado durante mais de seis décadas por um único coleccionador, João Arbués Moreira, cuja família era responsável pelo museu.

20130711_113019.jpg

Aspecto do interior do museu.

Esta combinação de atractividade com importância e relevância histórica ajudou a fazer do espaço em causa parte importante da 'malha' de museus da Grande Lisboa, tendo-lhe valido a entrada na rede nacional de museus, em 2004, e o estatuto de Superior Interesse Nacional, quatro anos depois, além de uma nova 'casa', no antigo quartel de bombeiros de Sintra. Tudo fazia prever mais várias décadas de deleite das novas gerações, mas a História ditaria um destino algo diferente para o Museu do Brinquedo, que – apenas seis anos após almejar o supramencionado estatuto – viria a encerrar portas em 2014, deixando uma lacuna no panorama museológico português que apenas o Museu do Brinquedo Português, fundado em 2012 em Ponte de Lima, procurou desde então colmatar.

Isto porque, embora a Geração Z pouco interesse tenha nos brinquedos clássicos de gerações passadas, a documentação e exibição dos mesmos não deixa de ser crucial, para evitar que os mesmos se percam no tempo, como vem acontecendo com tantos outros aspectos da cultura popular do século XX. Neste aspecto, a existência de um espaço como o Museu do Brinquedo afigurava-se crucial, sendo de esperar que, algures num futuro próximo, venha a surgir outra instalação semelhante que possa continuar a 'missão' iniciada pelos Arbués Moreira em 1989 e continuada pela autarquia de Ponte de Lima, e captar o interesse das novas gerações da mesma forma que sucedeu e vem sucedendo com aqueles dois espaços.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub