Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

07.10.22

Um dos aspetos mais marcantes dos anos 90 foi o seu inconfundível sentido estético e de moda. Em sextas alternadas, o Anos 90 recorda algumas das marcas e modas mais memoráveis entre os jovens da ‘nossa’ década.

Desde o início desta rubrica, temos vindo a recordar artigos que marcaram época na moda infanto-juvenil e adolescente dos anos 90, das bolsinhas para trocos às 'sweats' da Gap, Quebramar, No Fear e Mad = Bad, camisas da Sacoor, fatos de treino de cores berrantes (ou daqueles com calças às riscas), blusões da Duffy, ou simples meias brancas com raquetes, entre muitos outros.; esta semana, chega a vez de abordar um item que, apesar de mais esquecido do que qualquer dos atrás mencionados (ou de outros aos quais chegaremos, como as calças Levi's) não deixou, ainda assim, de fazer sucesso entre o público feminino português (adolescente e não só) da primeira metade da década.

AngelsTee_White_Product.jpgFalamos da clássica t-shirt dos dois 'anjinhos', lançada pela, até então, pouco expressiva marca italiana Fiorucci, e que teve sem dúvida papel preponderante na popularização da mesma junto das portuguesas, ainda que apenas temporariamente, já que, por alturas de meados da década, já ninguém vestia ou se lembrava desta peça. Ainda assim, apesar de significativamente menos intemporal do que qualquer dos artigos citados no início deste texto, esta camisola, cuja estampa se limitava a apresentar duas anjinhas querubins, uma loira e uma morena, por cima do nome da marca, não deixou de ter um impacto e popularidade consideráveis durante os seus 'cinco minutos de fama' – tanto assim que é possível, hoje em dia, encontrar diversas variações e variantes sobre o tema, tanto de responsabilidade da própria Fiorucci como, presumivelmente, de índole menos oficial (como se assume ser o caso daquela variação que mostra as duas anjinhas de óculos escuros, como que a tentar demonstrar a atitude 'radical' com a qual a última década do século XX é, ainda hoje, conotada.

E apesar de não haver muito mais a dizer sobre esta simples t-shirt de algodão estampada, hoje algo esquecida no contexto da moda portuguesa dos anos 90 (apesar de ainda ser comercializada em larga escala pela própria Fiorucci, talvez para tentar capitalizar sobre a actual propensão social para a nostalgia), a verdade é que a mesma acabou mesmo por marcar época entre certo segmento da sociedade portuguesa, merecendo por isso as breves linhas que lhe acabam de ser dedicadas.

23.09.22

Um dos aspetos mais marcantes dos anos 90 foi o seu inconfundível sentido estético e de moda. Em sextas alternadas, o Anos 90 recorda algumas das marcas e modas mais memoráveis entre os jovens da ‘nossa’ década.

A sociedade adolescente da segunda metade dos anos 90 encontrava-se (mais ou menos) rigidamente dividida em 'tribos', identificadas e identificáveis, entre outros factores, pelas marcas de vestuário que favoreciam, entre as quais havia muito poucos 'cruzamentos'; existiam, sim, marcas universalmente populares, mas eram em número relativamente reduzido, dividindo-se o mercado nacional da época, em grande medida, entre marcas de 'betinhos', marcas de surf, marcas radicais, marcas alternativas, marcas 'dreads', muitas das quais ligadas ao movimento hip-hop, e, claro, as mais populares e omnipresentes de todas: as 'marcas' de contrafacção.

No entanto, e apesar de a maioria destas facções se manterem estritamente segmentadas, não deixava de haver uma pequena 'área cinzenta', povoada por marcas vestidas por quem não era um 'dread' legítimo, mas se queria ainda assim demarcar do epíteto de 'beto'. Com os seus 'designs' largueirões (como era apanágio da época) mas ainda assim lineares o suficiente para não 'assustar' os pais menos tolerantes, marcas como a Fubu, Counter Culture ou Fishbone tinham logrado expandir-se para lá do seu nicho inicial de fãs de 'hip-hop' e 'rap', e penetrar o mercado generalista, onde um público adolescente em processo de descoberta da identidade lhes dedicou uma calorosa recepção, não tardando a integrá-las no seu vestuário quotidiano, à laia de 'fashion statement'.

P0.jpg

Quem foi adolescente nos anos 90, teve, ou conheceu quem tivesse, uma sweatshirt praticamente igual a esta.

Claro que, como a maioria das outras peças de que aqui falamos, também este estilo de roupa acabou, inevitavelmente, por cair em desuso, após alguns anos de domínio de mercado; quem, no entanto, cresceu e foi adolescente nos anos da viragem do milénio certamente lembrará, com mais ou menos afecto, todas ou algumas destas marcas, quer por as mesmas terem adornado o seu corpo, quer o de colegas. E numa altura em que a tendência cíclica da moda começa a trazer as peças extra-largas de volta ao imaginário de estilo dos jovens (bem como muitas das marcas daquela época), não deixa de ser bem possível que se veja, em breve, um ressurgir destas marcas, que vão, ainda, sobrevivendo no seu nicho, à espera de outra 'hipótese' de penetrarem o mercado 'mainstream'...

02.09.22

Um dos aspetos mais marcantes dos anos 90 foi o seu inconfundível sentido estético e de moda. Em sextas alternadas, o Anos 90 recorda algumas das marcas e modas mais memoráveis entre os jovens da ‘nossa’ década.

Não há ex-adolescente de finais dos anos 90 e inícios de 2000 que não se lembre delas. Juntamente com as calças boca de sino (ou as chamadas 'pata de elefante') e as 'sweats' (com ou sem capuz) ou 'pullovers' de malha formavam parte integrante da indumentária da grande maioria das raparigas do ensino secundário da altura, que não hesitavam em as exibir numa variedade de cores, apesar de as mais comuns serem os habituais branco-sujo, azul, preto e vermelho (o chamado 'esquema de cores Converse'.)

Jil-Sander-Navy-shoes-Leather-Lace-Up-Platform-549

Falamos das solas de plataforma, uma moda transversal às duas décadas acima referidas, primeiro aplicada a ténis (durante os anos 90) e, mais tarde, às famosas 'socas', que dominaram o calçado adolescente feminino durante a primeira década do novo milénio. E a verdade é que, de um ponto de vista prático (ou, se preferirem, adulto e meio 'chato') não é difícil perceber a razão do sucesso destes sapatos, já que, além das considerações puramente estéticas, os mesmos ofereciam uma série de vantagens. Senão, veja-se: além de ficarem 'a matar' com os modelos de calças acima referidos, também impediam que as mesmas roçassem pelo chão, danificando assim a base das pernas das mesmas, algo com que os rapazes da época se debatiam frequentemente em relação aos seus próprios modelos de calças largas; além disso, este tipo de calçado permitia, ainda, adicionar uns centímetros consideráveis à altura, um efeito explorado em pleno pelas bandas de 'hard rock' dos anos 80 e 90, e que não deixava de constituir também um ponto a favor para raparigas mais baixas, ou mais envergonhadas em relação à sua altura – ainda que, para as suas colegas mais altas, o efeito fosse o oposto.

Em suma, um sapato tão versátil quanto estético (quanto ao conforto, infelizmente, não nos podemos pronunciar...), que ganhou definitivamente o coração de toda uma geração de adolescentes em finais do século XX e inícios do XXI, e que - como tantas outras modas daquela época - está a ser alvo de uma reemergência no mercado, sendo bem possível que, em anos vindouros, venhamos novamente a ver adolescentes do sexo feminino a equilibrarem-se em cima deste tipo de calçado a caminho da escola...

29.07.22

Um dos aspetos mais marcantes dos anos 90 foi o seu inconfundível sentido estético e de moda. Em sextas alternadas, o Anos 90 recorda algumas das marcas e modas mais memoráveis entre os jovens da ‘nossa’ década.

Num dos primeiros posts desta rubrica, abordámos as tão frequentes quanto gloriosas peças de vestuário de contrafacção que se podiam (e ainda podem) encontrar em bancas de feira e outros ambientes semelhantes, um pouco por esse Portugal afora. Aquando desse post, deixámos, no entanto, involuntariamente de fora um tipo específico de peça dessa categoria, erro que rectificamos esta semana, ao falarmos das míticas e memoráveis camisolas de malha da 'Burberry' e 'Ralph Lauren' com que todos convivemos naqueles anos de final do Segundo Milénio.

Capture1.PNG

Esta é autêntica, mas façam de conta...

Adquiríveis na mesma 'boutique' que as camisolas a imitar No Fear ou as calças de fato de treino a imitar Adidas ou Reebok – o chão da rua – estas camisolas constituíam contrafacções bem mais cuidadas do que os dois exemplos supra-mencionados, sendo o único sinal suspeito (além, claro está, do facto de serem vendidas na rua, por um preço relativamente acessível) a qualidade da malha, e as cores muitas vezes duvidosas, de que as marcas certamente não teriam aprovado para as respectivas colecções, como o azul-turquesa e o rosa-choque. De resto, estes produtos eram, em tudo, idênticos aos autenticamente comercializados pelas marcas à época, não sendo, portanto, de admirar que tenham 'enganado' muito boa gente na altura.

Tal como sucedeu com as outras peças mencionadas, também estes 'pullovers' se acabaram por tornar menos comuns à medida que a indústria da contrafacção se passou a centrar em outros estilos e marcas; no entanto, o seu carácter significativamente mais intemporal do que as outras imitações da altura faz que, de quando em vez, ainda se vá vendo uma destas camisolas surgir numa qualquer feira portuguesa, pronta a aliciar um comprador menos atento, exigente, ou a quem o símbolo da 'griffe' interesse mais do que a qualidade – adjectivos que descrevem, também, perfeitamente a maioria das pessoas que, à época, tinha no armário uma (ou mais) destas peças...

15.07.22

Um dos aspetos mais marcantes dos anos 90 foi o seu inconfundível sentido estético e de moda. Em sextas alternadas, o Anos 90 recorda algumas das marcas e modas mais memoráveis entre os jovens da ‘nossa’ década.

Quando se fala em peças de roupa 'intemporais', um dos primeiros exemplos que vem à cabeça de qualquer ex-jovem dos anos 90 são os inevitáveis ténis Converse All-Star. Apesar de, à época, gozarem já de várias décadas de popularidade (a qual, aliás, continua até aos dias de hoje) é mesmo com os anos 80 e 90 que este tipo de calçado tende a ser associado, até por ter sido quando gozou o seu auge de popularidade.

Tanto assim foi que quem entrasse numa das lojas generalistas 'barateiras' tão típicas dessa era da História social portuguesa encontraria a prova acabada dessa mesma popularidade - nomeadamente, imitações mais ou menos bem-feitas do artigo original. Poder-se-à, claro, argumentar que ainda hoje é possível encontrar ténis de lona a emular o estilo clássico concebido por Chuck Taylor em lojas como a Primark; a diferença reside, no entanto, no facto de essas sapatilhas copiarem o modelo 'raso' dos All-Star (isto é, sem cano) ao passo que as imitações dos 90s optavam, invariavelmente, pela variante de cano alto, a mais popular à época.

D_NQ_NP_646296-MLB46336955964_062021-W.jpg

Um exemplo contemporâneo, neste caso para bebé

E a verdade é que, à primeira vista, estes ténis mais 'genéricos' até passavam bem por All-Star genuínos – pelo menos até serem escrutinados mais a fundo. Isto porque a principal diferença entre os modelos autênticos da marca e as cópias em causa estava nos detalhes, saindo as opções mais baratas, obviamente, a perder. Por exemplo, onde os All-Star tinham uma estampa aplicada na zona do tornozelo, estes ténis tendiam a ter pedaços de borracha - muitas vezes com um desenho de uma estrela, mas em casos menos cuidados, lisos – ou até a deixar essa área vazia; de igual modo, enquanto que os All-Star têm sempre uma risca a dividir a lateral da sola ao meio, certas cópias anónimas tendiam a omiti-la, deixando a lateral da sola lisa, num modelo mais próximo da não menos icónica versão nacional dos All-Star, os Sanjo. Detalhes pequenos, mas que ajudavam a que o artigo genuíno se distinguisse das imitações baratas, servindo para informar o consumidor no momento da compra.

Ainda assim – e talvez surpreendentemente, tendo em conta a mentalidade vigente à época – havia muita gente que sabia 'ao que ia', e não se importava grandemente; isto porque, ao contrário da maioria dos artigos declaradamente de contrafacção, estas imitações de Converse All-Star tendiam a ser socialmente bem aceites entre os mais jovens, vá-se lá saber porquê. E apesar de, hoje em dia, estarem praticamente extintos (até porque os ténis populares passaram a ser de marcas como a Adidas ou a New Balance), a verdade é que quem cresceu em Portugal em finais dos anos 90 e inícios de 2000, e não dispunha de 'fundos ilimitados' para reposição de guarda-roupa, certamente se terá cruzado, pelo menos uma vez na vida, com um par de ténis destes – por aqui, por exemplo, existiram pelo menos dois duarante os anos de adolescência - e ostentado orgulhosamente o mesmo para a escola, talvez combinado com um par das não menos inevitáveis meias brancas de raquetes...

04.06.22

NOTA: Este post é respeitante a Sexta-feira, 3 de Junho de 2022.

Um dos aspetos mais marcantes dos anos 90 foi o seu inconfundível sentido estético e de moda. Em sextas alternadas, o Anos 90 recorda algumas das marcas e modas mais memoráveis entre os jovens da ‘nossa’ década.

A impressão de peças de roupa personalizadas ganhou, no final do Segundo Milénio, considerável popularidade em Portugal. A gradual expansão das tradicionais 'gráficas' e lojas de fotocópias a serviços mais variados, aliada à facilidade em encontrar t-shirts lisas por um preço relativamente acessível – muitas vezes, até, em regime 'multipack' – incentivaram muitos jovens portugueses a criar items de vestuário quer semelhantes aos que se poderiam adquirir nas lojas da especialidade (mas por menos dinheiro) quer mesmo únicos e representativos de uma situação ou vivência específica.

Capture.PNG

O princípio era este, mas aplicado a uma 'sweatshirt', e geralmente com várias fotos em montagem

Destes últimos, o exemplo que vem imediatamente à memória são as 'sweatshirts' com montagens fotográficas, largamente favorecidas pelas raparigas adolescentes e pré-adolescentes de finais da década de 90 e inícios da seguinte. Compostas, regra geral, por fotos destinadas a ilustrar ou recordar momentos especiais (como festas de anos, viagens de finalistas, ou até, apenas, um dia ou noite bem passado na companhia das amigas) estas peças de vestuário constituíam autênticas 'molduras vestíveis', e serviam o duplo propósito de recordar o evento em causa e provocar inveja em quem lá não havia estado, sendo relativamente bem-sucedidas em ambas as frentes.

Embora, como atrás referido, tivessem sido bastante populares entre as jovens de uma certa idade durante um período de alguns anos, estas 'sweatshirts' desapareceram algo mais abruptamente do que alguns dos outros artigos de vestuário de que aqui falamos, parecendo ter saído de moda de um ano para o outro, sem deixar rasto; quem alguma vez mandou fazer e vestiu uma destas camisolas, no entanto (ou viu as amigas com elas vestidas) certamente as recordará tão vivamente como qualquer das outras modas noventistas e 'mileniais' abordadas nesta rubrica.

06.05.22

Um dos aspetos mais marcantes dos anos 90 foi o seu inconfundível sentido estético e de moda. Em sextas alternadas, o Anos 90 recorda algumas das marcas e modas mais memoráveis entre os jovens da ‘nossa’ década.

Há coisas que não se explicam – e nos anos 90, houve MUITAS coisas que não se explicavam, a maioria delas no mundo da moda. Senão vejamos: foi esta a década dos fatos de treino de cores garridas, das meias de raquetes, das bolsinhas de trocos, e das peças de vestuário de que hoje falamos, os chinelos de praia com sola grossa e bonecos 'anime' na tira.

D_NQ_NP_616834-MLB31846634550_082019-O.webp

Essencialmente isto, mas mais mal feito

Sim, antes de os chinelos deste tipo se tornarem, quase exclusivamente, em imitações mais ou menos bem feitas de modelos da Nike ou Adidas – incluindo-se nessa lista, também, os modelos infantis - os fabricantes de calçado tinham 'rédea solta' para dar largas à imaginação e criar sapatos um pouco mais imaginativos, sobretudo quando direccionados à população mais jovem; e, para muitos desses mesmos produtores, o conceito de 'dar largas à imaginação' passou por criar um 'template' de chinelo, o qual sofria, posteriormente, alterações apenas ligeiras, sobretudo ligadas ao padrão.

Quem foi de uma certa idade na viragem da década de 80 para a seguinte, e frequentou lojas de artigos de praia, certamente tem uma imagem mental bastante clara deste tipo de chinelo: base grossa, em borracha, de cor uniforme (normalmente preto ou azul-escuro) e tira branca decorada com personagens de 'anime', fossem licenciados (por aqui, recorda-se vagamente um modelo com desenhos do Capitão Falcão) ou retirados da imaginação de um qualquer ilustrador. Um sapato declaradamente e desavergonhadamente feio (para além de não ser especialmente barato) mas que explorava, e bem, o fascínio das crianças da época por tudo o que tivesse padrões inspirados em desenhos animados – e que, apesar de não se poder considerar ter sido uma 'febre', ainda era visto com alguma regularidade nos pés de uma determinada demografia da juventude portuguesa.

Felizmente, tal como os outros 'atentados à moda' descritos no início deste post, também estes chinelos acabaram por cair em desuso, ou pelo menos desaparecer das prateleiras das lojas de praia; enquanto existiram na consciência popular, no entanto, não deixaram de se afirmar como mais uma prova cabal de que 'gostos não se discutem', sobretudo os da juventude...

30.04.22

NOTA: Apesar de este dever ser um Sábado aos Saltos, alterámos ligeiramente o calendário para o nosso post sobre este evento poder coincidir aproximadamente com a data em que o mesmo se realizava. Os Saltos voltam nos próximos dois Sábados.

As saídas de fim-de-semana eram um dos aspetos mais excitantes da vida de uma criança nos anos 90, que via aparecerem com alguma regularidade novos e excitantes locais para visitar. Em Sábados alternados (e, ocasionalmente, consecutivos), o Portugal Anos 90 recorda alguns dos melhores e mais marcantes de entre esses locais.

A par do 25 de Abril, o feriado do 1º de Maio (Dia do Trabalhador) reveste-se de especial importância no calendário português, por representar, juntamente com o seu 'parceiro', uma das mais significativas instâncias da luta por direitos e igualdade da História não só do nosso País, como mundial. Assim, não é de estranhar que, todos os anos, essa mesma data seja assinalada pela realização de marchas e comícios nas principais cidades portuguesas, a maioria organizadas ou com participação substancial de organismos como o Partido Comunista Português ou as uniões de trabalhadores UGT e CGTP.

images.jpg

A Alameda, local habitual do comício do 1º de Maio em Lisboa e, até à década de 2000, da respectiva feira de rua

Para os adolescentes residentes nessas mesmas cidades nas décadas de 90 e 2000, no entanto (pelo menos aqueles que eram menos politicamente engajados) as celebrações oficiais do feriado nunca foram o principal motivo de interesse do mesmo, nem justificaram uma Saída de Sábado no dia 1 de Maio; ao invés, a razão pela qual a maioria dos jovens citadinos portugueses se deslocava ao local dos comícios na referida data estava ligada àquilo que sempre o rodeava – nomeadamente, a feira de rua que invariavelmente ali era montada.

Isto porque, ainda mais do que nas feiras tradicionais (das quais, aliás, já aqui falámos) era ali o local para encontrar as últimas novidades em roupa de contrafacção, normalmente a preços ainda mais 'simpáticos' do que era costume. Havia ali um pouco de tudo por onde escolher: calças de fato de treino com riscas, a imitar Adidas, ténis 'tirados a papel químico' dos caríssimos modelos oficiais, cópias perfeitas das lendárias camisas da Sacoor - que tinham a vantagem de oferecer padrões não disponibilizados pela própria marca, como o xadrez - meias de raquetes, t-shirts com os 'bonecos' da moda (dos personagens do Dragon Ball Z aos Simpsons, Tweety, Tartarugas Ninja, Power Rangers, Pokémon ou o que mais fosse popular entre a criançada), 'sweats' (supostamente) da No Fear, Gap ou Gant, 'pullovers' pseudo-Burberry's ou Polo Sport, pólos a imitar Lacoste, camisolas de futebol 'quase-oficiais' (entretanto monopolizadas pelas lojas de souvenirs para turistas) pólos de râguebi de origem duvidosa (e que, mesmo assim, continuavam a ser caros), e muito mais; com sorte, até se conseguia encontrar um ou outro resto de loja ou fábrica ou protótipo com defeito, adquirindo assim um artigo verdadeiramente de marca (apesar de rejeitado pela mesma) a um preço irrisório. Mesmo as contrafacções mais declaradas eram, por vezes, mais bem conseguidas do que os artigos oficiais, sobretudo por se basearem em padrões e desenhos experimentais, alguns nunca lançados pela marca, e que chegavam a ser mais interessantes do que os presentes nos referidos artigos 'de loja'.

Só a possibilidade de adquirir artigos como os mencionados no parágrafo acima já era suficiente para despertar o interesse da maioria dos jovens, mas como era (e é) tradicional neste tipo de eventos, a feira do 1º de Maio dispunha, também, das tradicionais roulottes de churros e farturas, que tornavam irresistível a proposta de uma 'asneira' gastronómica, a juntar às 'asneiras' económico-comerciais do resto da feira. O resultado era, invariavelmente, um dia bem passado (por menos que se comprasse, e comprava-se sempre alguma coisa) e a determinação de, no ano seguinte, voltar a estar presente no evento.

Infelizmente, com o passar dos anos, as feiras em torno do comício do 1º de Maio parecem ter deixado de se realizar – foi, pelo menos, esse o caso na capital, Lisboa; para quem teve a sorte de conseguir presenciar um destes eventos, no entanto, a recordação e nostalgia de passear no mesmo e admirar as camisas Sacoor de contrafacção (entre outros artigos da mesma índole) estarão, ainda hoje, bem presentes...

11.03.22

Um dos aspetos mais marcantes dos anos 90 foi o seu inconfundível sentido estético e de moda. Em sextas alternadas, o Anos 90 recorda algumas das marcas e modas mais memoráveis entre os jovens da ‘nossa’ década.

Hoje em dia, comprar roupa remotamente já não é nada de novo; pelo contrário, as lojas online de grandes retalhistas, pequenas lojas independentes em sites como o Etsy, ou até serviços de importação e expedição como a Shein e BooHoo vão-se cada vez mais tornando o método por excelência para adquirir novos artigos de vestuário a preços mais convidativos e com maior variedade do que as lojas tradicionais, e iguais facilidades de troca.

Muito antes de qualquer destes serviços sequer pensar em existir, no entanto, já uma outra companhia multi-nacional inovava e 'disrupcionava' o mundo do comércio de moda, com um esquema muito semelhante ao hoje seguido por estas lojas – com o benefício adicional de os clientes não terem de ir à procura do catálogo, que era automaticamente enviado para a sua caixa do correio duas a três vezes por ano.

download.jpg

Falamos, claro, da La Redoute, o primeiro contacto que muitos jovens portugueses dos anos 90 tiveram com o conceito de compras à distância. Com um historial cujo início se perde no tempo, a produtora têxtil francesa terá começado por ser uma fábrica de fiação tradicional – sedeada na rua que lhe dá o nome, em Roubaix, no Norte da França – até os elevados volumes de stock terem dado ao fundador Pierre-Joseph Pollet, um ex-agricultor transformado em magnata têxtil, a ideia de vender as suas peças por correspondência, primeiro através de anúncios num jornal local e, mais tarde, mediante a distribuição de um catálogo próprio. O sucesso desta iniciativa ultrapassou quaisquer metas que o fundador pudesse ter delineado, sendo que, quatro décadas depois de Poullet ter tido a sua revolucionária ideia, uma em cada cinco familias francesas comprava artigos La Redoute.

Com tais níveis de popularidade, o próximo passo era óbvio, e passava pela expansão internacional, sendo Portugal um dos países contemplados pela mesma. Surge assim, em 1987, a La Redoute Portugal, parte do grupo de venda à distância Europirâmide, e responsável pela criação e distribuição dquele catálogo que tantas crianças se habituaram a ver na pilha do correio ou mesa de cabeceira de casa, e a folhear para ver o que continha. Com 16 páginas e uma tiragem inicial de 60 mil exemplares, o catálogo foi um sucesso de tal modo retumbante que permitiu à La Redoute Portugal tornar-se sócia maioritária do grupo Europirâmide e, mais tarde, adquiri-lo por completo.

A década seguinte apenas veria exacerbar-se o sucesso da La Redoute Portugal, que lançaria um segundo catálogo especializado em tamanhos grandes e, já no ocaso da década, um cartão de fidelidade próprio, semelhante ao utilizado pela maioria dos supermercados e outras grandes superfícies. Pelo meio ficaria, ainda, uma distinção como melhor empresa comercial portuguesa, em 1993, bem como a retoma integral do catálogo francês (com excepção da secções de móveis e electrodomésticos) em 1997.

Este paradigma manteve-se até aos primeiros anos do novo milénio, sendo que os primeiros cinco viram surgir mais dois catálogos impressos, ao mesmo tempo que a empresa se expandia para as emergentes plataformas 'online'; subsequentemente, já na década de 2010, o clássico e tradicional catálogo seria finalmente extinto, afirmando-se a La Redoute exclusivamente como uma retalhista online, na linha do que vinham fazendo as suas concorrentes directas e indirectas.

Ainda assim, e apesar da sua extinção efectiva, o clássico catálogo da companhia francesa continua vivo nas memórias de toda uma geração de jovens, que o associam a todo um conjunto de memórias da sua infância e adolescência, prolongando assim, senão a sua vida útil, pelo menos a sua vida enquanto artefacto cultural de uma certa época da sociedade portuguesa.

18.02.22

Um dos aspetos mais marcantes dos anos 90 foi o seu inconfundível sentido estético e de moda. Em sextas alternadas, o Anos 90 recorda algumas das marcas e modas mais memoráveis entre os jovens da ‘nossa’ década.

As décadas de 90 e 2000 são bem conhecidas como a era em que os desportos radicais, e a respectiva estética, transpuseram o seu estatuto de 'nicho' e encontraram o seu lugar na cultura popular. Do skate ao surf, passando pela BMX – termo que deixou de ser sinónimo com 'bicicletas para miúdos' para passar a designar algo bem mais desejável – foram várias as modalidades pelas quais uma geração inteira de jovens se interessou a ponto de justificar programas de televisão sobre os mesmos.

E porque um movimento nada é sem a respectiva 'farda' oficial, estas duas décadas representaram, também, o auge das vendas 'mainstream' para as marcas associadas aos diferentes desportos, da Dickies, Vans e Airwalk típicas dos 'skaters' ao tema do post de hoje – as várias grifes de 'surfwear' que fizeram furor no mercado português durante esse período.

D_NQ_NP_880189-MLB47207542437_082021-W.jpg

Algumas das mais populares marcas de surf dos anos 90 e 2000

Quem cresceu, e especialmente quem foi adolescente, naquele tempo decerto que se lembra deles, e provavelmente vestiu um ou outro artigo de uma ou até de várias; Quiksilver, Rip Curl, O'Neill, Ocean Pacific, Scorpion Bay, Lightning Bolt, Body Glove ou Hang Loose (embora estas últimas em menor escala) eram nomes que qualquer jovem conhecia, sobretudo por as ver na montra de inúmeras lojas de desporto – quer as pequenas de bairro, quer as maiores situadas em 'shoppings' – e lojas especializadas em surf, como as que existiam (e ainda existem) em muitas localidades costeiras portuguesas. Esta omnipresença (que levava a que os artigos das referidas marcas se tornassem visão comum no dia-a-dia) aliada à mística e apelo do surf para a referida geração, tornava estes artigos desejáveis, e uma sweatshirt da Quiksilver ou O'Neill passou a ter praticamente o mesmo valor de uma da Gap ou No Fear na 'bolsa de valores social' existente em qualquer escola do país.

Mais – apesar de terem, entretanto, sido substituídas por outros e novos nomes do mundo da moda jovem, as marcas de surf continuam a ter uma presença (mais ou menos) considerável entre os jovens. Hoje em dia, é a Billabong quem, de todas, leva vantagem, mas uma pesquisa mais apurada não deixará, certamente, de revelar vários produtos de alguns dos outros nomes elencados acima ainda em circulação entre as crianças e jovens. Ainda assim, é inegável que as marcas de surf já não têm, hoje em dia, a expressividade que tiveram junto da geração anterior de jovens, para quem representaram, mais do que simples roupas, símbolos de um modo de vida a que muitos aspiravam, mas poucos conseguiam, verdadeiramente, ter...

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub