Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

09.05.24

Os anos 90 viram surgir nas bancas muitas e boas revistas, não só dirigidas ao público jovem como também generalistas, mas de interesse para o mesmo. Nesta rubrica, recordamos alguns dos títulos mais marcantes dentro desse espectro.

Com a possível excepção das gerações 'Z' e Alfa – que parecem preferir 'wallpapers' ou fundos para telemóvel, por oposição às tradicionais fotos em papel reforçado – os 'posters' têm, tradicionalmente, sido apanágio da formação identitária das crianças e adolescentes de todo o Mundo desde, pelo menos, o último quarto do século passado; uma evolução natural das fotografias de ídolos laboriosamente coladas ou pregadas à parede pelos jovens da primeira metade do século XX, os retratos ampliados de actores, desportistas, músicos, personalidades sociais ou até personagens de desenhos animados eram presença quase obrigatória em qualquer quarto juvenil de finais do Segundo Milénio e inícios do seguinte. Era, portanto, mais do que natural que, eventualmente, surgissem as primeiras publicações comerciais dedicadas apenas e tão-sómente ao agrupar de fotos deste tipo, que eram depois veiculadas, nas bancas, aos ávidos fãs das personalidades em causa.

15-num-anc3bancio-super-jovem-de-1995.jpgsuperjovemp4_pub03superjovemposters9_novembro95_01

Anúncios de época aos especiais de 'posters' da revista Super Jovem.

Em Portugal, este tipo de revistas surgiu, sobretudo, como complemento ou edição especial de publicações pré-existentes; a Super Jovem, por exemplo, lançava periodicamente números 'fora-de-série', em formato maior do que a revista habitual (geralmente A4 ou até A3) compostos apenas por 'posters', muitos deles inéditos em relação aos que saíam nos números semanais, justificando assim o investimento. Outros exemplos desta mesma prática, estes importados, incluíam as icónicas Bravo e Super Pop, para todos os efeitos revistas de fotos, mas que vincavam ainda mais essa vertente com os seus especiais de 'posters'.

Ao longo dos anos, no entanto, foi-se verificando, também, o aparecimento de um segundo tipo de publicação deste género, ainda mais esporádica (muitas eram mesmo edições únicas) e com um formato tão apelativo quanto contra-intuitivo: embora parecessem, à vista desarmada, revistas 'normais', cada um destes especiais se desdobrava de fora para dentro, revelando um 'poster' gigante no interior. O problema deste tipo de apresentação tornava-se óbvio assim se desejasse ler os (poucos mas existentes) textos sobre o artista em causa que justificavam o epíteto de 'revista', os quais eram situados nas costas da imagem central, tornando o acesso aos mesmos impossível uma vez pendurado o 'poster' na parede. Este acabava, no entanto, por ser um mal menor, já que é duvidoso até que ponto os jovens que adquiriam este tipo de publicação especial estavam verdadeiramente interessados nos textos...

image.webp

Exemplo do segundo tipo de revista-'poster'.

Hoje em dia, tal como tantos outros formatos de que vimos falando nesta e noutras rubricas, também as revistas de 'posters' se encontram obsoletas, podendo o seu propósito ser realizado, de forma gratuita, com uma rápida pesquisa de imagens na Internet, não sendo mesmo necessário imprimir a imagem, que pode ser aplicada como fundo de ecrã no computador ou telemóvel e 'admirada' em qualquer altura e em qualquer local, e não apenas na parede do quarto. Ainda assim, quem teve no coleccionismo e exibição de 'posters' parte importante do seu desenvolvimento pessoal e identitário certamente recordará com alguma nostalgia aqueles especiais gigantes da revista favorita, repletos de imagens de ídolos prontinhos a serem colados à parede e admirados diariamente durante os meses e anos seguintes, até a fita-cola secar ou serem preteridos em favor do novo artista favorito...

18.04.24

Os anos 90 viram surgir nas bancas muitas e boas revistas, não só dirigidas ao público jovem como também generalistas, mas de interesse para o mesmo. Nesta rubrica, recordamos alguns dos títulos mais marcantes dentro desse espectro.

image.webp

Números de várias eras da revista, que ilustram as mudanças gráficas da mesma. (Crédito da foto: OLX.)

Embora provavelmente não estivesse entre os principais interesses dos jovens portugueses – até pelos elevados custos que comportava – a audiofilia não deixava, ainda assim, de encontrar no nosso País a sua quota-parte de aficionados, fossem eles adultos com rendimentos próprios para gastar no seu passatempo de eleição ou jovens que sonhavam poder aspirar a ter um sistema de áudio 'a sério' onde tocar as suas cassettes, LP's e, mais tarde, CD's. Apesar disso, e ao contrário de muitos outros 'hobbies' do mesmo período, o panorama de imprensa nacional não contava, durante o pico da audiofilia, nos anos 80, com qualquer revista especializada dedicada a este ramo, vendo-se os fãs de aparelhagens obrigados a comprar dispendiosas revistas estrangeiras para se manterem a par das novidades dentro do espectro.

Esta situação viria, no entanto, a mudar ainda antes da chegada da nova década, quando dois jornalistas audiófilos, Jorge Gonçalves e José Victor Henriques, embarcaram juntos numa 'irresponsabilidade' utópica: a de criar uma revista portuguesa dedicada ao Hi-Fi. Nascia, assim, a 'Audio' (mais tarde 'Audio e Cinema em Casa') a primeira e única publicação portuguesa centrada na audiofilia. Com os meios possíveis, e muita vontade e capacidade de improviso, os dois jornalistas (a quem, mais tarde, se juntaria ainda o recentemente malogrado José Francisco Júdice) logravam fazer chegar às bancas, no ano de 1989, a primeira manifestação física desse seu sonho, mas os primeiros indicadores não eram, de todo, os melhores – a 'Audio' deparava-se com a apatia de um mercado rendido à estrangeira 'What Hi-Fi?', e o segundo número, já atrasado de raiz, arriscava-se a não sair.

Contra todas as previsões, no entanto – inclusivamente dos próprios fundadores – esse número não só se concretizou como lançou um ciclo de impressionantes três décadas de publicação ininterrupta, durante as quais a 'Audio' se estabeleceu como grande fonte nacional para notícias, críticas, análises e artigos diversos respeitantes ao seu nicho de eleição. Já sem o contributo de José Victor Henriques, que saíra amigavelmente, seria Jorge Gonçalves quem 'comandaria o barco' até à extinção da revista física e passagem para a plataforma 'online', em 2021, guiando-a através das habituais reformas gráficas e de conteúdo, logrando sempre, no entanto, manter o padrão de qualidade que estabelecera nos primórdios da publicação; é, pois, natural que, por alturas do seu desaparecimento, fossem muitas as vozes que lamentavam a extinção da única verdadeira referência no campo da audiofilia em território nacional. Apesar de desaparecida, no entanto, o legado e memória da 'Audio' continuam bem vivos entre os portugueses de uma determinada idade, os quais, certamente, terão derivado considerável prazer da leitura destas linhas que, espera-se, lhes tenham proporcionado uma viagem nostálgica até ao tempo em que passavam na banca, todos os meses, para trazer para casa o mais recente número da 'sua' revista.

04.01.24

Os anos 90 viram surgir nas bancas muitas e boas revistas, não só dirigidas ao público jovem como também generalistas, mas de interesse para o mesmo. Nesta rubrica, recordamos alguns dos títulos mais marcantes dentro desse espectro.

Embora tradicionalmente dominada pelos três aparentemente perenes jornais diários, a imprensa desportiva em Portugal tem visto, ao longo dos anos, serem feitas várias outras tentativas de penetração de mercado, nomeadamente através do lançamento de revistas especializadas. Infelizmente, são poucos os exemplos deste tipo de publicação que atingem, verdadeiramente, algum grau de sucesso, preferindo o público, invariavelmente, adquirir os 'magazines' ligados aos três diários, em vez de uma publicação nova. De facto, as únicas publicações dignas de nota nas últimas três a quatro décadas foram a 'Futebolista' (publicada já no Novo Milénio) e a revista de que falamos hoje, que conseguiu obter uma longevidade honrosa entre o seu aparecimento em meados da década de 80 e a sua extinção em inícios da seguinte.

104638175.jpg(Crédito da foto: TodoColección)

Falamos da simplesmente intitulada 'Foot', uma daquelas publicações de que hoje restam apenas as capas, no contexto de leilões em 'sites' como o OLX e o TodoColección (de onde sai a capa que ilustra este 'post'); assim, e à semelhança do que aconteceu anteriormente com revistas como a 'Basquetebol', quaisquer ilações sobre o conteúdo proposto por esta publicação têm, necessariamente, de ser retiradas apenas das 'parangonas', cabeçalhos e imagens das referidas capas. Com base neste elementos, é possível deduzir que a 'Foot' se centrava, sobretudo, no futebol nacional, com natural ênfase nos três 'grandes', mas sem esquecer o que se passava no panorama internacional, quer a nível de clubes, quer de selecções - e, ao contrário de outras publicações do género, sem deixar espaço a outras modalidades; esta era, exclusivamente, uma revista de futebol, à semelhança do que, uma década mais tarde, sucederia com a 'Mundial'.

Sendo o mesmo, de longe, o desporto mais popular em Portugal, foi com naturalidade que a 'Foot' encontrou o seu público, logrando manter-se nas bancas do seu lançamento em 1984 até pelo menos a Dezembro de 1990, mês em que saiu a revista que ilustra esta publicação. Assim, e apesar de a grande maioria da sua trajectória ter tido lugar na década de 80, a revista em causa qualifica-se para inserção nas páginas desta nossa rubrica, que, como sucedeu em casos anteriores, passa por definição a ser a principal fonte de informação sobre esta publicação algo 'Esquecida Pela Net', mas decerto lembrada pelos adeptos da geração 'X' , pelos 'millennials' mais velhos, e por qualquer outro adepto que já seguisse as competições profissionais portuguesas nos anos 80.

14.12.23

Os anos 90 viram surgir nas bancas muitas e boas revistas, não só dirigidas ao público jovem como também generalistas, mas de interesse para o mesmo. Nesta rubrica, recordamos alguns dos títulos mais marcantes dentro desse espectro.

A época natalícia é, em Portugal, sinónima de iguarias várias; e enquanto, hoje em dia, a maioria das receitas para as mesmas pode facilmente ser encontrada na Internet, nos anos 90, esse papel era desempenhado, sobretudo, pelas revistas de culinária, as quais, no mês de Dezembro, lançavam invariavelmente um número especial dedicado exclusivamente a receitas natalícias.

image.webp

Visão comum para qualquer português que tenha entrado numa tabacaria ou papelaria nas últimas quatro décadas (visto serem dos únicos tipos de publicação física a sobreviver até aos dias de hoje) estas revistas dividiam-se, e continuam a dividir-se, sobretudo em dois grandes grupos: por um lado, as 'decanas', como a 'Teleculinária', publicadas num formato semelhante ao de qualquer outra revista, e, por outro, as edições 'de bolso', normalmente mais baratas, com menos páginas, e com grafismos muito semelhantes entre si, sendo, por vezes, difícil distinguir um título do seguinte. Ambos os tipos eram presença frequente nas gavetas das cozinhas dos anos 90, com o segundo formato a provar-se particularmente popular, sobretudo pela sua excelente relação preço-qualidade – embora, quando era necessária uma receita 'fidedigna', se continuasse a recorrer às revistas de maior renome e mais estabelecidas no mercado.

Conforme referido, este tipo de publicações partilha, hoje em dia, espaço com a Internet como fonte de receitas, natalícias e não só; no entanto, ao contrário do que acontece em outras partes do Mundo, a maioria dos adeptos de culinária portugueses continua a preferir o método mais 'tradicional', com fórmulas dadas por profissionais e, como tal, com menores probabilidades de serem incorrectas ou até falsas, dois problemas que assolam os 'sites' culinários 'online'. Assim, não é de prever que as revistas de culinária cessem a sua produção nos tempos mais próximos – antes pelo contrário, não será controverso afirmar que este tipo de revista servirá, ainda, de fonte de inspiração para muitas receitas natalícias...

23.11.23

Os anos 90 viram surgir nas bancas muitas e boas revistas, não só dirigidas ao público jovem como também generalistas, mas de interesse para o mesmo. Nesta rubrica, recordamos alguns dos títulos mais marcantes dentro desse espectro.

Em finais do século XX, a revista desportiva era já parte do panorama editorial de vários países de todo o Mundo, com publicações tão famosas e sonantes como a 'Sports Illustrated' norte-americana ou a 'France Football'; em Portugal, no entanto, o paradigma era um pouco diferente, com a imprensa desportiva (pelo menos a não-especializada) a ser dominada pelos três 'eternos' diários desportivos, que só em inícios do século XX deixariam espaço a revistas como a 'Futebolista'. Tal hegemonia não impediu, no entanto, que pelo menos uma publicação tentasse 'furar fileiras' e afirmar-se no espaço editorial desportivo português, tendo mesmo chegado a atingir um moderado grau de sucesso nesse desiderato.

image.webpimage (1).webp

Exemplo dos dois tipos de grafismo da revista durante o seu tempo de vida (Crédito das fotos: OLX.)

Falamos da 'Mundial', uma revista que, apesar de se estender periodicamente a outros desportos, tinha como foco central (e perfeitamente natural) o futebol, que ocupou a maioria das capas da revista desde o seu lançamento, algures em meados dos anos 90, até ao seu desaparecimento das bancas, ainda antes do final do Novo Milénio. Infelizmente, não nos é possível precisar melhor o espectro temporal da publicação, dado esta ser – como a também noventista 'Basquetebol' – uma daqielas revistas das quais poucos vestígios restam para lá de uma série de anúncios da OLX e do ocasional 'post' nostálgico no Facebook – por outras palavras, uma Esquecida Pela Net.

Daquilo que as capas permitem averiguar, a 'Mundial' procurava ter cuidado em alternar o foco entre diversos clubes, bem como entre os principais jogadores de cada um deles, e até aos principais nomes internacionais da época – isto para além de uma marcada (e também bastante natural) vertente de apoio à Selecção Nacional, que vivia, à época, alguns dos seus melhores anos, com a Geração de Ouro a 'dar cartas'. De igual modo, a presença de artigos sobre outras modalidades e eventos - como o 'bodyboard', a Fórmula 1 ou até as Olimpíadas - vem da análise dessas mesmas capas, sendo praticamente impossível encontrar, hoje, dados sobre a editora, longevidade ou até número de páginas da revista – facto algo insólito, tendo em conta que outras publicações da mesma altura (1996-98, pelo menos) se encontram ainda bem documentadas na 'autoestrada da informação'! Ainda assim, é também possível observar uma mudança de grafismo na 'Mundial' entre 1996 e 98, presumivelmente para ajudar a dar um ar menos austero à revista, e mais condicente com o que o público jovem da época procurava de uma publicação deste tipo.

Tendo em conta o posterior sucesso da referida 'Futebolista' e outras publicações semelhantes, não deixa de ser bizarro que a 'Mundial' seja tão pouco lembrada entre os fãs de jornais e revistas de desporto nacionais. No entanto, uma das missões declaradas deste nosso blog é, precisamente, não deixar que tais artefactos de finais do século XX se percam para sempre, e, nesse aspecto, era nosso dever fazer a nossa parte para assegurar que esta 'Mundial' não era vetada ao esquecimento pela mesma geração que, em tempos, a comprou e leu religiosamente - uma missão que, esperamos, se venha a provar bem-sucedida.

21.09.23

Os anos 90 viram surgir nas bancas muitas e boas revistas, não só dirigidas ao público jovem como também generalistas, mas de interesse para o mesmo. Nesta rubrica, recordamos alguns dos títulos mais marcantes dentro desse espectro.

Os anos 80 e 90 estiveram entre as décadas mais inovadoras e progressivas no tocante ao mundo da moda, tendo, entre outros feitos, introduzido na sociedade ocidental o conceito de 'super-modelos' – figuras aspiracionais cujo objectivo primário era exibir (e, por esse meio, 'vender') as mais recentes tendências e peças de cada estação. E escusado será dizer que o impacto destas novas 'musas' foi imediato e avassalador, tendo nomes como Claudia Schiffer, Naomi Campbell e Cindy Crawford sido responsáveis por interessar milhões de jovens um pouco por todo o Mundo (e até algumas pessoas mais velhas) no mercado da alta costura.

Portugal não foi excepção a esta regra, antes pelo contrário; apesar do 'atraso' a nível de estilos e tendências relativamente ao resto do Mundo (que se faz sentir até hoje, ainda que em menor escala) o nosso País viu, no decurso das referidas décadas, aumentar o interesse pelas novas colecções dos principais estilistas, o qual ficou reflectido na presença das referidas modelos nas capas de revistas tanto juvenis como mais generalistas, e no aparecimento de versões portuguesas das principais revistas de moda internacionais. Já aqui falámos, nesta mesma rubrica, da 'Elle' nacional, e, dado que a 'Vogue' lusitana ainda demoraria alguns anos a chegar, resta agora falar da edição nacional de outra referência no mundo das publicações de moda – a Madame Figaro, cuja versão portuguesa recebia o nome de Máxima, e surgia pela primeira vez nas bancas há quase exactos trinta e cinco anos, a 22 de Setembro de 1988.

maxima-1988.jpg

Capa do número 1.

Apesar desta ligação à revista francesa, no entanto, a Máxima era inteiramente criada em Portugal, sem qualquer interferência por parte de uma entidade internacional, e deixava a sua proposta editorial bem clara logo a partir do slogan publicitário: 'a revista da mulher portuguesa'. E embora a nova publicação contasse já com alguma concorrência nesse sector (por parte de revistas como a 'Guia') a sua abordagem mais virada ao jornalismo puro e duro (chegou a haver capas com a Guerra do Golfo, e reportagens sobre temas como a violação, assédio e abuso sexual ou mesmo fundamentalismo religioso) ajudou-a a marcar a diferença relativamente a publicações como a referida 'Elle' ou ainda a versão portuguesa da 'Marie Claire', nenhuma das quais sequer sonhava em oferecer o mesmo teor de artigos ou reportagens, optando normalmente por temas mais superficiais. Prova do sucesso desta linha editorial é que a tiragem inicial de quarenta e cinco mil exemplares esgotou, tornando-se a primeira indicação de um sucesso que apenas viria a aumentar em anos vindouros.

De facto, por meados da década seguinte, a 'Máxima' era já a quinta revista feminina mais vendida em Portugal, fazendo circular quase cinquenta mil cópias todos os meses, e vendo vários dos seus jornalistas receber galardões do teor do Prémio Fernando Pessoa de Jornalismo (atribuído à reportagem sobre violação); a preponderância da revista era tal, aliás, que, apenas dois anos após a sua primeira edição, a mesma se encontrava já em posição de atribuir os seus próprios prémios e galardões, no caso alusivos à indústria de Beleza e Perfumes.

Tendo em conta o sucesso inicial e a preocupação em se manter relevante e fazer jormalismo 'a sério', não é de admirar que a 'Máxima' tenha constituído uma das maiores histórias de sucesso da imprensa especializada portuguesa, tendo conseguido manter-se nas bancas – sempre com o mesmo grau de sucesso e influência – por impressionantes trinta e dois anos; paulatinamente, no entanto, até mesmo esta decana publicação se viu afectada pelo rápido declínio da imprensa física, vindo o Grupo Cofina (que adquirira os direitos de publicação à Edirevistas) a declarar o fim da mesma no início do 'Verão COVID', em Junho de 2020. Mesmo após a sua extinção, no entanto, o legado da revista continua a fazer-se sentir, tendo a mesma marcado época e exercido influência entre as gerações 'X' e 'millennial' (e mesmo junto da 'Z') o que torna mais que justa esta breve homenagem por alturas daquele que seria o seu trigésimo-quinto aniversário de publicação – um marco que a 'Máxima' nunca chegou a atingir, mas que constituiu o pretexto perfeito para celebrar a sua influência junto das mulheres portuguesas de finais do século XX e inícios do seguinte.

31.08.23

Os anos 90 viram surgir nas bancas muitas e boas revistas, não só dirigidas ao público jovem como também generalistas, mas de interesse para o mesmo. Nesta rubrica, recordamos alguns dos títulos mais marcantes dentro desse espectro.

As visitas ao médico de família, salão de beleza, ou qualquer outro local dotado de uma sala de espera serviram como principal ponto de contacto entre os jovens dos anos 90 e 2000 e certas revistas que, de outro modo, nunca chegariam necessariamente a entrar no seu 'radar'. Isto porque, se quase todos os lares portugueses da época tinham uma pilha de 'TV Guias' ou 'TV 7 Dias' na sala de estar, tal não era, necessariamente, o caso com revistas mais especializadas, cuja compra requeria um interesse pelo menos passageiro na temática que abordavam, mas que, no contexto acima descrito, ajudavam a passar o tempo, quanto mais não fosse olhando para as fotografias.

A revista de que falamos esta semana integrava esse lote, tendo-se, ao longo dos seus já quarenta anos de publicação, tornado um dos 'clássicos' das salas de espera nacionais.Trata-se de 'Casa Cláudia', a versão portuguesa da revista brasileira do mesmo nome, que chegava às bancas há pouco mais de quatro décadas, em Maio de 1988 – onze anos depois da fundação da sua congénere sul-americana – através da inevitável Abril (ainda longe de ser Controljornal).

image.webp

Como o próprio nome indica, a revista tem como principal foco a decoração de interiores, com tudo o que a mesma acarreta – ou seja, muitas (mesmo muitas!) fotografias de casas e acessórios que, hoje, seriam descritos como 'Instagramáveis', naquela espécie de 'catálogo disfarçado de revista' que continua a fazer as delícias de um certo tipo de público. E se, para as crianças e jovens, o tema em causa dificilmente detinha grande interesse, não deixava, ainda assim, de ser divertido ajudar os mais velhos a obter inspiração para potenciais projectos de decoração ou renovação, descobrindo assim, ao mesmo tempo, o gosto pessoal neste campo.

Claro está que o conteúdo da revista não se limitava a esse tipo de artigo, abrangendo ainda a análise a acessórios de exterior, a ocasional visita a casas de famosos, e até algumas peças de índole mais técnica, com instruções para projectos do estilo 'faça-você-mesmo' que permitiam, com algum jeito, poupar algum dinheiro no processo de renovação ou criação do lar. Uma fórmula que, longe de ser inovadora, encontrava tracção entre um determinado público-alvo, que assegurou o sucesso de vendas da revista até ao início da muito anunciada 'morte' da imprensa escrita em formato físico, em finais da década de 2010 – altura em que, aliás, a própria 'Casa Cláudia' havia já seguido o exemplo de outras publicações semelhantes e expandido a sua área de abrangência através de duas revistas-satélite, uma sobre arquitectura e outra dedicada exclusivamente a ideias sobre decoração.

Mesmo a referida transição para formatos digitais, e subsequente quebra nas vendas, não foi, no entanto, suficiente para 'matar' a 'Casa Cláudia', que se mantém nas bancas até aos dias de hoje, num de vários exemplos de resiliência por parte de publicações que, como Astérix, 'resistem ainda e sempre ao invasor' cibernético, e que – por esse mesmo motivo – se tornam merecedoras de destaque nas páginas deste nosso blog.

20.07.23

Os anos 90 viram surgir nas bancas muitas e boas revistas, não só dirigidas ao público jovem como também generalistas, mas de interesse para o mesmo. Nesta rubrica, recordamos alguns dos títulos mais marcantes dentro desse espectro.

O advento da Internet veio ajudar a preservar para sempre, em formato digital, informação sobre a esmagadora maioria dos tópicos alguma vez existentes, desde pessoas e acontecimentos a espécies de flora e fauna e, claro, produtos ou criações mediáticas. Mesmo com o avassalador volume de factos compilados por essa Internet fora, no entanto, o registo não é cem por cento perfeito, e, por vezes, sucede haver um qualquer tópico relativamente ao qual não existe na 'rede' qualquer tipo de informação; normalmente, trata-se de algo de índole mais obscura, mas há também registos, neste mesmo blog, de tal fenómeno ter ocorrido com algo tão inócuo como sumos infantis, iogurtes líquidos, pastas de dentes ou mesmo revistas de banda desenhada, que parecem ter sido sumariamente Esquecidos Pela Net, não sendo possível encontrar mais do que uma ou outra imagem, normalmente oriunda de listagens de vendas em sites como o OLX.

O tópico desta visita ao Quiosque insere-se nesse mesmo grupo, vindo a única prova da sua existência de dois 'listings' do OLX diferentes, os quais partilham, inclusivamente, um número em comum. Trata-se da revista 'Basquetebol', uma publicação especializada aparentemente disponível em inícios dos anos 90 (os números retratados datam de 1992) e que, pelas fotos e 'chamadas' de capa disponiveis, parecia abordar tanto a sempre popular NBA quanto a histórica liga profissional portuguesa, à época impulsionada por nomes como Carlos Lisboa.

image (1).webp

Os quatro únicos números conhecidos da revista (fonte da imagem: OLX.)

De facto, os poucos números que sobreviveram ao teste do tempo dedicam igual espaço de capa a destaques sobre os Jogos Olímpicos daquele ano (onde brilhava, fulgurante, a melhor equipa de basket de todos os tempos, 'movida' pelo génio de um jovem Michael Jordan, ainda longe de contracenar com Bugs Bunny) e à fase de qualificação realizada pela selecção de cadetes portuguesa, ou ainda a equipas como o Estrelas da Avenida, Benfica, Illiabum ou Santarém, apelando assim tanto a fãs das equipas mais conhecidas como aos verdadeiros aficionados e seguidores da 'cena' nacional.

Como curiosidade, o facto de os desportistas retratados nas fotos de capa serem, ainda, jogadores mais 'antigos', como Wilt Chamberlain ou 'Magic' Johnson – algo que pode parecer estranho a um 'puto' de finais dos 90, mais habituado a ver as caras de Jordan, Pippen, Rodman, Shaq ou Charles Barkley nesse tipo de contexto, mas que faz todo o sentido, tendo em conta que esta revista foi publicada quase meia década antes do 'período áureo' desses nomes. Chamberlain, Johnson ou James Worthy (capa do número 3) eram as grandes estrelas da altura, e a sua presença nestas capas (bem como, suspeita-se, nos 'posters' oferecidos no interior de cada edição) terá, certamente, surtido tanto efeito quanto a imagem de Jordan numa publicação semelhante meia dúzia de anos depois.

A falta de mais registos impede, no entanto, quaisquer ilações factuais quanto ao volume de vendas ou sucesso da revista em causa, ou ainda em relação às razões para o seu término, que parece ter-se dado, no máximo, no ano seguinte, 1993. Se, no entanto, tiver havido entre a nossa 'base' de leitores algum assinante ou comprador assíduo da revista, quaisquer informações adicionais serão extremamente bem vindas; até lá, aqui fica a informação possível sobre mais um produto noventista a arquivar na 'gaveta' dos 'Esquecidos Pela Net'...

29.06.23

Os anos 90 viram surgir nas bancas muitas e boas revistas, não só dirigidas ao público jovem como também generalistas, mas de interesse para o mesmo. Nesta rubrica, recordamos alguns dos títulos mais marcantes dentro desse espectro.

De entre todos os tipos de publicação disponíveis no mercado português durante a década de 90, as revistas de jogos e informática estavam entre as que mais interesse suscitavam ao público infanto-juvenil, a par das de banda desenhada, música, celebridades ou especificamente dirigidas a essa demografia: o sector masculino, em particular, era ávido consumidor deste tipo de periódico, o qual constituía, à época, o principal recurso para conhecer as novidades no campo tanto do 'software' (jogos e programas informáticos) como do 'hardware', ou seja, os próprios recursos técnicos e tecnológicos por detrás do desempenho de um computador ou consola. E se no primeiro caso as líderes de mercado eram a 'Mega Score' e a 'Bgamer', sem grandes hipóteses para a maioria da concorrência, no segundo, um único nome era incontornável no Portugal dos 90s: a PCGuia.

images.jpg

Exemplar da revista com o grafismo original.

Fundada em 1995, e inicialmente vinculada ao grupo Cofina, a nova revista não tardou a afirmar-se como referência no sector dos periódicos tecnológicos, devido, sobretudo, ao facto de não haver à época em Portugal qualquer outra publicação nos seus moldes. De facto, muito mais do que uma simples 'revista de jogos', ou seguidora das tentativas simplistas de lançar uma 'revista de computadores' feitas até então, a 'PCGuia' procurava ser aquilo que o seu nome indicava – um guia para utilizadores informáticos, e para aqueles que procuravam iniciar-se nesse mundo, ou simplesmente melhorar os seus recursos dentro do mesmo.

Assim, o conteúdo da revista tendia a misturar os melhores elementos de uma 'ProTeste' (e de outras revistas especializadas da época) com os da referida 'Mega Score', apresentando testes sérios, sóbrios e detalhados a computadores, sistemas e programas (entre os quais, claro, alguns jogos) ao mesmo tempo que dava conta das últimas novidades e dos mais entusiasmantes avanços tecnológicos a esperar no futuro, tornando-se assim uma valiosa 'aliada' dos consumidores informáticos na hora de decidir em que investir o seu dinheiro – o que, numa época em que a tecnologia primava ainda por preços exorbitantes, a ajudava a destacar-se dos restantes periódicos do ramo.

A juntar aos conteúdos verdadeiramente úteis e de qualidade cuidada estava, ainda, o principal atractivo da 'PCGuia' para grande parte do público jovem nacional – o CD-ROM (mais tarde DVD) recheado de versões de teste ou gratuitas do mais variado tipo de programas, alguns dos quais do interesse activo desta demografia. Tal como acontecia com a 'Mega Score', 'Bgamer' e mais tarde a 'Player', esta adição era, muitas vezes, suficiente para justificar o preço de capa, já que os programas nela veiculados tendiam a ter bastante uso por parte dos compradores.

Esta combinação de conteúdos de qualidade com um 'brinde' apetecível terá, aliás, sido o principal factor por detrás do sucesso da revista, que – ao contrário do que acontece com muitas das publicações que aqui recordamos – continua a marcar presença nas bancas nacionais a cada mês, embora agora em versão '2.0', e já sem o apoio do grupo editorial lisboeta. Significa isto que a revista, nascida na era do Windows 95, marcou já presença em quatro décadas da vida quotidiana portuguesa, durante as quais ajudou três gerações a escolherem material informático, e viu o mundo da tecnologia progredir dos primeiros processadores Pentium para Inteligências Artificiais que escrevem livros por si mesmas, quase sem ajuda; há que esperar, portanto, que estes mesmos avanços tecnológicos não venham a ditar o fim desta já 'decana' publicação, como aconteceu com tantas das suas contemporâneas...

08.06.23

Os anos 90 viram surgir nas bancas muitas e boas revistas, não só dirigidas ao público jovem como também generalistas, mas de interesse para o mesmo. Nesta rubrica, recordamos alguns dos títulos mais marcantes dentro desse espectro.

A natural curiosidade e espírito inquisitivo inerentes à maioria das crianças e jovens tendem a fazer de campos como a ciência e a tecnologia pontos de interesse durante a fase de desenvolvimento e maturação do ser humano moderno, independentemente da sua proveniência ou da época em que tenha vivido. Assim, não é de espantar que uma publicação dedicada a transmitir informações sobre os últimos desenvolvimentos neste campo, de forma simples, compreensível e atractiva, tenha captado a atenção das faixas demográficas mais novas aquando do seu aparecimento, no dealbar da era da Internet.

image.webp

Falamos da 'Super Interessante', a adaptação portuguesa da revista brasileira do mesmo nome (também ela bastante famosa) surgida há quase exactamente um quarto de século (em Abril/Maio de 1998) pela mão de Carlos Madeira e do Grupo Impresa, um dos nomes maiores no campo do 'publishing' e dos periódicos em Portugal. Com grafismo e proposta editorial exactamente semelhantes ao da 'irmã mais velha', a revista trazia (e continua a trazer) mensalmente às bancas uma variedade de artigos focados, sobretudo, na ciência e tecnologia, mas cujo espectro se alargava a campos como o da sociedade, cultura e até natureza; no entanto, é inegável que foi o foco nas duas primeiras vertentes (à época menos exploradas nas bancas portuguesas) a principal razão do sucesso da revista, que celebra este ano a marca de vinte e cinco anos de publicação ininterrupta – um marco ainda mais impressionante tendo em conta o rápido declínio e extinção da imprensa escrita tradicional!

Mais - em relação aos primeiros exemplares impressos naquele já longínquo ano de 1998, a 'Super Interessante' actual difere apenas na casa editorial, que é agora a G+J Portugal, uma subsidiária da Motorpress anteriormente conhecida como All Media, e que tomou as rédeas da publicação em 2018. De resto, a proposta é exactamente a mesma, e – presumivelmente – continua a encontrar o seu público, prova de que, por vezes, não são necessárias grandes inovações ou truques de 'marketing' para fazer vingar uma publicação – basta uma linha editorial coerente e conteúdos de qualidade, como os que esta revista continua a oferecer aos seus leitores mês após mês.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub