Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

07.03.24

Os anos 90 viram surgir nas bancas muitas e boas revistas, não só dirigidas ao público jovem como também generalistas, mas de interesse para o mesmo. Nesta rubrica, recordamos alguns dos títulos mais marcantes dentro desse espectro.

Qualquer 'millennial' português cuja atracção romântica penda para o sexo feminino se lembrará, sem dúvida, das históricas versões nacionais da 'FHM' e 'Maxim', duas 'revistas para homens' publicadas durante a década de 2000 e que constituíam, à época, a forma de admirar mulheres atraentes e famosas em 'trajes menores' sem para isso ter de recorrer à sempre condenável pornografia. Para a geração anterior, no entanto – e, talvez, até para alguns dos leitores mais velhos deste 'blog', nascidos ainda durante os anos 80 – a grande revista erótica nacional foi outra, que ainda viu 'entrar' a nova década, mas que se viria a extinguir menos de um ano após o início da mesma: a 'Élan'.

image (2).webp

Como o próprio nome indica, a revista, idealizada e produzida na então cooperativa do Partido Socialista em Lisboa por elementos associados ao Correio da Manhã, tinha pretensões de classe e sofisticação, as quais contrastavam directamente não só com as fotos sensuais que a caracterizavam, mas com a própria temática envolvente às mesmas, que se aproximava mais a uma 'Caras' ou 'VIP' do que a qualquer publicação intelectual. Isto porque os textos – sempre de somenos importância numa revista deste tipo, mas ainda assim necessários – versavam sobre a vida do 'jet set' nacional, com tudo o que isso implicava (como festas, mexericos ou namoros), em meio a temas sobre viagens, moda e artes, e até pequenos contos. Esta inusitada mistura acabava por tornar a 'Élan' numa espécie de fusão entre a 'Playboy' e as referidas revistas 'cor-de-rosa' tão conhecidas do público noventista.

Outro aspecto inusitado da revista em causa foi a sua lista de colaboradores, impressionante para uma publicação algures entre o 'cor-de-rosa' e o 'maiores de dezoito': entre os nomes associados à 'Élan' durante o seu curto tempo de vida contavam-se a antiga Miss Portugal e aspirante a Miss Universo, e futura apresentadora televisiva, Ana Maria Lucas, Manuel Falcão (fundador do 'Blitz' e d''O Independente' e director do 'Se7e' e da RTP2!!) ou Teresa Pais, futura directora da 'Telenovelas' e 'TV Mais', à época ainda uma jovem de pouco mais de vinte anos. Nomes que ajudavam, sem dúvida, a dar alguma credibilidade à revista, garantindo um lugar mais próximo da 'TV Guia' que da 'Playboy' na prateleira da tabacaria.

Como a mistura de factores acima descrita deixa adivinhar, a 'Élan' era uma revista única e ímpar no cenário português – talvez até demais, o que poderá porventura explicar a razão para o seu desaparecimento. Ainda assim, no período de cerca de três anos em que vigorou nas bancas portuguesas, a publicação em causa não terá deixado de fazer as delícias dos então adolescentes (e não só) interessados em ver famosas bonitas e fotogénicas em poses menos 'próprias'...

06.04.23

Os anos 90 viram surgir nas bancas muitas e boas revistas, não só dirigidas ao público jovem como também generalistas, mas de interesse para o mesmo. Nesta rubrica, recordamos alguns dos títulos mais marcantes dentro desse espectro.

Uma edição anterior desta rubrica focou as revistas que misturavam notícias sobre televisão, 'fofocas' sobre artistas e celebridades e grelhas de programação, com destaque para títulos ainda hoje existentes, como a TV Guia e a TV 7 Dias; no entanto, à época, ficava de fora uma publicação muito semelhante, mas bem mais obscura, e por isso pouco lembrada por quem foi jovem ou mesmo leitor deste tipo de publicação em finais do século XX - a Tele Guia.

lg0YgMW.jpg

(Crédito da foto: Fórum A Televisão)

Criada algures nos primeiros anos da década, esta revista seguia à risca a 'fórmula' que ia fazendo o sucesso das suas congéneres, apresentando variações sobre muitas das mais populares secções das mesmas, das notícias às entrevistas, passando pelos inevitáveis resumos de novelas e, claro, pela grelha de programação, elemento central de qualquer revista deste tipo. As (poucas) novidades ficavam por conta de secções como 'Um Dia Com...' um qualquer nome da televisão portuguesa, ou do 'anexo' contido no final da revista (e único aspecto verdadeiramente inovador da mesma) intitulado 'Mais Tele Guia', e que adoptava uma fórmula mais próxima de publicações como a 'Guia', com receitas, horóscopos, testes e conselhos sobre assuntos como a saúde e, claro, a beleza.

erFuKjO.jpg

O suplemento 'Mais Tele Guia' era talvez o aspecto mais inovador da revista. (Crédito da foto: Fórum A Televisão.)

Mesmo este ligeiro 'desvio' da norma não foi, no entanto, suficiente para tornar a 'Tele Guia' memorável, tendo-se a revista esvaído nas 'brumas do tempo', sem nunca ter conseguido almejar o sucesso (e ainda menos a longevidade) das suas congéneres - como o comprova a dificuldade em encontrar informações sobre este título na Internet actual (obrigado, fórum A Televisão!) Ainda assim, certamente haverá entre os nossos leitores quem tenha memória (ainda que vaga) da revista - e quem não tiver, ficará decerto a conhecer esta parte obscura, mas ainda assim válida, do mercado de revistas sobre televisão do Portugal dos anos 90.

02.02.23

Os anos 90 viram surgir nas bancas muitas e boas revistas, não só dirigidas ao público jovem como também generalistas, mas de interesse para o mesmo. Nesta rubrica, recordamos alguns dos títulos mais marcantes dentro desse espectro.

De entre as diversas categorias editoriais existentes no mercado português de periódicos de finais do século XX, a chamada 'imprensa cor-de-rosa' talvez fosse a mais bem sucedida (mérito que, aliás, mantém até aos dias de hoje): a sede do público nacional por 'fofocas', escândalos ou simples fotografias 'glamourosas' de celebridades de terceira linha parece, de facto, ser inesgotável e insaciável, permitindo a muitos dos títulos que as crianças e jovens dessa altura conheceram (da clássica 'TV Guia', que intercalava os 'mexericos' com conteúdo de cariz mais noticioso, à declaradamente 'cor-de-rosa' 'Caras') manterem-se no activo até aos dias de hoje, sobrevivendo 'a pulso' numa era em que tudo se torna cada vez mais digital.

Também inserida nesse grupo continua a estar uma publicação do Grupo Impala que completou no Verão passado um quarto de século sobre o seu lançamento, em Junho de 1997: a revista 'VIP'.

vip-pt-40803-noticia-revista-vip-22-de-separacoes-

De grafismo e conteúdo praticamente 'intercambiáveis' com a referida 'Caras', foi com naturalidade que esta publicação se posicionou, á época, como alternativa à mesma, senão mesmo rival declarada; também previsivelmente, esta estratégia resultou em cheio, passando uma 'tranche' do público-alvo da 'Caras' (e de outras revistas semelhantes, como a 'Nova Gente', 'Ana' ou 'Roda dos Milhões') a adquirir também mais esta publicação para juntar ao 'monte' a 'devorar' durante a semana seguinte.

A 'VIP' conseguiu, assim, não só afirmar-se no mercado periodista nacional, como também almejar um crescimento gradual, que se traduziu, anos mais tarde, na criação de títulos temáticos subordinados, à semelhança dos editados por revistas como a 'Activa' – ainda que, como naquele caso, a revista-mãe continue a ser a mais popular, conhecida e bem-sucedida. Mesmo sem estes 'spin-offs', no entanto, a 'VIP' seria, ainda assim, digna de admiração, pela longevidade de publicação e presença consistente na vida de muitos portugueses e portuguesas ao longo dos seus vinte e cinco anos – prova cabal de que, em tendência contrária ao da restante imprensa escrita, as revistas 'cor-de-rosa' continuam a gozar de enorme sucesso em território nacional.

12.01.23

NOTA: Por motivos de coesão temática, esta Quinta, repetiremos a rubrica Quinta no Quiosque; as Quintas ao Quilo regressarão na próxima semana.

Os anos 90 viram surgir nas bancas muitas e boas revistas, não só dirigidas ao público jovem como também generalistas, mas de interesse para o mesmo. Nesta rubrica, recordamos alguns dos títulos mais marcantes dentro desse espectro.

Na passada Terça-feira, debruçámo-nos sobre o programa 'Roda dos Milhões', uma aposta ganha da SIC no campo do entretenimento e concursos que, durante parte do seu tempo de vida, gerou uma espécie de 'mini-franchise' para a estação de Carnaxide; é da 'cara' mais visível desse mini-império – a revista com o mesmo nome – que falaremos na visita ao Quiosque de hoje.

Capture.PNG

O segundo número da revista, lançado em Setembro de 1999.

Lançada em Agosto de 1999, quando o programa homónimo contava já dezoito meses de existência, e constituía já uma das pedras basilares das noites de Segunda da SIC, a revista homónima do concurso então apresentado por Jorge Gabriel teve um início estrondoso, com o primeiro exemplar a atingir uma tiragem de quase dois milhões de exemplares, que a tornou o título mais lido no sector da televisão, culinária e lavores durante os seus primeiros meses. Sol de pouca dura, no entanto, já que (apesar de o declínio não ter sido imediato, e de ter, pelo contrário, atingido relativo sucesso) a publicação não mais tornaria a chegar sequer perto desse tipo de volumes; pelo contrário, meros seis meses após o seu lançamento, a tiragem havia caído para cerca de um quarto.

Ainda assim, a revista viria a conseguir manter-se nas bancas até à saída do programa-base da SIC, em Fevereiro de 2001, embora sem nunca almejar o sucesso de concorrentes bem mais estabelecidas como a TVGuia ou a TV7Dias (com as quais, aliás, partilhava várias semelhanças declaradas, desde o grafismo aos conteúdos). Uma notícia do Público dava, à época, conta da intenção da emissora de Carnaxide em manter o título activo mesmo após o cancelamento do programa, mas tal não acabou mesmo por se verificar, tendo a revista da 'Roda' acabado por ter significativamente menos impacto sobre a sociedade portuguesa do que o formato televisivo que lhe servia de base; ainda assim, esta foi uma daquelas publicações que, enquanto durou, terá marcado presença nas mesas da entrada ou da sala de espera de muitas casas ou negócios portugueses de finais do século XX e inícios do XXI, não deixando, portanto, de merecer a recordação (ainda que breve) por parte do nosso blog.

03.11.22

Os anos 90 viram surgir nas bancas muitas e boas revistas, não só dirigidas ao público jovem como também generalistas, mas de interesse para o mesmo. Nesta rubrica, recordamos alguns dos títulos mais marcantes dentro desse espectro.

As décadas de 80 e 90 representou, em Portugal, talvez o período mais activo e de maior desenvolvimento da imprensa escrita. De facto, aquele espaço de pouco menos de vinte anos viu surgir (e extinguirem-se) publicações tanto generalistas como especializadas em campos como os passatempos, o conteúdo infanto-juvenil, a música (popularmais pesada), os videojogos, os desportos radicais e a motor, a moda, a vida quotidana e as celebridades.

Neste último campo, em particular, Portugal ganhou, a partir de 1995, uma forte concorrente a revistas como a TV Guia, Ana, Maria ou TV7Dias, e que – como a maioria destas – se continua até hoje a afirmar como um dos 'bastiões' da imprensa escrita portuguesa: a revista 'Caras'.

CARAS_brasileira_logo.jpg

Baseada, ou pelo menos fortemente inspirada, na espanhola 'Hola!' (basta olhar para o grafismo de ambas para perceber a semelhança) a nova revista apostava numa premissa em tudo semelhante, dissecando de forma mais ou menos imparcial a vida e acções privadas das 'personalidades sociais' portuguesas, de políticos a jogadores de futebol, passando pelas inevitáveis 'socialites', então prestes a entrar num período de 'alta'.

kcaras1-756x960.gif

Capa do número 1 da revista, que evidencia não só a premissa do conteúdo como também as semelhanças com a espanhola 'Hola!'

Previsivelmente, tendo em conta a demografia-alvo e o que esta procurava nas suas revistas, cada uma das peças dava primazia a fotos 'indiscretas', tipo 'paparazzi', do evento ou acontecimento em questão, com apenas algumas linhas de texto a acompanhá-las; a excepção eram os 'perfis' de celebridades várias, em que as fotos eram bem mais compostas (ou não fosse a peça combinada de antemão) e o texto se expandia para incluir várias citações da personalidade em foco. O objectivo, esse, era o mesmo em ambas as situações: mostrar um modo de vida idealizado, de que os leitores e leitoras podiam partilhar, ainda que indirectamente, através dos artigos da revista – uma fórmula intemporal, e que, conforme referimos, continua até hoje a render dividendos e a atrair uma parcela considerável de público-alvo, mesmo em plena era da Internet.

Em meio aos artigos 'cor-de-rosa', a 'Caras' incluía ainda as habituais e quase obrigatórias peças sobre moda, culinária, beleza ou decoração; no entanto, estas eram meros 'apêndices' ao verdadeiro 'prato principal', destinados apenas a tornar a revista mais completa, balançada, e ainda mais atractiva para a demografia-alvo.

Caras.gif

As palavras cruzadas da revista, da autoria de Paulo Freixinho, centravam-se, previsivelmente, sobre as celebridades que figuravam nas páginas da mesma.

E o mínimo que se pode dizer a esse respeito é que o objectivo foi mais do cumprido – além de Portugal, a 'Caras' chegou a ter distribuição em Angola e versões próprias em países da América Latina, como o Brasil, a Argentina e até o Chile – estas, claro, adaptadas à realidade e personalidades locais. A revista foi, ainda, a vencedora do galardão correspondente a publicações sobre a 'sociedade' nos Prémios Meios e Publicidade de 2014 – uma recompensa até algo tardia para o impacto que teve, e continua a ter, na imprensa escrita portuguesa, onde é uma das poucas resistentes não-noticiosas num mercado em clara vertigem para a obsolescência, mas cujo público continua, aparentemente, a estar disposta a pagar para poder ter um vislumbre periódico sobre as vidas das suas celebridades...

05.01.22

NOTA: Este post teve como referência de pesquisa os blogs Divulgando Banda Desenhada e Blog da Banda Desenhada. As imagens utilizadas são retiradas destes blogs, e devidamente creditadas.

A banda desenhada fez, desde sempre, parte da vida das crianças e jovens portugueses. Às quartas, o Portugal Anos 90 recorda alguns dos títulos e séries mais marcantes lançados em território nacional.

As revistas semanais com conteúdos divididos entre informações sobre a grelha de programação televisiva, 'fofocas' sobre celebridades e rubricas de carácter geral foram, a par da própria televisão, um dos meios de comunicação mais omnipresentes do último quarto do século 20, sendo presença assídua quer em casas particulares, quer nas mesas da sala de espera de consultórios, cabeleireiros, ginásios e outros serviços afins. Por sua vez, esta dispersão permitiu às publicações em causa abrangerem os mais diversos tipos de público, das donas de casa a que principalmente se destinavam até uma demografia mais jovem, que muitas vezes as lia em casa de familiares, ou enquanto acompanhava os ditos familiares aos locais acima descritos.

Assim, não é de espantar que pelo menos uma das referidas revistas se tenha procurado aventurar no mundo dos suplementos juvenis; tratava-se da TV Guia, uma das mais populares publicações do género, que a partir de Julho de 1996 veiculou entre as suas páginas um suplemento descartável com banda desenhada e passatempos, singelamente apelidado TV Guia Júnior.

2.6.jpg

Página frontal do primeiro número do suplemento (Crédito: http://divulgandobd.blogspot.com/)

Composta por quatro páginas, das quais uma de passatempos, esta algo esquecida iniciativa serviu, acima de tudo, como mostruário para o trabalho de um dos poucos criadores de BD declaradamente infantil em Portugal: o entretanto malogrado Carlos Roque, cujo trabalho mais notável se desenvolveu no estrangeiro, nomeadamente na Bélgica, como parte das equipas das históricas revistas de BD 'Tintin' - que chegou a ter edição portuguesa entre meados dos anos 60 e inícios da década de 80 - e Spirou.

Carlos Roque.jpg

Carlos Roque, autor dos conteúdos do suplemento, chegou a trabalhar com alguns dos maiores nomes da BD franco-belga, como membro das revistas 'Tintin' e 'Spirou' (Crédito da imagem: http://bloguedebd.blogspot.com/)

Em território nacional, Roque teve de se contentar com trabalhos em bem menor escala, pelo menos em termos de visibilidade, mas não deixou créditos por mãos alheias: para o suplemento TV Guia Júnior, foram criadas (pelo 'cartoonista' e a sua mulher, a belga Monique) uma série episódica, com continuação de uma semana para a outra, e duas de 'gags' avulsas, 'Tropelias de Malaquias' (cujo protagonista não escondia a inspiração em Dennis the Menace, da histórica publicação inglesa 'Beano') e outra centrada em torno de uma paródia de Mandrake, baptizada. bem ao estilo das BDs da época, com o pouco subtil nome de Patrake. Em todas elas, era evidente o cuidado e dedicação que Roque trazia para o seu trabalho, fazendo com que valesse bem a pena investir uns minutos todas as semanas a inteirar-se das novas aventuras de cada um destes grupos de personagens.

20110104144910087_0012.jpg

Uma tira de 'Patrake, o Mágico' (Crédito da imagem: http://bloguedebd.blogspot.com/)

Roque não se ficou, no entanto, pela criação de todas as BDs do suplemento; o 'cartoonista' português seria também responsável pela página de passatempos, assegurando assim o monopólio criativo de todos os conteúdos inseridos naquelas quatro páginas. E a verdade é que o 'TV Guia Júnior' não ficou a perder por isso, antes pelo contrário - tivesse Roque a publicidade e fama de que gozavam alguns dos nomes com quem trabalhara na Bélgica, os fascículos deste suplemento constituiriam, hoje em dia, artigos de coleccionador altamente procurados; sem esse mesmo renome, no entanto, Carlos Roque acaba, para toda uma geração, por ficar somente associado a um suplemento pouco lembrado, oferecido durante um Verão por uma revista popularucha - uma pena, pois como os conteúdos deste suplemento bem demonstram, tratava-se de um talento ao nível de qualquer daqueles.

 

26.11.21

Nota: Este post é respeitante a Quinta-feira, 25 de Novembro de 2021.

Os anos 90 viram surgir nas bancas muitas e boas revistas, não só dirigidas ao público jovem como também generalistas, mas de interesse para o mesmo. Nesta rubrica, recordamos alguns dos títulos mais marcantes dentro desse espectro.

Apesar da variedade e qualidade das publicações periódicas dos anos 90 – que se estendiam de revistas sobre jogos de computador ou ciência a um jornal de música – a imagem que vem imediatamente à mente da maioria das ex-crianças ou jovens daquela época ao ouvir falar em 'revistas' será, quase certamente, uma qualquer capa de uma das muitas publicações semanais que ofereciam uma mistura de informações sobre a programação televisiva naquela semana com muitos, muitos artigos dedicados a 'fofocas' sobre as celebridades do momento; títulos tão icónicos quanto a TV Guia, TV 7 Dias, Nova Gente ou Maria, que pareciam 'habitar' nas mesas dos consultórios médicos ou na casa de familiares, sempre prontas a serem folheadas num momento de maior ócio, em que não houvesse nada melhor para fazer.

image.jpg

Exemplos do grafismo da TV Guia em finais dos anos 80 e inícios de 90

Embora muito semelhantes, tanto estruturalmente como a nível de temáticas, estas publicações dividiam-se, ainda assim, em dois grandes grupos – de um lado, as mais declaradamente dedicadas ao jornalismo cor-de-rosa (onde se destacavam a Maria, a Ana, e a Nova Gente) e do outro, as que procuravam servir, em primeira instância, como um verdadeiro guia de programação, sendo a vertente de 'fofocas' secundária, caso da TV Guia, TV 7 Dias ou ainda da TV Mais. Não que as revistas pertencentes a este último grupo não tivessem páginas atrás de páginas dedicadas à vida dos famosos, que tinham; no entanto, as mesmas traziam, também, artigos de outro tipo, desde pequenas notícias mais sérias a peças sobre alguns dos filmes que iriam passar na televisão nessa semana, ou que se encontravam em exibição no cinema à data de publicação, entrevistas a actores e personalidades, notícias sobre desporto, ou o principal atractivo para a geração que lê este blog, os destacáveis.

img.jpg

Exemplo dos conteúdos menos 'cor de rosa' proporcionado por revistas como a TV Guia

Parte tradicionalmente integrante das revistas sobre televisão desta época – sobretudo da TV Guia – os destacáveis tomavam mais frequentemente a forma de 'posters' de temas variados, que podiam ir desde uma foto de um actor ou de desportistas a uma cena retirada de uma série popular (por aqui, ficaram especialmente na memória os 'posters' do Bart Simpson a escrever no quadro, e do Sporting vencedor da Taça de Portugal 1994/95, ambos os quais tiveram lugar cativo na parede até a fita-cola secar.) No entanto, a referida TV Guia ganhava também pontos por oferecer 'capas' para filmes, que permitiam transformar uma qualquer 'cassette' gravada da televisão num 'facsimile' da fita comercial do respectivo filme, completa com texto de resumo nas costas e o título na lombada – uma solução extremamente apelativa numa altura em que a maioria dos filmes em VHS era mesmo gravado directamente a partir da transmissão televisiva, dado o preço algo proibitivo dos vídeos comerciais. Esta é, aliás a vertente pela qual a TV Guia 'clássica' mais é lembrada hoje em dia pela geração de 80 e 90, que muito e bom uso fez da mesma.

image (1).jpg

Depois de postas nas caixas, as capas da TV Guia eram virtualmente indistinguíveis das dos lançamentos comerciais

Hoje em dia, a maioria destas revistas continua a ser publicada, e a encontrar o seu 'habitat' natural em salões de beleza e consultórios médicos por esse Portugal fora, ao lado de publicações como a Caras e a tradicional Hola!; no entanto, qualquer das mesmas é uma mera 'sombra' do que foi nos anos 90, reflectindo a mudança de paradigma introduzido pela Internet 2.0, e que teve um impacto considerável sobre os meios de comunicação tradicionais. Para quem cresceu com estas revistas resta, portanto, recorrer à memória do que costumavam ser, e às recordações de as folhear no médico, no salão de beleza ou em casa da avó...

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub