Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

09.05.24

Os anos 90 viram surgir nas bancas muitas e boas revistas, não só dirigidas ao público jovem como também generalistas, mas de interesse para o mesmo. Nesta rubrica, recordamos alguns dos títulos mais marcantes dentro desse espectro.

Com a possível excepção das gerações 'Z' e Alfa – que parecem preferir 'wallpapers' ou fundos para telemóvel, por oposição às tradicionais fotos em papel reforçado – os 'posters' têm, tradicionalmente, sido apanágio da formação identitária das crianças e adolescentes de todo o Mundo desde, pelo menos, o último quarto do século passado; uma evolução natural das fotografias de ídolos laboriosamente coladas ou pregadas à parede pelos jovens da primeira metade do século XX, os retratos ampliados de actores, desportistas, músicos, personalidades sociais ou até personagens de desenhos animados eram presença quase obrigatória em qualquer quarto juvenil de finais do Segundo Milénio e inícios do seguinte. Era, portanto, mais do que natural que, eventualmente, surgissem as primeiras publicações comerciais dedicadas apenas e tão-sómente ao agrupar de fotos deste tipo, que eram depois veiculadas, nas bancas, aos ávidos fãs das personalidades em causa.

15-num-anc3bancio-super-jovem-de-1995.jpgsuperjovemp4_pub03superjovemposters9_novembro95_01

Anúncios de época aos especiais de 'posters' da revista Super Jovem.

Em Portugal, este tipo de revistas surgiu, sobretudo, como complemento ou edição especial de publicações pré-existentes; a Super Jovem, por exemplo, lançava periodicamente números 'fora-de-série', em formato maior do que a revista habitual (geralmente A4 ou até A3) compostos apenas por 'posters', muitos deles inéditos em relação aos que saíam nos números semanais, justificando assim o investimento. Outros exemplos desta mesma prática, estes importados, incluíam as icónicas Bravo e Super Pop, para todos os efeitos revistas de fotos, mas que vincavam ainda mais essa vertente com os seus especiais de 'posters'.

Ao longo dos anos, no entanto, foi-se verificando, também, o aparecimento de um segundo tipo de publicação deste género, ainda mais esporádica (muitas eram mesmo edições únicas) e com um formato tão apelativo quanto contra-intuitivo: embora parecessem, à vista desarmada, revistas 'normais', cada um destes especiais se desdobrava de fora para dentro, revelando um 'poster' gigante no interior. O problema deste tipo de apresentação tornava-se óbvio assim se desejasse ler os (poucos mas existentes) textos sobre o artista em causa que justificavam o epíteto de 'revista', os quais eram situados nas costas da imagem central, tornando o acesso aos mesmos impossível uma vez pendurado o 'poster' na parede. Este acabava, no entanto, por ser um mal menor, já que é duvidoso até que ponto os jovens que adquiriam este tipo de publicação especial estavam verdadeiramente interessados nos textos...

image.webp

Exemplo do segundo tipo de revista-'poster'.

Hoje em dia, tal como tantos outros formatos de que vimos falando nesta e noutras rubricas, também as revistas de 'posters' se encontram obsoletas, podendo o seu propósito ser realizado, de forma gratuita, com uma rápida pesquisa de imagens na Internet, não sendo mesmo necessário imprimir a imagem, que pode ser aplicada como fundo de ecrã no computador ou telemóvel e 'admirada' em qualquer altura e em qualquer local, e não apenas na parede do quarto. Ainda assim, quem teve no coleccionismo e exibição de 'posters' parte importante do seu desenvolvimento pessoal e identitário certamente recordará com alguma nostalgia aqueles especiais gigantes da revista favorita, repletos de imagens de ídolos prontinhos a serem colados à parede e admirados diariamente durante os meses e anos seguintes, até a fita-cola secar ou serem preteridos em favor do novo artista favorito...

18.04.24

Os anos 90 viram surgir nas bancas muitas e boas revistas, não só dirigidas ao público jovem como também generalistas, mas de interesse para o mesmo. Nesta rubrica, recordamos alguns dos títulos mais marcantes dentro desse espectro.

image.webp

Números de várias eras da revista, que ilustram as mudanças gráficas da mesma. (Crédito da foto: OLX.)

Embora provavelmente não estivesse entre os principais interesses dos jovens portugueses – até pelos elevados custos que comportava – a audiofilia não deixava, ainda assim, de encontrar no nosso País a sua quota-parte de aficionados, fossem eles adultos com rendimentos próprios para gastar no seu passatempo de eleição ou jovens que sonhavam poder aspirar a ter um sistema de áudio 'a sério' onde tocar as suas cassettes, LP's e, mais tarde, CD's. Apesar disso, e ao contrário de muitos outros 'hobbies' do mesmo período, o panorama de imprensa nacional não contava, durante o pico da audiofilia, nos anos 80, com qualquer revista especializada dedicada a este ramo, vendo-se os fãs de aparelhagens obrigados a comprar dispendiosas revistas estrangeiras para se manterem a par das novidades dentro do espectro.

Esta situação viria, no entanto, a mudar ainda antes da chegada da nova década, quando dois jornalistas audiófilos, Jorge Gonçalves e José Victor Henriques, embarcaram juntos numa 'irresponsabilidade' utópica: a de criar uma revista portuguesa dedicada ao Hi-Fi. Nascia, assim, a 'Audio' (mais tarde 'Audio e Cinema em Casa') a primeira e única publicação portuguesa centrada na audiofilia. Com os meios possíveis, e muita vontade e capacidade de improviso, os dois jornalistas (a quem, mais tarde, se juntaria ainda o recentemente malogrado José Francisco Júdice) logravam fazer chegar às bancas, no ano de 1989, a primeira manifestação física desse seu sonho, mas os primeiros indicadores não eram, de todo, os melhores – a 'Audio' deparava-se com a apatia de um mercado rendido à estrangeira 'What Hi-Fi?', e o segundo número, já atrasado de raiz, arriscava-se a não sair.

Contra todas as previsões, no entanto – inclusivamente dos próprios fundadores – esse número não só se concretizou como lançou um ciclo de impressionantes três décadas de publicação ininterrupta, durante as quais a 'Audio' se estabeleceu como grande fonte nacional para notícias, críticas, análises e artigos diversos respeitantes ao seu nicho de eleição. Já sem o contributo de José Victor Henriques, que saíra amigavelmente, seria Jorge Gonçalves quem 'comandaria o barco' até à extinção da revista física e passagem para a plataforma 'online', em 2021, guiando-a através das habituais reformas gráficas e de conteúdo, logrando sempre, no entanto, manter o padrão de qualidade que estabelecera nos primórdios da publicação; é, pois, natural que, por alturas do seu desaparecimento, fossem muitas as vozes que lamentavam a extinção da única verdadeira referência no campo da audiofilia em território nacional. Apesar de desaparecida, no entanto, o legado e memória da 'Audio' continuam bem vivos entre os portugueses de uma determinada idade, os quais, certamente, terão derivado considerável prazer da leitura destas linhas que, espera-se, lhes tenham proporcionado uma viagem nostálgica até ao tempo em que passavam na banca, todos os meses, para trazer para casa o mais recente número da 'sua' revista.

07.03.24

Os anos 90 viram surgir nas bancas muitas e boas revistas, não só dirigidas ao público jovem como também generalistas, mas de interesse para o mesmo. Nesta rubrica, recordamos alguns dos títulos mais marcantes dentro desse espectro.

Qualquer 'millennial' português cuja atracção romântica penda para o sexo feminino se lembrará, sem dúvida, das históricas versões nacionais da 'FHM' e 'Maxim', duas 'revistas para homens' publicadas durante a década de 2000 e que constituíam, à época, a forma de admirar mulheres atraentes e famosas em 'trajes menores' sem para isso ter de recorrer à sempre condenável pornografia. Para a geração anterior, no entanto – e, talvez, até para alguns dos leitores mais velhos deste 'blog', nascidos ainda durante os anos 80 – a grande revista erótica nacional foi outra, que ainda viu 'entrar' a nova década, mas que se viria a extinguir menos de um ano após o início da mesma: a 'Élan'.

image (2).webp

Como o próprio nome indica, a revista, idealizada e produzida na então cooperativa do Partido Socialista em Lisboa por elementos associados ao Correio da Manhã, tinha pretensões de classe e sofisticação, as quais contrastavam directamente não só com as fotos sensuais que a caracterizavam, mas com a própria temática envolvente às mesmas, que se aproximava mais a uma 'Caras' ou 'VIP' do que a qualquer publicação intelectual. Isto porque os textos – sempre de somenos importância numa revista deste tipo, mas ainda assim necessários – versavam sobre a vida do 'jet set' nacional, com tudo o que isso implicava (como festas, mexericos ou namoros), em meio a temas sobre viagens, moda e artes, e até pequenos contos. Esta inusitada mistura acabava por tornar a 'Élan' numa espécie de fusão entre a 'Playboy' e as referidas revistas 'cor-de-rosa' tão conhecidas do público noventista.

Outro aspecto inusitado da revista em causa foi a sua lista de colaboradores, impressionante para uma publicação algures entre o 'cor-de-rosa' e o 'maiores de dezoito': entre os nomes associados à 'Élan' durante o seu curto tempo de vida contavam-se a antiga Miss Portugal e aspirante a Miss Universo, e futura apresentadora televisiva, Ana Maria Lucas, Manuel Falcão (fundador do 'Blitz' e d''O Independente' e director do 'Se7e' e da RTP2!!) ou Teresa Pais, futura directora da 'Telenovelas' e 'TV Mais', à época ainda uma jovem de pouco mais de vinte anos. Nomes que ajudavam, sem dúvida, a dar alguma credibilidade à revista, garantindo um lugar mais próximo da 'TV Guia' que da 'Playboy' na prateleira da tabacaria.

Como a mistura de factores acima descrita deixa adivinhar, a 'Élan' era uma revista única e ímpar no cenário português – talvez até demais, o que poderá porventura explicar a razão para o seu desaparecimento. Ainda assim, no período de cerca de três anos em que vigorou nas bancas portuguesas, a publicação em causa não terá deixado de fazer as delícias dos então adolescentes (e não só) interessados em ver famosas bonitas e fotogénicas em poses menos 'próprias'...

12.10.23

Os anos 90 viram surgir nas bancas muitas e boas revistas, não só dirigidas ao público jovem como também generalistas, mas de interesse para o mesmo. Nesta rubrica, recordamos alguns dos títulos mais marcantes dentro desse espectro.

Quando, há algum tempo, aqui relembrámos alguns dos jornais desaparecidos da imprensa portuguesa, deixámos de fora um, de certo modo até mais relevante do que os discutidos no 'post' em causa, e sobre cuja fundação se assinalaram em Maio último exactos quarenta anos. E apesar de o mesmo dificilmente ter, na altura, interessado ao público que lê este nosso espaço, seria ainda assim omisso deixar passar em claro tão importante data para uma publicação que marcou o espaço editorial e jornalístico português dos anos 90 e da primeira metade da década de 2000.

download.jpg

A primeira e última edições do semanário, entre as quais distam quase trinta anos.

Falamos d''O Independente', o histórico semanário fundado na Primavera de 1988 por Miguel Esteves Cardoso e Paulo Portas – este último ainda a alguns anos de se tornar figura de monta da esfera política nacional - e que, talvez pelo envolvimento dos nomes citados, punha considerável ênfase nos campos da cultura e da política. De facto, era sobretudo pela sua abordagem sócio-política que o jornal se destacava, sendo que fazia questão de apresentar uma postura mais conservadora e elitista, condicente com as sensibilidades de direita dos seus fundadores, mas, ao mesmo tempo, culta e com algum idealismo – uma descrição que, precisamente por parecer um contra-senso, ajudou 'O Independente' a demarcar-se de todos os restantes jornais publicados em Portugal à época, embora tenha também contribuído para lhe restringir a base de leitores aos proponentes de ideologias políticas e culturais semelhantes.

Apesar desse posicionamento declaradamente à direita do espectro político, o jornal notabilizou-se, também, pelos constantes e impiedosos ataques e denúncias ao governo então vigente, também ele de direita e presidido por Aníbal Cavaco Silva, que resultavam em constantes processos por difamação de carácter, muitos deles ganhos pelas personalidades visadas, pesem embora algumas importantes vitórias. Ainda assim, os dois fundadores acabaram por desempenhar papel crucial na queda do chamado 'cavaquismo', e no surgimento do CDS/PP como força de oposição ao PSD à direita – algo a que a maioria dos jovens portugueses da época terá ficado perfeitamente alheio, no seu mundo de desenhos animados, trabalhos de casa, actividades extra-curriculares e saídas com os familiares e amigos, mas que ajudou a moldar o panorama político nacional, tal como se apresenta nos dias de hoje.

Só essa contribuição já tornaria 'O Independente' parte importante do jornalismo português, mas o semanário não se ficava por aí, apresentando também um forte pendor cultural, e contando com colaboradores de renome nessa área, como Agustina Bessa-Luís, António Barreto, Maria Filomena Mónica, Rui Zink ou Pedro Ayres de Magalhães, muitos dos quais viriam, na mesma época, a fundar a revista-irmã do semanário em causa, a lendária 'K', que muito em breve aqui terá, também, o seu espaço.

No total, foram quase três as décadas de vida d''O Independente', que encerraria funções em 2006, após meia década de abrupto declínio de vendas e influência (os últimos exemplares venderam menos de dez mil cópias e contaram com apenas 1% de audiência.) Para a História ficava uma abordagem revolucionária (se bem que nem sempre consensual) ao jornalismo, e uma influência inaudita na esfera política do País – motivos mais que suficientes para que, mesmo com quase meio ano de atraso, celebremos os quarenta anos do maior semanário de finais do século XX em Portugal.

21.09.23

Os anos 90 viram surgir nas bancas muitas e boas revistas, não só dirigidas ao público jovem como também generalistas, mas de interesse para o mesmo. Nesta rubrica, recordamos alguns dos títulos mais marcantes dentro desse espectro.

Os anos 80 e 90 estiveram entre as décadas mais inovadoras e progressivas no tocante ao mundo da moda, tendo, entre outros feitos, introduzido na sociedade ocidental o conceito de 'super-modelos' – figuras aspiracionais cujo objectivo primário era exibir (e, por esse meio, 'vender') as mais recentes tendências e peças de cada estação. E escusado será dizer que o impacto destas novas 'musas' foi imediato e avassalador, tendo nomes como Claudia Schiffer, Naomi Campbell e Cindy Crawford sido responsáveis por interessar milhões de jovens um pouco por todo o Mundo (e até algumas pessoas mais velhas) no mercado da alta costura.

Portugal não foi excepção a esta regra, antes pelo contrário; apesar do 'atraso' a nível de estilos e tendências relativamente ao resto do Mundo (que se faz sentir até hoje, ainda que em menor escala) o nosso País viu, no decurso das referidas décadas, aumentar o interesse pelas novas colecções dos principais estilistas, o qual ficou reflectido na presença das referidas modelos nas capas de revistas tanto juvenis como mais generalistas, e no aparecimento de versões portuguesas das principais revistas de moda internacionais. Já aqui falámos, nesta mesma rubrica, da 'Elle' nacional, e, dado que a 'Vogue' lusitana ainda demoraria alguns anos a chegar, resta agora falar da edição nacional de outra referência no mundo das publicações de moda – a Madame Figaro, cuja versão portuguesa recebia o nome de Máxima, e surgia pela primeira vez nas bancas há quase exactos trinta e cinco anos, a 22 de Setembro de 1988.

maxima-1988.jpg

Capa do número 1.

Apesar desta ligação à revista francesa, no entanto, a Máxima era inteiramente criada em Portugal, sem qualquer interferência por parte de uma entidade internacional, e deixava a sua proposta editorial bem clara logo a partir do slogan publicitário: 'a revista da mulher portuguesa'. E embora a nova publicação contasse já com alguma concorrência nesse sector (por parte de revistas como a 'Guia') a sua abordagem mais virada ao jornalismo puro e duro (chegou a haver capas com a Guerra do Golfo, e reportagens sobre temas como a violação, assédio e abuso sexual ou mesmo fundamentalismo religioso) ajudou-a a marcar a diferença relativamente a publicações como a referida 'Elle' ou ainda a versão portuguesa da 'Marie Claire', nenhuma das quais sequer sonhava em oferecer o mesmo teor de artigos ou reportagens, optando normalmente por temas mais superficiais. Prova do sucesso desta linha editorial é que a tiragem inicial de quarenta e cinco mil exemplares esgotou, tornando-se a primeira indicação de um sucesso que apenas viria a aumentar em anos vindouros.

De facto, por meados da década seguinte, a 'Máxima' era já a quinta revista feminina mais vendida em Portugal, fazendo circular quase cinquenta mil cópias todos os meses, e vendo vários dos seus jornalistas receber galardões do teor do Prémio Fernando Pessoa de Jornalismo (atribuído à reportagem sobre violação); a preponderância da revista era tal, aliás, que, apenas dois anos após a sua primeira edição, a mesma se encontrava já em posição de atribuir os seus próprios prémios e galardões, no caso alusivos à indústria de Beleza e Perfumes.

Tendo em conta o sucesso inicial e a preocupação em se manter relevante e fazer jormalismo 'a sério', não é de admirar que a 'Máxima' tenha constituído uma das maiores histórias de sucesso da imprensa especializada portuguesa, tendo conseguido manter-se nas bancas – sempre com o mesmo grau de sucesso e influência – por impressionantes trinta e dois anos; paulatinamente, no entanto, até mesmo esta decana publicação se viu afectada pelo rápido declínio da imprensa física, vindo o Grupo Cofina (que adquirira os direitos de publicação à Edirevistas) a declarar o fim da mesma no início do 'Verão COVID', em Junho de 2020. Mesmo após a sua extinção, no entanto, o legado da revista continua a fazer-se sentir, tendo a mesma marcado época e exercido influência entre as gerações 'X' e 'millennial' (e mesmo junto da 'Z') o que torna mais que justa esta breve homenagem por alturas daquele que seria o seu trigésimo-quinto aniversário de publicação – um marco que a 'Máxima' nunca chegou a atingir, mas que constituiu o pretexto perfeito para celebrar a sua influência junto das mulheres portuguesas de finais do século XX e inícios do seguinte.

18.05.23

Os anos 90 viram surgir nas bancas muitas e boas revistas, não só dirigidas ao público jovem como também generalistas, mas de interesse para o mesmo. Nesta rubrica, recordamos alguns dos títulos mais marcantes dentro desse espectro.

Uma das principais regras não-escritas da comunicação social é que o sensacionalismo 'vende'; apesar de o código deontológico dos jornalistas os cingir à verdade dos factos, a forma de apresentar e transmitir esses mesmos factos possui elasticidade suficiente para englobar uma abordagem mais propositalmente 'exagerada' e alarmista, por oposição ao estilo sóbrio e neutro que a maioria da sociedade ocidental tende a associar a este tipo de cargo. Esta mesma flexibilidade levou, por sua vez, ao surgimento de um tipo específico de jornalismo (e publicação) inteiramente dedicado a essa vertente mais sensacionalizante da transmissão de informação, o qual recebeu o epíteto de 'tablóide', derivado do formato adoptado pelos primeiros exemplares do género. Inicialmente associado sobretudo aos países anglófilos, nomeadamente o Reino Unido e os EUA, este tipo de jornal viria, nas décadas seguintes, a expandir-se também a outros países – incluindo, já na 'recta final' do século XX, Portugal, que acolhia há quase exactos trinta anos o primeiro tablóide 'declarado' da História da imprensa nacionalÇ o jornal '24 Horas'.

24_Horas_(jornal).jpg

E dizemos 'declarado' porque Portugal possuía já algumas publicações cujo conceito 'beirava' o dos tablóides ingleses, fosse mais discretamente (como sucedia com 'A Capital' e 'Tal & Qual', este último do mesmo director do '24 Horas') ou mais 'descaradamente' (como no caso do jornal 'O Crime'); no entanto, o periódico inaugurado a 5 de Maio de 1998 foi o primeiro a assumir o objectivo de constituir uma 'versão portuguesa' de jornais como os ingleses 'The Sun', 'Daily Star' e 'Daily Mirror' ou os norte-americanos 'National Enquirer', 'The Star' e 'The Globe' - dos quais adoptava, inclusivamente, o grafismo de capa, com um esquema de cores centrado no vermelho, branco e preto e chamadas de capa sensacionalistas impressas em letras garrafais.

E tal como os seus 'antecessores espirituais' haviam encontrado o seu público nos respectivos países, também o '24 Horas' conseguiu, rapidamente, estabelecer uma base de leitores, com grande parte dos portugueses a aderir, mais ou menos ironicamente, à proposta do jornal, que (para quem nunca havia lido, ou sequer visto, um tablóide) se assemelhava a uma espécie de 'versão noticiosa' das revistas cor-de-rosa e de 'fofocas' que dominavam o mercado de periódicos da época. Esta forte adesão inicial permitiu ao jornal firmar-se (e afirmar-se) dentro do panorama noticioso português, dando o mote para um 'reino' de mais de uma década nas bancas nacionais que, pesem embora algumas controvérsias (em especial a ligada ao processo Casa Pia, que resultou em buscas na redacção e processos criminais por acesso indevido a dados pessoais) não deixa de ter sido marcante para toda uma geração de portugueses.

Infelizmente, o rápido declínio da imprensa escrita (não só em Portugal como um pouco por todo o Mundo) viria, também, a vitimar o tablóide 'à portuguesa', cuja circulação sofreu um declínio acentuado a partir de 2009, obrigando mesmo ao encerrar de actividades a 30 de Junho do ano seguinte, um pouco mais de doze anos após a primeira edição do jornal. Esta extinção não significou, no entanto, o fim do jornalismo sensacionalista em Portugal – pelo contrário, o estilo do '24 Horas' criou raízes, embora não tanto na imprensa escrita; é, sim, nos canais noticiosos de televisão (como a TVI24 ou a CMTv) que fica mais patente o 'legado' da publicação de José Rocha Vieira, tornando-a mais do que apenas uma memória nostálgica para a geração a quem apresentou, há quase exactamente um quarto de século, uma nova forma de fazer jornalismo, e que ajudou a polarizar quanto aos méritos relativos da sua existência durante os doze anos seguintes...

 

23.02.23

Os anos 90 viram surgir nas bancas muitas e boas revistas, não só dirigidas ao público jovem como também generalistas, mas de interesse para o mesmo. Nesta rubrica, recordamos alguns dos títulos mais marcantes dentro desse espectro.

Apesar de muito mais lenta do que se previa, a morte anunciada da imprensa escrita às mãos da Internet concretiza-se cada ve mais com cada ano que passa; de facto, basta olhar para a selecção de jornais e revistas expostos em qualquer quiosque ou tabacaria portuguesa para perceber que – não obstante a presença de alguns títulos clássicos e aparentemente perenes – a oferta, e sobretudo a variedade, deste sector decresceram dramaticamente nas últimas duas décadas. Enquanto que em inícios do século XX o mercado era, ainda, suficientemente significativo para justificar revistas para demografias específicas ou especializadas em áreas tão díspares quanto a música, os videojogos e até alguns desportos de nicho, hoje em dia, os poucos títulos que sobrevivem são, ou generalistas, ou de cariz informativo e educacional, ou ainda 'clássicos' moribundos e longe do brilho de outros tempos (qualquer criança dos anos 90 sentirá profunda tristeza ao ver no que se tornou a TV Guia, por exemplo...)

jornais.jpg

Este fenómeno é ainda mais notório no campo da imprensa informativa, onde a 'postura Astérix' de 'clássicos dos clássicos' como o Diário e Jornal de Notícias, o Público, o Expresso ou o Correio da Manhã (que, tal como o pequeno guerreiro gaulês, vão resistindo ainda e sempre ao invasor) e a permanência de 'novatos' como o 'i' e o 'Sol' apenas serve para disfarçar parcialmente o desaparecimento de outros tantos títulos que qualquer cidadão português daquele tempo dava como dados adquiridos ao entrar numa banca de jornais ou tabacaria.

De facto, ainda que pouco notória (ou notável) no contexto quotidiano, a falta de periódicos como o 'Tal & Qual', 'A Capital', o 'Independente', o semanário 'Se7e', o 'pasquim' 'O Crime' (além do bombástico '24Horas', criado no decorrer dessa mesma década, e que por isso mesmo terá, em breve, direito a 'post' próprio nesta rubrica) faz-se sentir assim que se pára para pensar na variedade de títulos de distribuição nacional generalizada que o público português costumava ter à sua disposição - e isto ainda antes de falar de jornais regionais ou títulos especializados como o 'Ocasião' e o 'Blitz', ambos também entretanto extintos. Um reflexo dos tempos cada vez mais digitalizados que se vivem, não só em Portugal como um pouco por todo o Mundo, mas que não deixa de dar que pensar, e de ser até levemente deprimente para quem (como o autor deste blog) em tempos almejou fazer carreira no sector da imprensa escrita.

Por isso mesmo, e pelas memórias que proporcionaram a toda uma geração (mesmo quando não se concordava, necessariamente, com o seu conteúdo ou afiliações) fazemos questão de aqui deixar uma curta mas sentida homenagem aos jornais desaparecidos que marcaram a infância e juventude dos 'putos' de finais do século XX - quanto mais não fosse por os mesmos os verem quando iam comprar cromos, guloseimas ou bandas desenhadas...

05.01.23

Os anos 90 viram surgir nas bancas muitas e boas revistas, não só dirigidas ao público jovem como também generalistas, mas de interesse para o mesmo. Nesta rubrica, recordamos alguns dos títulos mais marcantes dentro desse espectro.

Numa edição passada desta rubrica falámos dos classificados, esse passatempo tão querido das crianças e adolescentes da era pré-digital; pois bem, que melhor maneira de passar uns bons bocados com este tipo de conteúdo do que comprar um jornal quase exclusivamente dedicado aos mesmos?

logo-ocasião.png

Falamos do Ocasião, o lendário repositório de classificados 'disfarçado' de publicação periódica que servia, simultaneamente, de ferramenta essencial para quem procurava comprar e vender artigos ou serviços, e de veículo para a imaginação dos mais novos, que podiam 'sonhar' com aquela consola pouco usada e a preço convidativo ou – quando mais velhos – com as 'meninas privadas' que eram apanágio de qualquer secção de classificados que se prezasse naqueles anos pré-Internet.

E a verdade é que o âmbito declaradamente limitado do jornal não era entrave ao seu sucesso, sendo que o Ocasião passaria, ao longo da sua vida, dos modestos 6000 exemplares e 1700 anúncios de 1994 aos mais de 33.000 exemplares e outros tantos anúncios quinze anos depois – prova de que um conceito baseado em algo tão imortal quanto a necessidade de vender artigos em segunda mão não podia senão encontrar sucesso entre o seu público-alvo.

O fim do Ocasião chegou, assim, não por um qualquer declínio de interesse por parte do público, mas antes devido à transição para um formato digital, efectivada em 2012, ano em que o periódico pôs cobro à sua edição física; nos dez anos desde então decorrentes, também a versão em 'site' viria a findar, suplantado e substituído por plataformas como o OLX, deixando o título, outrora de referência entre certos sectores da sociedade portuguesa, efectivamente extinto, e perpetuado apenas pela memória daqueles que, a cada nova edição, se deixavam 'perder' naquele verdadeiro 'mundo' de classificados de todos os tipos e carizes...

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub