Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

22.12.21

Em quartas-feiras alternadas, falamos sobre tudo aquilo que não cabe em nenhum outro dia ou categoria do blog.

Na era pré-telemóveis, a única maneira de recordar e guardar datas e contactos importantes era registá-los nuns livrinhos especialmente criados para o assunto, em que cada página correspondia a um dia, e continha linhas especiais para anotar todas estas informações.

Isso mesmo - as agendas, um daqueles produtos que, a certo ponto durante os anos 80 e 90, representava um dos marcos da passagem à vida adulta, em que havia a necessidade de manter registos sobre coisas sérias. Talvez por isso tantas crianças quisessem ter o seu próprio exemplar, e talvez por isso a alternativa especificamente dirigida a esta demografia - lançada anualmente pela editorial O Livro, em parceria com a RTP, de meados da década de 80 até aos primeiros anos do novo milénio, e novamente em 2010, numa edição especial alusiva ao programa 'Caderneta de Cromos', apresentado por Nuno Markl - tenha feito tanto sucesso à época do lançamento.

23560112.jpg

23523070._UY464_SS464_.jpg

Capas das edições relativas aos anos de 1994 e 96

De facto, no período a que este blog diz respeito, 'A Minha Agenda', a agenda infantil da RTP - que além dos espaços para registo de informação, continha curiosidades, jogos, receitas e outros artigos de interesse para o público-alvo - tornou-se um verdadeiro marco da época natalícia portuguesa, sobretudo graças ao seu anúncio televisivo, cujo 'jingle' era tão ou mais 'pegajoso' que o actual do Pingo Doce, e terá decerto vindo à cabeça de pelo menos alguns dos nossos leitores assim que foi mencionado.

Por aqui, anda-se há dias a cantarolar isto...

Esse anúncio era, aliás, responsável pela criação de grande parte do desejo pel''A Minha Agenda', que no restante, não passava precisamente disso - de uma agenda, ainda que 'apimentada' pelos referidos conteúdos extra. Aliás, na mesma época, existia pelo menos uma opção tão boa ou melhor do que a publicação da RTP, no caso a Agenda Disney, que aliava um conceito semelhante ao d''A Minha Agenda' ao atractivo extra da licença oficial para uso das personagens Disney (lá por casa, era esta que se tinha, e nunca houve qualquer desejo pela troca).

No entanto, tal como no caso do 'Um Bongo', aqui explorado há algumas semanas, 'A Minha Agenda' era (foi, é) um produto cuja estratégia de vendas assentava, sobretudo, na força do seu 'jingle', que lhe dava uma vantagem em relação à concorrência, por muito forte que ela fosse; que o diga quem ficou quase imediatamente a desejar receber um destes volumes no sapatinho após ter sido sujeito ao anúncio num qualquer intervalo dos desenhos animados...

12.12.21

Ser criança é gostar de se divertir, e por isso, em Domingos alternados, o Anos 90 relembra algumas das diversões que não cabem em qualquer outra rubrica deste blog.

De entre as muitas prendas que as crianças dos anos 90 recebiam no Natal, uma das mais clássicas era aquele balde em plástico berrante – normalmente vermelho – cheio de peças avulsas de LEGO.

1100007366_PREVIEW.jpg

Os tradicionais blocos de construção atravessavam, na última década do século XX, um dos seus períodos áureos, com inúmeras linhas e colecções para todas as idades, pelo que o referido balde se afirmava como uma prenda tão vistosa quanto 'segura'; afinal, a maioria dos jovens daquele tempo tinha um interesse activo em LEGO, pelo que uma caixa cheia de peças do referido jogo seria, inevitavelmente, bem recebida.

Para perceber o porquê deste facto, é necessário recuar aos LEGOs, tal como eles eram na 'nossa' época. Isto porque, hoje em dia, a marca tem conotações e motivações quase diametralmente opostas àquelas de que gozava em finais do segundo milénio; enquanto que nos dias que correm, as linhas da LEGO consistem, quase exclusivamente, de produtos de custo elevado e utilização específica, normalmente ligados a um qualquer 'franchise' cinematográfico ou televisivo, nos anos 90, a marca afirmava-se como um dos últimos bastiões para a imaginação das crianças, permitindo-lhes criar aquilo que quisessem (desde que dispusessem das peças, bem entendido) e dar largas à sua imaginação. Havia, bem entendido, conjuntos com finalidade definida, como o clássico castelo ou os veículos da linha Lego Technic, a versão da LEGO para os populares Meccano; o ênfase, no entanto, estava mesmo na criação sem limites, sendo que até mesmo os diferentes elementos destes conjuntos mais direccionados podiam ser retirados do seu ambiente natural e utilizados para quaisquer outros fins que aprouvessem à criança. Em suma, enquanto que os conjuntos LEGO de hoje em dia permitem construir uma réplica exacta de Hogwarts com os conteúdos da respectiva caixa, e nela colocar as mini-figuras de Harry Potter e seus amigos, os LEGOs dos anos 90 permitiam construir uma escola de magia completamente original, de raiz, e nela colocar como alunos os cavaleiros do castelo, a menina tenista, o polícia de trânsito, e quem mais viesse à mão – o único limite era mesmo a nossa imaginação.

151241-parenting-feature-remember-these-the-best-l

O espectacular castelo era um dos poucos conjuntos 'direccionados' comercializados pela marca à época

Com isto em mente, não é de estranhar que um balde cheio de peças avulsas e aleatórias de LEGO fosse uma surpresa tão grata para as crianças daquele tempo; embora não fosse exactamente um presente que se pusesse na lista ou marcasse no catálogo de brinquedos (afinal, uma das 'regras orais' das listas de Natal em criança era que as mesmas tinham um número finito de linhas, e tinha sempre de se deixar espaço para aquela boneca, figura de acção ou jogo de tabuleiro 'vistoso') também não era, nem de longe, uma prenda de que se desdenhasse, e acabava sempre por ter bastante uso nos meses subsequentes.

Infelizmente, numa altura em que os brinquedos e brincadeiras se vêm tornando cada vez mais restritivos, os baldes de LEGO perderam muita da sua razão de ser, não sendo de estranhar que raramente (ou nunca) se avistem nas secções de brinquedos dos supermercados e hipermercados de hoje em dia; o próprio hobby de construir com LEGOs tem-se tornado, nos últimos anos, mais exclusivo e segmentado, graças ao preço exorbitante dos conjuntos actuais, por oposição ao que acontecia nos anos 90, em que qualquer semanada de criança permitia comprar um conjunto de figura-e-carrinho na loja de brinquedos do bairro. Quem ainda tenha acesso àqueles baldes anuais da sua infância (e se lembre do gozo que dava 'mergulhar' num deles) tem, por isso, como dever apresentá-los à geração actualmente com idade para se interessar por eles, antes que o poder da imaginação se perca por completo...

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub