Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

18.01.23

Em quartas-feiras alternadas, falamos sobre tudo aquilo que não cabe em nenhum outro dia ou categoria do blog.

O período de Natal e o início do ano seguinte eram, por razões óbvias, a altura do ano por excelência para o lançamento e comercialização de agendas – que, neste caso, se referiam não àqueles livrinhos de couro recheados de papel pautado onde se anotavam números de telefone e moradas antes do advento dos 'smartphones', mas sim a verdadeiros tomos encadernados, dirigidos a um público infanto-juvenil, e que combinavam essa vertente com outros conteúdos de interesse para a demografia-alvo, como receitas, passatempos, curiosidades, ou espaços onde anotar os desejos e ambições para o novo ano. E se a rainha indisputada deste tipo de publicação era 'A Minha Agenda', o esforço anual da RTP cujo principal ponto de interesse era o lendário anúncio, também não deixou de haver um ou outro 'concorrente' esporádico, determinado a retirar a 'coroa' à publicação da emissora estadual.

Destes, um dos principais (e que não deixa de ser surpreendente nunca ter almejado mais altos vôos) foram as agendas Disney – volumes em tudo semelhantes a 'A Minha Agenda', mas com o atractivo extra de contarem com a presença (totalmente legal e licenciada) das mais populares personagens de banda desenhada da Disney. Assim, conteúdos que de outra forma teriam de ter sido decorados com desenhos ou motivos genéricos passavam a ter como 'anfitriões' o Tio Patinhas, o Rato Mickey, e as restantes (e bem conhecidas) personagens com que as crianças portuguesas conviviam sempre que abriam uma revista aos quadradinhos da época.

Infelizmente, este é mais um daqueles casos em que o produto em questão foi totalmente Esquecido Pela Net, não havendo mesmo rasto de qualquer dos (pelo menos dois) volumes lançados (relativos aos anos de 1992 e 93) em sites como o OLX. Assim, e perante a impossibilidade de retirar imagens dos nossos exemplares pessoais (há muito arrumados numa de entre muitas caixas com conteúdos semelhantes) vemo-nos forçados a publicar, pela segunda vez, um 'post' sem quaisquer imagens.

Ainda assim, e numa altura do ano em que a maioria das crianças tinha, ainda, motivação para utilizar activamente este tipo de volumes, não queríamos deixar passar em branco este 'conccrrente' d''A Minha Agenda', cujo insucesso é tão difícil de perceber quanto o seu desaparecimento total da consciência nostálgica colectiva portuguesa – algo que pode parecer inimaginável para um produto com uma licença tão popular quanto a dos Estúdios Walt Disney, mas que, no caso destas agendas, é absolutamente verídico...

21.11.22

Em Segundas alternadas, o Anos 90 recorda algumas das séries mais marcantes para os miúdos daquela década, sejam animadas ou de acção real.

Já anteriormente aqui falámos dos Power Rangers, uma das séries mais icónicas de muitas crianças e jovens da década de 90, em Portugal e não só; como tal, e pela influência que tanto esta série como o personagem tiveram sobre o autor deste blog, não podemos deixar passar em branco a trágica morte de Jason David Frank, eternizado no papel de Tommy Oliver, o inimigo tornado aliado e líder da segunda equipa de Rangers.

315197366_10227665996546086_148566204398376495_n.j

Nascido a 4 de Setembro de 1973, Frank teve a sua grande oportunidade pouco mais ou menos duas décadas depois, quando foi seleccionado para interpretar o papel que o tornaria ídolo de milhares de crianças – embora não de imediato. De facto, as primeiras aparições de Tommy na trama da segunda temporada da série Mighty Morphin' foram como Ranger maléfico, controlado pela vilã Rita, e com 'robot' e monstros próprios ao seu dispôr; o deenrolar dessa primeira saga viu, no entanto, os jovens benfeitores libertarem o seu congénere verde dessa 'prisão', incorporando-o no seu grupo social e, mais tarde, na própria equipa, que o mesmo chegaria inclusivamente a liderar na temporada seguinte de Mighty Morphin', bem como na saga dos Rangers de outro planeta (Alien Rangers) e na temporada de continuação, Power Rangers Zeo. Foi durante este período que a popularidade do personagem – e, por arrasto, do actor – verdadeiramente explodiu entre a demografia-alvo do programa, obrigando inclusivamente a Saban a alterar vários dos seus planos para as diferentes séries, por forma a colocar a maioria do foco no novo integrante, entretanto 'promovido' do uniforme branco para outro, branco, e mais elaborado que o dos seus colegas de equipa, denotando o seu estatuto de líder.

Não se esgotou, aliás, aí o apelo de Tommy junto das crianças de todo o Mundo, sendo que o personagem viria, também, a desempenhar um papel de destaque na primeira série independente do universo Mighty Morphin', a controversa 'Power Rangers Turbo', onde assumiria o posto de Ranger vermelho, mantendo assim a sua posição de liderança também na nova equipa. Infelizmente, alguns desentendimentos com os produtores do programa levaram a que Frank deixasse a franquia após a conclusão desta série, em 1997, certamente deixando entristecida toda uma geração que o idolatrava.

main-qimg-d9db1673a3a4f9fa4df669f33f198fd8-lq.jpg

O actor como Ranger vermelho na série 'Power Rangers Turbo'

Apesar da pouca consideração que tinha pela Saban, que considerava, nas suas próprias palavras, 'forretas', Frank nunca se desvincularia totalmente da propriedade intelectual que o celebrizara, à qual regressaria cinco anos após o seu abandono, para um episódio especial de aniversário que reunia vários membros de equipas anteriores, entretanto extintas; dois anos depois, esta colaboração alargou-se a toda uma nova série, 'Power Rangers: Dino Thunder', onde surgiu primeiro no papel de mentor e conselheiro científico da equipa (à semelhança do personagem Billy na série origijnal) e, mais tarde, como o Ranger negro – o seu primeiro papel de 'coadjuvante' numa equipa da franquia.

Terminada esta nova série, no entanto, voltou a encerrar-se a parceria entre Frank e os criadores de Power Rangers, ainda que o actor nunca tenha deixado de comparecer a convenções e outros eventos do estilo organizados por fãs, bem como a fazer ocasionais aparições especiais, primeiro na série 'Super Megaforce', e depois no filme 'remake' de 2017 (embora aqui no papel de 'civil', e apenas como figurante). A sua principal ocupação, no entanto, passaram a ser as escolas de artes marciais que a fama como actor numa série do género lhe permitira abrir nos anos após o estrelato inicial, e que lhe valeram um lugar no Pátio da Fama da União Mundial de Karaté; anos mais tarde, Frank viria a aplicar esta experiência a uma carreira como lutador de MMA, que ajudou definitivamente a apagar a imagem de 'menino bonito' de cara lavada que adquirira vinte anos antes.

FiBqhgyVIAANc6D.jpg

Uma foto mais recente de Frank com o clássico uniforme verde.

Qualquer que fosse a opinião do actor sobre essa mesma fase da sua carreira, no entanto, é inegável que a carreira de Frank fica, indelevelmente, ligada à da franquia 'Power Rangers', da sombra da qual nunca se conseguiu verdadeiramente libertar; de facto, numa altura em que é anunciado oficialmente o seu falecimento, aos 49 anos, é na figura do Power Ranger branco - líder virtuoso da equipa de super-heróis, que tantas crianças da época (incluindo o autor deste blog, por volta dos seus onze anos de idade) teriam feito 'os impossíveis' para ser – que o seu nome e imagem ficam, para sempre, imortalizados. Que descanse em paz.

08.02.22

Porque nem só de séries se fazia o quotidiano televisivo das crianças portuguesas nos anos 90, em terças alternadas, este blog dá destaque a alguns dos outros programas que fizeram história durante aquela década.

Nota: Este post estava originalmente planeado para ser sobre a Arca de Noé, programa do qual análisamos os LP's de banda sonora no nosso último post. No entanto, a Maria Ana fez-nos chegar a informação de que se celebrou, na semana transacta, um aniversário marcante, suscitando-se assim uma mudança de tema; a Arca de Noé fica a próxima, e hoje celebraremos os 36 anos da criação do Vitinho. Obrigado, Maria Ana, pela informação!

A presença de mascotes variadas para tentar vender um produto, serviço, ou até ideia ou conceito ao público mais jovem não é nada de novo – dos vários bicharocos das caixas de cereais a criações mais inusitadas como o Luzinha, mascote da EDP durante parte dos anos 90, esta prática tem um longo e ilustre historial, tanto em Portugal como no estrangeiro.

Poucas são, no entanto, as mascotes que transcendem o produto a que são normalmente associadas e se tornam parte de uma vertente completamente diferente da cultura popular. O exemplo que vem imediatamente à memória será, talvez, o de Fido Dido, cuja popularidade eclipsou, nos anos 80 e 90, o seu estatuto de simples mascote da 7-Up; logo atrás do boneco monocromático, no entanto, virá concerteza (para quem foi criança naquela época, pelo menos) um outro, bastante mais jovem e de feições bem mais humanas, enfiado numas jardineiras três tamanhos acima,com chapéu de palha a condizer, e que foi presença constante não só nas caixas de papas para bebé que foi originalmente concebido para vender, mas também em fontes tão díspares quanto animações televisivas e sinais autocolantes de 'Bebé a Bordo' para colar nos retrovisor do carro.

xdgvgcfg.png

Falamos, é claro, do Vitinho, a carismática mascote infantil da Milupa que celebrou, no passado dia 2 de Fevereiro, os seus trinta e seis anos de criação – como se ainda fossem precisas mais provas de que estamos todos a ficar velhos...

Iniciava-se, efectivamente, o ano de 1986 quando o ilustrador José Maria Pimentel cria o menino agricultor de cabelo castanho, bochechas rosadas e roupa da cor daquilo que, presumivelmente, semeava – nomeadamente, o trigo de que eram feitas as papas infantis Miluvit, a que o boneco dava a cara. No entanto, e pese embora o sucesso de vendas do referido produto ao longo dos dez anos seguintes, não seria na qualidade de embaixador de papas de trigo que Vitinho ficaria imortalizado entre a juventude portuguesa das décadas de 80 e 90; pelo contrário, a verdadeira fama da criação de Pimentel seria adquirida no desempenho das suas outras funções – as de personagem principal de uma série de animações musicais transmitidas diariamente pela RTP como forma de marcar o início do seu horário nobre, e que foram, em parte, responsáveis por mandar toda uma geração de crianças para a cama.

A primeira, e mais famosa, animação do Vitinho, exibida ainda nos anos 80

No total, foram quatro as animações exibidas pela emissora estatal entre 1986 e 1997 – tempo suficiente para o personagem, e as respectivas cantigas, conquistarem um lugar no coração não só de quem nasceu nos anos 80, mas também dos seus irmãos e irmãs mais novos, já da década de 90. Para ambas estas sub-gerações, o Vitinho foi presença constante e infalível, noite após noite, servindo como uma espécie de 'sinal de alarme' para o facto de que o dia havia acabado, e era hora de iniciair os preparativos para a cama – para que, no dia seguinte, pudessem acordar frescos e bem-dispostos, prontos a comer um prato de Miluvit...

O personagem no seu 'ambiente natural' - um anúncio às papas Miluvit - em que também é revelado o seu 'sotaque' saloio

Sim, as animações genericamente conhecidas como 'Boa Noite, Vitinho' foram um dos primeiros – e melhores – exemplos de 'marketing sinergístico' em território nacional, sendo que o Miluvit não era mencionado uma única vez em nenhum dos quatro clips; a estratégia de marketing da Milupa consistia, pura e simplesmente, em tornar o seu personagem conhecido do público-alvo do seu produto.

E, nesse aspecto, a campanha foi estrondosamente bem-sucedida, tendo-se o Vitinho tornado a cara não só da banda sonora dos seus próprios anúncios (tanto á época como por ocasião do 30º aniversário dos mesmos), como de outras (de que é exemplo o primeiro LP da Arca de Noé), e ainda dos referidos autocolantes para o retrovisor e de um livro sobre os cereais, com textos de Maria Alberta Menéres, na altura uma das mais conceituadas autoras de literatura infanto-juvenil em Portugal. Claro que as vendas do Miluvit acabaram por também beneficiar de toda esta popularidade, embora, paradoxalmente, a maioria das crianças talvez pensasse que era a marca que tinha posto o boneco da televisão na sua caixa, e não o contrário.

Vitinho_-_Boa_noite_Vitinho!.jpg

Capa do primeiro LP com músicas do Vitinho, lançado em 1988

Quando, ao fim de onze anos, o percurso do mini-agricultor na consciência popular chegou finalmente ao fim (sensivelmente em simultâneo com a produção das papas que promovia), a presença de Vitinho na cultura portuguesa era tão enraizada que o mesmo deixou um 'buraco' que demorou mais de um ano a preencher – e, quando tal aconteceu, o produto proposto pela RTP foi substancialmente diferente.

A verdade é que, nos vinte anos subsequentes, não voltou a haver outra mascote nacional tão carismática como o Vitinho, nem tão-pouco outro produto mediático como as suas canções de 'embalar' animadas. Por esses motivos, e pela marca que deixou nas infâncias de todos nós, a mascote da Milupa merece bem os votos de parabéns que aqui lhe deixamos, por intermédio deste 'post'. Que contes muitos, Vitinho – e, como não podia deixar de ser, boa noite...

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub