Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

15.02.24

Os anos 90 viram surgir nas bancas muitas e boas revistas, não só dirigidas ao público jovem como também generalistas, mas de interesse para o mesmo. Nesta rubrica, recordamos alguns dos títulos mais marcantes dentro desse espectro.

Já aqui por diversas vezes nos referimos às décadas de 80, 90 e 2000 como a 'era de ouro' da imprensa portuguesa. De facto, e ao contrário do que sucede hoje em dia, o sector respirava saúde, permitindo tanto às editoras e distribuidoras como aos próprios profissionais do meio incorrer em certos riscos impossíveis e impensáveis em décadas anteriores ou subsequentes. Entre publicações absurdamente especializadas e outras que não teriam cabimento nem seriam possíveis em qualquer outra era, o mercado de periódicos português viu-se, durante o período em causa, 'inundado' por uma série de novos títulos, alguns dos quais perdurariam durante várias décadas, enquanto outros se extinguiriam após passagem curta mas fulgurante pelas bancas nacionais.

De entre este último grupo, há uma publicação que se destaca acima de todas as outras, sobretudo para os elementos da 'geração X', que eram precisamente da idade certa para a apreciar; uma revista saudosamente recordada pelo seu estilo gráfico e redactorial único (o qual é mesmo creditado como inspiração para o aparecimento, uma década depois da comunidade 'blogger') e pelo verdadeiro 'painel de honra' que constituía o seu núcleo redactorial. Falamos da revista 'K' (ou 'Kapa'), um periódico que deixou, em apenas três anos, o tipo de marca que, regra geral, leva o dobro do tempo a conseguir.

fotografia (4).jpg

A colecção pessoal da 'dona' do blogue 'Feridas & Calos'.

Fundada por Miguel Esteves Cardoso, logo no início da nova década, com o intuito de abordar tudo aquilo que as publicações já existentes não tinham coragem de abordar, a 'K' tinha como maior atractivo um elenco de colaboradores de luxo, que ia desde escritores como Agustina Bessa-Luís, Vasco Pulido Valente, Rui Zink ou o próprio Esteves Cardoso a artistas como Pedro Ayres de Magalhães, passando por figuras políticas como Paulo Portas (que mais tarde se juntaria a Esteves Cardoso para fundar o não menos mítico, mas bastante mais duradouro jornal 'O Independente') ou a mãe deste último, Helena Sacadura Cabral. Em comum, estas figuras tinham apenas o desejo de fundar uma revista iconoclasta, em que a alta e a baixa cultura se misturassem, e em que os gostos pessoais dos redactores e colunistas também tivessem lugar, em desafio directo às regras do bom jornalismo.

O resultado foi uma publicação, nas próprias palavras do seu primeiro editorial, 'mais comunicativa que informativa', cujo objectivo era pura e simplesmente ser lida, e cuja atitude franca e frontal quanto à sua missão editorial caiu, de imediato, no 'gosto' da então geração jovem, que se revia sobremaneira nos textos e grafismos irreverentes, e que apreciava a exploração de temas tendencialmente ostracizados pela imprensa tradicional, muitos deles tidos mesmo como tabu pela sociedade em geral; o preço de capa de trezentos escudos (mais tarde quatrocentos, e depois seiscentos e cinquenta) acabava, assim, por se poder considerar justo, face à riqueza e qualidade dos conteúdos veiculados em cada edição mensal.

Apesar do carácter inovador, e de ter de imediato encontrado a sua demografia, a 'K' não duraria nas bancas mais do que três anos, tendo o ano transacto marcado os trinta anos sobre a edição do seu último número; ainda assim, e apesar do 'vazio' deixado por uma revista ainda hoje inigualada, e muito à frente do seu tempo, aqueles que tiveram a sorte de conviver com a 'K' durante o seu tempo de vida não se escusarão a cantar loas à mesma, nem a ressalvar a sua importância para movimentos culturais e informacionais posteriores. Um marco geracional, portanto, bem merecedor de ser recordado nas páginas deste blog respeitante à década da sua publicação.

12.10.23

Os anos 90 viram surgir nas bancas muitas e boas revistas, não só dirigidas ao público jovem como também generalistas, mas de interesse para o mesmo. Nesta rubrica, recordamos alguns dos títulos mais marcantes dentro desse espectro.

Quando, há algum tempo, aqui relembrámos alguns dos jornais desaparecidos da imprensa portuguesa, deixámos de fora um, de certo modo até mais relevante do que os discutidos no 'post' em causa, e sobre cuja fundação se assinalaram em Maio último exactos quarenta anos. E apesar de o mesmo dificilmente ter, na altura, interessado ao público que lê este nosso espaço, seria ainda assim omisso deixar passar em claro tão importante data para uma publicação que marcou o espaço editorial e jornalístico português dos anos 90 e da primeira metade da década de 2000.

download.jpg

A primeira e última edições do semanário, entre as quais distam quase trinta anos.

Falamos d''O Independente', o histórico semanário fundado na Primavera de 1988 por Miguel Esteves Cardoso e Paulo Portas – este último ainda a alguns anos de se tornar figura de monta da esfera política nacional - e que, talvez pelo envolvimento dos nomes citados, punha considerável ênfase nos campos da cultura e da política. De facto, era sobretudo pela sua abordagem sócio-política que o jornal se destacava, sendo que fazia questão de apresentar uma postura mais conservadora e elitista, condicente com as sensibilidades de direita dos seus fundadores, mas, ao mesmo tempo, culta e com algum idealismo – uma descrição que, precisamente por parecer um contra-senso, ajudou 'O Independente' a demarcar-se de todos os restantes jornais publicados em Portugal à época, embora tenha também contribuído para lhe restringir a base de leitores aos proponentes de ideologias políticas e culturais semelhantes.

Apesar desse posicionamento declaradamente à direita do espectro político, o jornal notabilizou-se, também, pelos constantes e impiedosos ataques e denúncias ao governo então vigente, também ele de direita e presidido por Aníbal Cavaco Silva, que resultavam em constantes processos por difamação de carácter, muitos deles ganhos pelas personalidades visadas, pesem embora algumas importantes vitórias. Ainda assim, os dois fundadores acabaram por desempenhar papel crucial na queda do chamado 'cavaquismo', e no surgimento do CDS/PP como força de oposição ao PSD à direita – algo a que a maioria dos jovens portugueses da época terá ficado perfeitamente alheio, no seu mundo de desenhos animados, trabalhos de casa, actividades extra-curriculares e saídas com os familiares e amigos, mas que ajudou a moldar o panorama político nacional, tal como se apresenta nos dias de hoje.

Só essa contribuição já tornaria 'O Independente' parte importante do jornalismo português, mas o semanário não se ficava por aí, apresentando também um forte pendor cultural, e contando com colaboradores de renome nessa área, como Agustina Bessa-Luís, António Barreto, Maria Filomena Mónica, Rui Zink ou Pedro Ayres de Magalhães, muitos dos quais viriam, na mesma época, a fundar a revista-irmã do semanário em causa, a lendária 'K', que muito em breve aqui terá, também, o seu espaço.

No total, foram quase três as décadas de vida d''O Independente', que encerraria funções em 2006, após meia década de abrupto declínio de vendas e influência (os últimos exemplares venderam menos de dez mil cópias e contaram com apenas 1% de audiência.) Para a História ficava uma abordagem revolucionária (se bem que nem sempre consensual) ao jornalismo, e uma influência inaudita na esfera política do País – motivos mais que suficientes para que, mesmo com quase meio ano de atraso, celebremos os quarenta anos do maior semanário de finais do século XX em Portugal.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub