Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

27.07.21

A década de 90 viu surgirem e popularizarem-se algumas das mais mirabolantes inovações tecnológicas da segunda metade do século XX, muitas das quais foram aplicadas a jogos e brinquedos. Às terças, o Portugal Anos 90 recorda algumas das mais memoráveis a aterrar em terras lusitanas.

A passagem do ensino primário para o preparatório – ali por volta dos 10 anos – acarretava consigo uma série de mudanças, nomeadamente a nível das vivências. De repente, a escola tornava-se muito maior, as disciplinas subdividiam-se em blocos, e era preciso comprar oito ou nove livros em vez de um ou dois – isto já para não falar do restante material de apoio, que de repente também se desmultiplicava em dezenas de ‘quinquilharias’ que ocupavam espaço no estojo e na mochila.

Nos anos 90, em Portugal, uma das mais comuns – e também mais indispensáveis – de entre essas ‘quinquilharias’ era a boa da calculadora.

218610492.jpg

Um dos modelos mais comuns nas escolas portuguesas, neste caso da Casio.

Com a Matemática a complicar-se significativamente relativamente ao que se aprendia na primária, com cada vez mais letras e fórmulas a encherem as folhas quadriculadas, aquela pequena ‘caixinha’ preta que resolvia tudo ao premir de um botão tornava-se, no que à sala de aula diz respeito, na melhor amiga do aluno preparatório ou secundário.

Esta honra não cabia, no entanto, a qualquer calculadora vulgar; pelo contrário, as pequenas e básicas eram vistas como aquilo que eram – meros instrumentos utilitários, e mesmo assim, apenas num espectro limitado. Não, as verdadeiras ‘estrelas da companhia’ eram aquelas calculadoras – invariavelmente da Texas Instruments ou da Casio – que faziam tudo menos cantar e dançar (incluindo, segundo um popular mito urbano do recreio, jogar Super Mario.) Ele era desenhar gráficos, calcular equações e fórmulas hiper-complexas…enfim, um sem-número de funções capazes de causar fascínio, mesmo tendo a ver com algo tão mal-amado pela criança média como a Matemática. Isto porque, à época, ainda não era costume ver ‘gadgets’ que ‘fizessem tudo’ como estas calculadoras faziam – hoje em dia, essa pluralidade de funções num só aparelho eletrónico não mereceria um segundo olhar, mas nos anos 90, era suficiente para deixar a maioria dos ‘putos’ de boca aberta.

94143735_1500993615.jpg

Uma visão que fazia cair o queixo a muita criança dos anos 90.

Mas o ‘charme’ (e a utilidade) destas calculadoras não se ficava por aí; com as suas características ‘tampinhas’, eram também óptimas para cabular - quem se atrevesse, claro - e o formato dos números também era ideal para algumas brincadeiras (como a de multiplicar 1919 por dois e virar a calculadora ao contrário, formando a palavra ‘bébé’ devido ao formato quadradão dos algarismos 8, que os fazia parecerem letras B.) Enfim, um sem-fim de ‘rodriguinhos’ e detalhes que tornavam aquilo que seria um instrumento mundano e utilitário numa pequena caixinha de surpresas – uma tão marcante que é, ainda hoje, recordada por boa parte dos ‘miúdos’ daquele tempo que tiveram o privilégio de as utilizar…

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub