Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

01.10.22

As saídas de fim-de-semana eram um dos aspetos mais excitantes da vida de uma criança nos anos 90, que via aparecerem com alguma regularidade novos e excitantes locais para visitar. Em Sábados alternados (e, ocasionalmente, consecutivos), o Portugal Anos 90 recorda alguns dos melhores e mais marcantes de entre esses locais.

Numa das primeiras edições desta rubrica falámos dos 'shoppings', conceito 'importado' dos EUA que chegou a Portugal em meados da década a que este blog diz respeito; nesse artigo, falámos também, de passagem, dos 'Playcenters', espaços de lazer que algumas das referidas grandes superfícies incluíam entre as suas atracções. Esta semana, chega a vez de nos debruçarmos mais a fundo sobre esse autêntico 'chamariz' de 'malta jovem' existente em espaços como o Colombo e Vasco da Gama, em Lisboa, ou NorteShopping, no Porto.

download.jpg

A entrada do mítico Funcenter do Centro Comercial Colombo, em Lisboa

Inspirados, como os próprios espaços que os albergavam, num conceito estrangeiro – no caso, oriundo da América do Sul, onde vinham fazendo sucesso há já mais de uma década – os 'Playcenters' portugueses funcionavam de forma muito semelhante a esses seus antecessores: os visitantes adquiriam, à entrada, um cartão, o qual era carregado com um valor monetário e utilizado para aceder a qualquer atracção do parque, fosse uma máquina de 'arcade' ou a famosa pista de 'karts' do Playcenter do Colombo. Quando o dinheiro acabava, bastava voltar à recepção, efectuar novo carregamento, e continuar a divertir-se. Um conceito que, por vezes, fazia sentir a falta das tradicionais moedas (sobretudo para jogar nas 'máquinas') e 'fichas de carrossel' ao estilo das que se compravam nos divertimentos tradicionais, mas ao qual a juventude acabou por se adaptar, até por ser um sacrifício justo face ao que a maioria destes espaços oferecia.

E essa oferta era, precisamente, o grande motivo pelo qual qualquer jovem de finais da década de 90 queria visitar um 'Playcenter'. Das referidas máquinas de arcada aos 'karts', 'bowling' (também em alta à época) e até montanhas-russas (sim, dentro de portas!) estes espaços pareciam combinar o melhor dos salões de jogos e feiras populares, criando uma experiência que ninguém abaixo de uma certa idade queria deixar de viver em primeira mão.

Tal como tantos outros locais de 'romaria obrigatória' em finais do século XX e inícios do seguinte, no entanto, também os 'Playcenters' e 'fun centers' (a outra designação por que eram conhecidos) foram perdendo a sua relevância ao longo dos anos, não resistindo às mudanças no estilo de vida e interesses sociais das novas gerações, menos propensas a este tipo de Saída ao Sábado do que os seus pais ou irmãos mais velhos; ainda assim, o 'Funcenter' do Colombo (talvez o mais famoso exemplo deste tipo de espaço, e 'ex libris' de toda uma geração de jovens lusos) conseguiu aguentar-se até 2013, sendo um dos últimos espaços deste tipo a extinguir-se, após mais de década e meia de diversão. Apesar de totalmente desaparecidos, no entanto, este tipo de espaços ficará para sempre na memória de toda uma geração, que ali viveu momentos de emoção e diversão que tornavam a já de si entusiasmante ida ao shopping ainda mais aprazível.

03.09.22

Os Sábados marcam o início do fim-de-semana, altura que muitas crianças aproveitam para sair e brincar na rua ou no parque. Nos anos 90, esta situação não era diferente, com o atrativo adicional de, naquela época, a miudagem disfrutar de muitos e bons complementos a estas brincadeiras. Em Sábados alternados, este blog vai recordar os mais memoráveis de entre os brinquedos, acessórios e jogos de exterior disponíveis naquela década.

As primeiras edições desta rubrica foram dedicadas a alguns dos mais populares meios de locomoção assistida entre o público infanto-juvenil da época, como as bicicletas BMX, os skates ou os patins em linha; concomitantemente a todos eles, no entanto, existia um outro 'meio de transporte' que, não sendo tão generalizado como os acima referidos, não deixava de proporcionar excelentes Sábados aos Saltos a quem o possuía.

bdccb95635b0f0e1c9739a02743d8055.jpg

Um modelo clássico do brinquedo em causa, que poderia perfeitamente ter pertencido a qualquer criança de finais do século XX

Falamos dos 'karts' a pedal, veículos ainda hoje populares em certas partes do Mundo (como a América do Sul) e que também chegaram a ter o seu 'momento ao sol' em Portugal, em finais dos anos 80 e inícios de 90 – embora, conforme já referimos, em muito menor escala do que os seus congéneres, presumivelmente devido ao preço mais elevado.

De funcionamento semelhante ao de uma bicicleta (ou, pelo número de rodas, um triciclo), mas com os pedais colocados na frente (nas posições em que, normalmente, estariam o acelerador e travão de um kart eléctrico ou a motor) estes veículos constituíam - até à chegada dos Playcenters de 'shopping' e respectivas pistas de 'karts 'a sério' - a melhor (e única...) opção para quem queria simular a emoção de uma corrida deste tipo no seu quintal, pátio, ou até na rua; no entanto, a falta de velocidade por comparação a uma bicicleta ou até a uns patins, bem como a maior complexidade e lentidão da manobra, poderão ter jogado contra os 'karts' a pedal no tocante a popularidade - o que, aliado ao já referido preço algo elevado, terá contribuído para que poucas crianças da época tivessem conseguido (ou, até, querido) desfrutar da experiência de conduzir um destes veículos. Uma pena, já que os 'karts' a pedal poderiam perfeitamente (e talvez até merecessem) ter tido uma palavra a dizer no mercado da locomoção divertida de finais do século XX, e ter sido bem mais do que os 'parentes pobres' dos outros veículos mencionados ao longo deste texto.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub