Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

05.12.22

Em Segundas alternadas, o Anos 90 recorda algumas das séries mais marcantes para os miúdos daquela década, sejam animadas ou de acção real.

Apesar de inspirar e servir de tema a inúmeros filmes e especiais televisivos, o Natal teve, ao longo dos anos, muitíssimo poucas séries completas a ele dedicadas; talvez pela dificuldade em manter o interesse das audiências nesta época muito específica do ano em meses menos festivos, escasseiam os exemplos de programas – sejam de acção real ou em desenho animado – com o Pólo Norte ou a época das festas como pano de fundo. Mesmo a época 'áurea' para este tipo de conteúdo a que este blog diz respeito apenas rendeu um exemplo totalmente tematizado no período natalino (de que falaremos na Segunda de Séries mais próxima da festa em si) e um outro que, sem ser dedicamente natalício, tinha o Pai Natal como personagem recorrente, e um antagonista que pretendia tomar o lugar do bom velhinho; é sobre esta última que nos debruçaremos esta semana.

Baby_Follies_title_card.jpg

Trata-se de 'Bebés em Festa' (no original, 'Baby Folies') série animada francesa produzida em 1993 e transmitida nos dois canais da televisão estatal, em versão dobrada, a partir de 1996. Como o próprio nome indica, o programa debruça-se sobre as aventuras e desventuras dos habitantes de Vila Bebé, a localidade onde os bebés esperam pela cegonha que os levará aos futuros pais; no entrementes, os rebentos (que, apesar de ainda não terem tecnicamente nascido, já andam e falam, entre outras acções) desfrutam de uma sociedade totalmente funcional, com presidente da câmara, bares de 'leitinho', forças da lei, empresários, tecnocratas, detectives privados e até 'gangsters' ao estilo Al Capone, sem esquecer a 'menina' da praxe (a série segue, aliás, a 'fórmula Estrumpfe', sendo a Bebé Lauren uma das poucas personagens femininas, a par da Bebé Executiva.) E como se este conceito não fosse, já em si, suficientemente bizarro, os bebés têm, ainda, interacções frequentes com o Pai Natal (que surge mesmo 'fora de época') e com o malvado Scrogneugneu, um mago cujo objectivo máximo é tornar-se 'Pai Natal em vez do Pai Natal' - uma mistura algo aleatória de elementos que acaba, no entanto,por resultar.

Não que 'Bebés em Festa' seja uma série de particular destaque a nível técnico ou de enredos – pelo contrário, muitas das aventuras vividas pelos personagens (como a que apresentamos abaixo) poderiam perfeitamente ser transpostas para um contexto adulto sem que nada excepto alguns elementos superficiais se alterasse; nesse aspecto, o programa fica muito atrás do concorrente mais directo, 'Rugrats – Os Meninos de Coro', que tira o máximo proveito das potencialidades de um elenco composto por bebés (e a vontade de ver 'Rugrats' fica, ainda, exacerbada pela presença de algumas das vozes que davam vida a Tommy, Chucky e amigos em Portugal, aqui em papéis bem menos desafiantes, interessantes ou memoráveis.)

No entanto, para aquilo que é - entretenimento infantil descartável e sem pretensões à imortalidade nostálgica - 'Bebés em Festa' resulta, ainda que (como o excerto abaixo também demonstra) não seja tão inocente quanto à primeira vista parece, contendo elementos que apenas uma companhia europeia se atreveria a inserir num programa infantil – como se não bastasse o 'rebolado' da Bebé Lauren, o único excerto disponívell no YouTube mostra um enredo focado no vício do jogo (!) com personagens supostamente honestos a roubarem cofres (!!) e até uma cena que se pode interpretar como levemente racista para com o único bebé negro (!!!). Detalhes que terão, decerto, 'passado por cima da cabeça' do público-alvo da época, mas capazes de arrepiar qualquer produtor televisivo dos dias que correm.

Excerto de um episódio que apresenta alguns elementos surpreendentemente 'adultos'

Em última instância, no entanto, nem mesmo estes pormenores algo inesperados e chocantes chegam para tirar 'Bebés em Festa' da mediania, sendo o único elemento verdadeiramente longevo o tema de abertura, um daqueles que ainda se recordam literais décadas depois de o programa sair do ar; no restante, a série merece destaque apenas por ser uma das poucas que incorpora o Natal no seu conceito-base a tempo inteiro, ficando bastante aquém da maioria dos outros produtos nostálgicos de que aqui vimos falando desde o início deste 'blog' – bem como de outro, de conceito semelhante, que aqui paulatinamente abordaremos. Ainda assim, numa época que peca pela falta de foco ao nível das séries, esta produção francesa sempre vai sendo das poucas a 'dar o corpo à causa', fazendo assim por merecer estas breves linhas de destaque neste início de época festiva.

O contagiante genérico da série sobrevive mesmo a uma qualidade de som praticamente inexistente.

 

 

28.11.22

Qualquer jovem é, inevitavelmente, influenciado pela música que ouve – e nos anos 90, havia muito por onde escolher. Em segundas alternadas, exploramos aqui alguns dos muitos artistas e géneros que faziam sucesso entre as crianças daquela época.

Apesar de a música ter, pelo menos nas últimas décadas, uma relação simbiótica com certos aspectos do desporto, e do futebol em particular (basta lembrar os eternos 'cânticos' entoados a plenos pulmões por qualquer grupo semi-organizado de adeptos, e muitas vezes baseados em verdadeiros êxitos radiofónicos) foi apenas na ponta final do século XX que esse mesmo laço começou a ser explorado, primeiro através de singles entoados pelos próprios artistas (e, invariavelmente, algo embaraçosos), depois de álbuns de temas alusivos ao desporto-rei e, finalmente, através da incorporação de temas especialmente compostos para competições específicas. E a verdade é que o primeiro exemplo desta última categoria provou, desde logo, a validade desta última experiência, afirmando-se como um sucesso transversal tanto ao reduto desportivo como ao mercado 'pop' mais alargado.

Falamos de 'La Copa de La Vida' (também muitas vezes conhecida como 'The Cup of Life' ou simplesmente 'Allez, Allez, Allez') canção 'feita por encomenda' para o Mundial de França '98, e que ajudou a cimentar o seu intérprete, Ricky Martin, enquanto 'pop star' de apelo internacional, depois de a anterior 'Maria' o ter dado a conhecer ao Mundo. E a verdade é que esse êxito e fama foram bem merecidos, já que 'The Cup of Life' é uma daquelas 'malhas' irresistíveis e intemporais, que mesmo quem não a ouve há anos consegue trautear (não haverá, certamente, quem tenha ouvido esta faixa e não se lembre, pelo menos, do refrão 'Go, go, go, allez, allez, allez!'). Grande parte desse apelo deriva, precisamente, da intepretação entusiástica de Martin, um porto-riquenho sem qualquer razão de interesse no campeonato em causa (onde nem a sua selecção nem a dos EUA competiam) mas que não deixa por isso de 'dar o litro', aliando-se à 'gingada' e contagiante batida latina (que remete ao desporto-rei através do uso de apitos na faixa instrumental) para transmitir a emoção e paixão inerentes a qualquer competição desportiva, e ainda mais à maior prova futebolística a nível internacional.

The_Cup_of_Life_cover.png

A capa do single da música.

Não é, pois, de estranhar que a referida música tenha tido 'vida' muito para lá do final do campeonato para a qual foi concebida, não só gozando de uma saudável presença nos 'tops' musicais da época como continuando a ser apreciada e até descoberta até aos dias que correm, afirmando-se como um dos melhores exemplos do poder de que um produto 'sinergístico' e 'trans-média' pode gozar, quando o seu processo de criação envolve mais coração do que calculismo – um pouco como acontece, aliás, com o próprio desporto a que alude...

 

29.10.22

As saídas de fim-de-semana eram um dos aspetos mais excitantes da vida de uma criança nos anos 90, que via aparecerem com alguma regularidade novos e excitantes locais para visitar. Em Sábados alternados (e, ocasionalmente, consecutivos), o Portugal Anos 90 recorda alguns dos melhores e mais marcantes de entre esses locais.

Nos anos 90, quando as viagens internacionais estavam longe de apresentar as mesmas facilidades do que na actualidade, umas férias no estrangeiro pouco passavam de uma ambição (ou miragem) para muitas crianças e jovens portugueses; os mais 'sortudos' talvez fossem até Espanha, os mais ricos esquiar a França, mas no cômputo geral, os períodos de lazer da geração que cresceu em finais do século XX tendiam a desenrolar-se 'dentro de portas', em destinos como a Serra da Estrela, o Alentejo ou o sempre popular Algarve. Tal não impedia, no entanto, a dita geração de sonhar, e um dos maiores sonhos para qualquer 'puto' que tivesse a idade certa em inícios dos anos 90 era visitar um dos dois grandes parques temáticos da altura, curiosamente, ambos localizados em França; e se de um deles (o Parque Astérix) já aqui falámos na última Saída de Sábado, chega esta semana a altura de recordarmos o outro, talvez 'O' destino de sonho por excelência dos jovens portugueses da época – a Eurodisney.

11.jpg

Fundado com 'pompa e circunstância' há pouco mais de trinta anos, a 12 de Abril de 1992, o parque hoje conhecido como Disneyland Paris foi um sucesso quase instantâneo, quer entre a juventude local, quer entre as dos países vizinhos, para quem a ligação à perenemente popular companhia do Rato Mickey, aliada à variada gama de atracções e 'zonas' propostas pelo recinto, serviam como principal chamariz. Em Portugal, em concreto, esse desejo foi, ainda, exacerbado por um conjunto de artigos incluídos, no ano seguinte, nos primeiros números da recém-lançada revista Super Jovem, em que os apresentadores do também mega-popular programa 'Clube Disney' visitavam as diferentes áreas (uma por edição) dando a conhecer as suas principais atracções.

94889694_572212310071735_6310106697914384384_n.jpg

Ilustração de época que dava a conhecer todas as diferentes zonas e atracções do parque

A verdade, no entanto, é que o preço proibitivo não só da viagem até França como também da própria entrada na Eurodisney – ou não fosse a mesma um parque Disney, categoria conhecida pelas quantias exorbitantes pedidas por todo e qualquer bem ou serviço – colocavam uma ida à mesma fora do alcance da maioria das crianças portuguesas, sendo poucas (ainda que existentes) as famílias dispostas a fazer o sacrifício económico necessário para proporcionar essa experiência aos seus filhos; assim, para a quase totalidade dos jovens da época, a Eurodisney continuava (e continuou) a resumir-se a um simples sonho, representado em fotografias, alguma ou outra peça videográfica mostrada na televisão - a única maneira de ver imagens em movimento na época pré-YouTube – e ocasional brinde ou produto licenciado. Já quem foi, não deixou certamente de ser alvo de inveja extrema por parte dos colegas, e 'rei' (ou 'rainha') do recreio durante pelo menos o tempo que levou a resumir e relatar a experiência.

Hoje em dia – graças quer à relativa liberdade de movimentos descrita no início deste texto, quer ao próprio declínio de popularidade do parque – a Eurodisney é 'apenas' mais um destino de férias, muito longe da desejabilidade dos seus congéneres norte-americanos, ou de outros parques em outros locais do planeta; quem 'esteve lá' durante os primeiros anos da atracção, no entanto, decerto se recordará do entusiasmo que a mesma causava entre toda uma geração de jovens fãs dos eternos personagens de desenhos animados e BD da Disney, para quem poucas coisas se afiguravam tão desejáveis como uma semana de férias naquele local de sonho nos arredores de Paris...

15.10.22

As saídas de fim-de-semana eram um dos aspetos mais excitantes da vida de uma criança nos anos 90, que via aparecerem com alguma regularidade novos e excitantes locais para visitar. Em Sábados alternados (e, ocasionalmente, consecutivos), o Portugal Anos 90 recorda alguns dos melhores e mais marcantes de entre esses locais.

Durante a passada semana, temos aqui vindo a falar do herói de BD franco-belga Astérix, personagem criado em finais dos anos 50, mas que quatro décadas depois gozou de um ressurgimento de popularidade em vários países, incluindo Portugal; e depois de já aqui termos analisado os álbuns, filmes, jogos de vídeo, jogos de tabuleiro e até sumos de frutas alusivos ao guerreiro gaulês lançados durante essa época, nada melhor do que terminar esta pequena incursão temática com uma alusão a um local que – apesar de não ficar situado em Portugal, e muito menos ser uma Saída de Sábado frequente – constituía uma de duas ou três atracções estrangeiras que qualquer jovem português dos anos 90 sonharia poder visitar.

15258443730_9ac46e12cb_b.jpg

A entrada do Parque

Falamos do Parque Astérix, inaugurado em 1989 (mesmo a tempo de ter impacto sobre a geração que lê este blog) no Norte de França - sensivelmente no mesmo local onde a verdadeira aldeia gaulesa teria ficado situada, segundo o clássico mapa apresentado no início de todos os álbuns de Astérix - e ainda hoje extremamente popular, afirmando-se como o segundo maior parque temático da França (apenas atrás de outro destino mítico de que aqui paulatinamente falaremos) e contando com cerca de 2.3 milhões de visitantes por ano. As razões para tal sucesso são óbvias, sendo que o parque não só se baseia num 'herói de culto' do país onde se localiza, como também oferece uma enorme variedade de atracções, com destaque para as diversas montanhas-russas baseadas em diferentes culturas antigas (o espectáculo de golfinhos, semelhante ao existente no Jardim Zoológico de Lisboa, foi recentemente descontinuado). De facto, a popularidade do parque é tal que até mesmo a abertura do 'outro' grande parque temático, na região de Paris, apenas causou uma queda temporária no volume de visitas ao local no ano imediato, tendo as mesmas rapidamente voltado a estabilizar em números mais do que honrosos.

pax_rdr.jpg

O Parque é conhecido pela sua variedade de montanhas-russas tematizadas

Ainda assim, o Parque Astérix não ficou imune a controvérsias, destacando-se duas, já no novo milénio, que resultaram no falecimento de duas crianças, uma de onze anos e a outra de apenas seis, tendo esta última sido vítima de um acidente muito semelhante ao que levara ao encerramento do Aquaparque português, uma década antes. Ainda assim, tendo em conta o elevado número de atracções com base na velocidade e altura, o nível de segurança do Parque como um todo não deixa de ser louvável, tornando-o uma opção extremamente segura para os fãs da adrenalina. E ainda que, hoje em dia, muita da sua mística se tenha esbatido, não deixa de ser fácil ver porque é que esta atracção a cerca de quarenta minutos de Paris causava tanto entusiasmo entre os jovens fãs dos irredutíveis gauleses de finais do século XX, e tornava automaticamente quem tinha a sorte de a visitar num 'herói' do recreio, invejado pelos colegas cuja viagem à Gália Antiga ficava limitada às páginas dos álbuns de BD...

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub