Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

17.07.21

NOTA: Este post corresponde a Sexta-feira, 16 de Julho de 2021.

Os anos 90 estiveram entre as melhores décadas no que toca à produção de filmes de interesse para crianças e jovens. Às sextas, recordamos aqui alguns dos mais marcantes.

 

E porque esta semana marca a estreia da sequela de Space Jam - com LeBron James no lugar do seu homólogo dos anos 90, Michael Jordan – nada melhor do que dedicar algumas linhas a recordar o original, estreado há quase exactamente vinte e cinco anos (em Novembro de 1996) e que conseguiu a proeza de se manter popular e relevante desde essa altura, justificando o investimento numa sequela, mesmo tantos anos depois.

Spcejam.jpg

Essa popularidade continuada é – pelo menos para a geração que era da idade certa aquando da estreia do filme – bastante fácil de explicar; afinal, só quem viveu aquele momento da História consegue perceber o quão atrativa era a ideia de ter Michael Jordan e Bugs Bunny a contracenar no mesmo filme. Aquela que foi a primeira ‘mega-estrela’ do basquetebol norte-americano estava em plena alta de popularidade, graças às suas inacreditáveis exibições ao comando da ‘Dream Team’ dos Bulls e da Selecção Nacional norte-americana, enquanto o líder dos Looney Tunes é daquelas figuras perpetuamente populares entre os fãs de desenhos animados, muito graças às frequentes repetições das suas clássicas ‘curtas’ em canais de televisão por esse Mundo fora; assim, juntar os dois numa mesma produção tinha tudo para dar certo. E deu.

A história de Space Jam é, objectivamente, algo parva; uma raça de ‘aliens’ pretende raptar os Looney Tunes para os usar como atracção principal no seu parque de diversões espacial, e a ‘troupe’ animada decide confundi-los, apostando a sua liberdade num jogo de basquete, um conceito perfeitamente desconhecido para os pequenos seres espaciais (os quais não primam pela proeza física, assemelhando-se, mais do que nada, a pequenas lagartas de olhos grandes.) Um plano que teria tudo para dar certo – não fora o facto de os extraterrestres conseguirem roubar os talentos de alguns dos principais jogadores da NBA, com os quais se transformam em literais ‘monstros de esteròides’, bem maiores e mais poderosos do que os Tunes. A última esperança para Bugs Bunny e companhia – aqui aumentada com a adição da recém-chegada ‘craque’ e futura namorada de Bugs, Lola Bunny - reside, pois, numa ex-super-estrela do desporto, a qual se havia retirado do basquete para se dedicar ao beisebol – Michael Jordan, claro. Um rapto bem 'animado’ mais tarde, o prodígio dos Chicago Bulls vê-se convertido em capitão da auto-intitulada TuneSquad, e envolvido num desafio em que, por uma vez na sua carreira, não é favorito…

Uma premissa algo tola, portanto, e que serve, mais que nada, de pretexto para juntar as duas ‘estrelas’ do filme – bem como vários dos mais conhecidos jogadores da NBA à época, de Muggsy Bogues a Charles Barkley, Patrick Ewing, Shawn Bradley e Larry Johnson, os quais alinham numa bem-humorada sátira ao seu próprio estatuto, fingindo ter perdido as suas habilidades e ‘desaprendido’ a jogar basquetebol. ‘Space Jam’ conta, ainda, com Bill Murray, Theresa Randle e Wayne Knight em papéis de apoio, dando ao filme um elenco de luxo, bem acima do que seria expectável para uma produção deste tipo.

A intenção de criar algo que respeitasse o público-alvo não se fica, no entanto, pelo elenco e interpretações; apesar do argumento algo tonto, o filme conta com uma excelente banda sonora (a começar pelo tema-título, e passando pelo entretanto infame ‘I Believe I Can Fly’, de R. Kelly) e tem o cuidado de retratar os Looney Tunes exactamente como os conhecemos, sem quaisquer concessões ao politicamente correcto – tirando, talvez, o facto de Bugs Bunny nunca se vestir de mulher. De resto, e apesar do novo ‘look’ assistido por CGI, a turma animada aparece igual a si própria, com muitas ‘gags’ absurdas (incluindo uma no famoso lance final do jogo decisivo) e literalmente explosivas, assegurando que – ao contrário do infame filme de Tom e Jerry, lançado alguns anos antes – quem conhecesse os Looney Tunes não sairia defraudado do cinema.

As cenas de jogo contêm muitas das melhores 'gags' do filme

O resultado foi, previsivelmente, um sucesso de bilheteira, que reavivou o interesse nos Looney Tunes, e justificou o lançamento de vários novos produtos alusivos a Bugs e companhia, agora, previsivelmente, com o seu novo ‘look’ e equipados à basquetebol; entre os mais memoráveis encontravam-se um jogo para PlayStation (basicamente um 'NBA Jam', mas com os Looney Tunes no lugar dos jogadores cabeçudos) e o relançamento, em formato VHS, de vários episódios clássicos de cada um dos principais personagens, com uma nova dobragem em português, sob a denominação ‘Estrelas do Space Jam’.

Capture.PNG

Um volume da colecção 'Estrelas do Space Jam', focada no personagem de Marvin, o Marciano

Nada de muito surpreendente – não fosse o facto de o ‘merchandise’ alusivo ao filme ter continuado a vender (e bem) durante as duas décadas seguintes (ainda em 2018-2019, o Primark lançava uma t-shirt alusiva ao filme, destinada a um público-alvo que mal era nascido quando o filme estreou!) Um caso de popularidade apenas explicável pelo facto de este filme aparentemente menor ter sido passado de irmãos para irmãos e de pais para filhos, beneficiando da nostalgia prevalente pela década de 1990 para se manter ‘nas bocas do povo’.

m_5d47204eb146cc66d6e2a4e1.jpg

T-shirt alusiva ao filme, lançada pela Primark mais de uma década após a estreia do mesmo

Seja qual for o motivo por detrás da intemporalidade de um filme que, teoricamente, só funcionaria no contexto específico em que foi lançado, a verdade é que ‘Space Jam’ a merece – por muito que a Internet queira fazer dele ‘bombo de festa’, a verdade é que se continua a tratar de uma excelente obra para toda a família, com muita diversão, momentos memoráveis, uma boa mensagem, e aquele tipo de violência animada que nunca sai de moda, por muito politicamente correcto que o Mundo se torne. Seria uma pena, portanto, se a recém-estreada sequela destruísse o consenso que o original ainda hoje consegue reunir – embora, a julgar pelas primeiras críticas, seja exactamente isso que se vá passar. Resta o consolo de, pelo menos, ainda termos o original para nos relembrar de que, na verdade, esta fórmula pode ser executada, mais do que correctamente, com louvor e distinção. ‘COME ON AND SLAM! AND WELCOME TO THE JAM!’

 

19.06.21

NOTA: Este post corresponde a Sexta-feira, 18 de Junho de 2021.

Os anos 90 estiveram entre as melhores décadas no que toca à produção de filmes de interesse para crianças e jovens. Às sextas, recordamos aqui alguns dos mais marcantes.

 O futebol não é, exactamente, uma temática muito comum em filmes de longa-metragem. Em parte, tal deve-se ao facto de a maioria deles ser produzida nos Estados Unidos, onde o ‘soccer’ é visto como uma coisa mais de crianças (e de nicho) e onde ‘football’ designa um desporto completamente diferente; não é, portanto, de surpreender que eles prefiram falar do ‘football’ ‘deles’ do que do ‘nosso’,

O que é mais surpreendente é terem, também, havido tão poucos filmes europeus sobre aquele que é o desporto mais popular do Velho Continente. O novo milénio contribuiu para a ‘causa’ com a trilogia ‘Goal’, e houve um ou outro filme independente sobre o tema, mas em geral, a referência do género continua a ser americana, e tem já cerca de cinco décadas (‘Fuga Para a Vitória’, que nem sequer é verdadeiramente um filme ‘de futebol’).

A situação agrava-se ainda mais ao analisar os anos 90 da perspectiva de um mini-adepto de futebol que desejasse ver o desporto reproduzido no ecrã gigante. Havia ‘Se A Minha Cama Voasse’, é verdade – mas, de resto, os poucos filmes infantis em que o desporto era abordado, como ‘The Big Green’ ou ‘Switching Goals’, ou nunca chegavam a Portugal, ou se perdiam no circuito de video, onde seriam vistos apenas por acaso, se a criança visse a cassette no clube de vídeo e a capa lhe agradasse.

MV5BNmY4NWVkM2UtY2FkZC00NWJiLTg5N2EtYzk4NjJkMGE0Yz

Poster de 'The Big Green'

Para adeptos mais velhos, a situação não era muito melhor, existindo, em toda a década de 90, apenas dois filmes com a temática futebolística dignos de destaque.

O primeiro é ‘Amor em Jogo’ (‘Fever Pitch’), de 1997, e que se diz inspirado no livro do mesmo nome, que revelou o escritor Nick Hornby; no entanto, as semelhanças entre filme e livro resumem-se a alguns pormenores e cenas, não aproveitando o longa-metragem quase nada da obra autobiográfica de Hornby que supostamente lhe serve de inspiração.

Assim, seguimos no filme a saga de Paul Ashworth (Colin Firth), um fanático por futebol (é, inclusivamente, treinador da equipa da escola) que se vê obrigado a redefinir prioridades quando inicia uma relação com a nova colega Sarah Hughes (Ruth Gemmell). Seguem-se as habituais peripécias, enquanto Paul tenta balancear os seus ‘dois amores’, não sendo o final tão feliz quanto se poderia esperar num filme deste tipo. Um bom ‘filme de Sábado à tatde’, que inclusivamente foi objecto de um ‘remake’ americano, em que o casal romântico é interpretado por Jimmy Fallon e Drew Barrymore, e o desporto em foco passa a ser o muito mais americano beisebol.

Trailer da versão original (britânica) de 'Fever Pitch - Amor em Jogo'

O único outro filme sobre o desporto-rei digno de nota durante os anos 90 é ‘When Saturday Comes’, de 1996. Nele, um Sean Bean bastante mais magro do que é hábito interpreta Jimmy Muir um futebolista amador que é alvo de prospecção por do Sheffield United, e tem de lidar com essa mudança de paradigma.

Trailer de 'When Saturday Comes'

De resto, há muito pouco – além dos supracitados ‘Switching Goals’ (com Mary-Kate e Ashley Olsen) e ‘The Big Green’ (uma divertida comédia infantil nos moldes de ‘The Mighty Ducks’, ‘Little Giants’ ou ‘The Bad News Bears’) o único outro filme é ‘Ladybugs’, com Rodney Dangerfield, uma comédia absurda sobre uma equipa de futebol feminino, bem típica da época, a qual talvez encontrasse público entre os mais novos, mas não era abertamente dirigida a estes. Muito, mas mesmo muito pouco, quando comparado à oferta relativa ao ‘outro’ futebol, que na mesma época, incluía ‘Rudy’ e ‘Little Giants’, entre outros…

Ladybugs_poster.jpg

O poster de 'Ladybugs'

Ainda assim, por pouco que representassem, vale a pena, e época de Europeu, relembrar estes filmes da ‘nossa’ década dedicados ao desporto-rei…

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub