Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

20.04.24

As saídas de fim-de-semana eram um dos aspetos mais excitantes da vida de uma criança nos anos 90, que via aparecerem com alguma regularidade novos e excitantes locais para visitar. Em Sábados alternados (e, ocasionalmente, consecutivos), o Portugal Anos 90 recorda alguns dos melhores e mais marcantes de entre esses locais e momentos.

Na última edição das Sextas com Style, falámos das 'pulseiras da sorte' brasileiras, um marco do visual jovem nos anos da viragem do Milénio; nada melhor, pois, do que, num Sábado de sol e calor, realizarmos uma Saída até aos espaços onde estas e outras peças podiam ser encontradas: as feiras de artesanato.

mercado-artesanato-754x394.jpg

Um mercado do género, no Porto.

Realizadas de Norte a Sul do País ao longo de todo o ano - sobretudo nos meses de Verão, quando podiam ser organizadas no exterior – e, muitas vezes, até permanentes, este tipo de feiras ofereciam uma excelente forma de 'matar' alguns minutos, ou até horas, numa tarde de fim-de-semana. Isto porque, quer se acabasse ou não por adquirir alguma coisa, era sempre agradável passear entre as bancas e simplesmente admirar os produtos em exposição, fossem eles as referidas pulseiras e outros adereços, muitas vezes criados à mão no próprio local, ou algo mais complexo, como objectos em couro ou madeira, muitos deles tradicionais de países africanos, asiáticos ou do médio oriente (embora nem sempre exactamente artesanais), e vendidos por naturais dessas mesmas regiões, o que permitia também ficar a conhecer outras culturas e a sua arte de forma relativamente em conta.

Quer se fosse lá apenas comprar adereços ou usufruir desta vertente mais expositiva e cultural, no entanto, as feiras de artesanato eram, e continuam a ser, uma aposta segura para uma Saída de Sábado simples e capaz de entreter toda a família. De facto, embora algo diferentes das suas 'versões' de alturas da viragem do Milénio, este tipo de eventos continua a ter, regularmente, lugar um pouco por todo o território nacional, permitindo aos mesmos homens e mulheres que os visitaram enquanto jovens proporcionar aos seus próprios filhos, familiares ou amigos mais novos uma experiência semelhante à que terão vivido quando eles próprios eram crianças, e manter viva a prática das vendas de artesanato de rua em fins-de-semana de sol.

18.06.23

NOTA: Este post é respeitante a Sábado, 17 de Junho de 2023.

As saídas de fim-de-semana eram um dos aspetos mais excitantes da vida de uma criança nos anos 90, que via aparecerem com alguma regularidade novos e excitantes locais para visitar. Em Sábados alternados (e, ocasionalmente, consecutivos), o Portugal Anos 90 recorda alguns dos melhores e mais marcantes de entre esses locais e momentos.

Numa edição recente desta rubrica, falámos das feiras de diversões itinerantes, que surgiam numa área a determinada altura do ano e ali permaneciam durante algumas semanas, dando aos habitantes da região a possibilidade de gozarem a 'experiência de feira' antes de a mesma seguir caminho rumo a novas paragens. No entanto, os habitantes de certas partes do País podiam,em finais do século XX, usufruir dessa mesma experiência a 'tempo inteiro', mediante a visita a um dos poucos, mas ainda assim existentes, parques de diversões 'fixos' em território nacional.

img_432x244$2016_11_04_18_29_00_574024.jpg

O icónico frontispício da Feira Popular

O exemplo mais óbvio deste tipo de recinto era, obviamente, a Feira Popular de Lisboa, de onde deriva o nome ainda hoje informalmente utilizado para todos os parques deste tipo, e onde também 'aterrava' anualmente um dos Circos de Natal da capital. Este foi um espaço que deixou saudades aquando do seu encerramento em inícios do século XX, dada a forma como combinava, num só recinto, as diversões habituais de um parque de diversões – como o comboio-fantasma, a montanha-russa, a roda gigante ou as barraquinhas de jogos de habilidade 'a prémio' – um sem-número de salões de jogos equipados com a 'nata' dos videojogos de arcada noventistas (além das tradicionais máquinas de 'garra') os tradicionais fornecedores de churros e outras iguarias altamente calóricas, e ainda alguns divertimentos mais elaborados, como os 'Póneis Vivos' – operação extremamente problemática do ponto de vista da crueldade animal, mas que, à época, fazia as delícias dos mais pequenos – ou a 'Casa do Terror', uma mansão 'assombrada' por actores de carne e osso, e inspirada num conceito popularizado nos parques temáticos Disney. Tudo isto pelo preço de um só bilhete, ainda que – talvez evidentemente – fosse depois também necessário pagar por certas diversões, bem como pelas máquinas de jogo e comes e bebes, o que tornava a visita algo dispendiosa e a colocava na categoria de 'Saída de Sábado especial', por oposição a algo corriqueiro.

download (1).jpg

Vista panorâmica da antiga Feira.

Ainda assim, quem visitou na infância esse marco da antiga cidade de Lisboa, situado na zona de Entrecampos-Campo Grande, certamente guardará dele boas memórias nostálgicas, e sentirá um aperto no coração ao vê-lo, hoje, transformado num descampado para sempre à espera que um suposto projecto de renovação 'saia do papel'...

Ainda na zona de Lisboa, e 'acoplado' a outra atracção especial que em breve aqui merecerá a nossa atenção – o Jardim Zoológico – existia, também, uma mini-feira, inicialmente constituída apenas por um carrossel, carrinhos de choque, casas em miniatura e os habituais jogos de habilidade e videojogos, e mais tarde expandida para incluir também o tradicional 'barco pirata' oscilante, e a tradicional diversão em que os participantes deslizavam, dentro de um barco, para uma piscina, apanhando assim um 'banho'.

Blogue 7 Nov 2016 2a.JPG

O tradicional carrossel do Zoo de Lisboa.

Infelizmente, em anos subsequentes, muitas destas atracções foram forçadas a fechar ou deixadas ao abandono, tendo a mais recente remodelação do espaço adjacente ao Jardim Zoológico eliminado os últimos vestígios dos mesmos, além de outras características arquitectónicas bem mais clássicas. Uma pena, pois a referida mini-feira (tal como a sua antecessora, com a pista de 'karts' e a boneca do corpo humano) era um excelente complemento ao dia especial que invariavelmente se passava no 'Zoo'.

E como quase todas as localizações 'especiais' existentes na capital têm um equivalente mais 'a Norte', também no caso das feiras de diversões se verificava este paradigma. No caso, a representante nortenha deste conceito era a Bracalândia, situada não no Porto mas, como o nome indica, na zona de Braga.

download.jpg

O recinto da antiga Bracalândia, a 'resposta' nortenha à Feira Popular.

Relativamente à Feira Popular, o parque nortenho apostava numa abordagem mais diversificada, dividida em 'zonas' temáticas alusivas a várias culturas existentes ou fictícias, dos 'cowboys' do Faroeste ao continente africano, passando pela terra dos contos de fadas. Ainda assim, e apesar desta divergência, não faltavam na Bracalândia os divertimentos tradicionais de feira acima elencados, e que, quando combinados com a referida abordagem conceitual, a tornavam num dia muito bem passado para os jovens residentes no Norte do País. Melhor – apesar de ter encerrado actividades em finais da década de 2000, e novamente no início da seguinte, a Bracalândia conseguiu, ao contrário da Feira Popular, gozar de uma 'segunda vida', agora na zona de Penafiel, no distrito do Porto, e sob o nome algo mais genérico de Magikland, identidade sob a qual pode, ainda hoje, ser visitada.

JRN.AT.24711.jpg

Aspecto da actual Magikland.

Em suma, apesar de serem poucas, e de não terem a dimensão ou projecção de uma Eurodisney ou mesmo do Parque Astérix, as feiras de diversões 'fixas' do Portugal de finais do século XX não deixavam, ainda assim, de constituir excelentes Saídas de Sábado para toda a família, justificando plenamente a sua inclusão nesta nossa rubrica.

 

20.05.23

As saídas de fim-de-semana eram um dos aspetos mais excitantes da vida de uma criança nos anos 90, que via aparecerem com alguma regularidade novos e excitantes locais para visitar. Em Sábados alternados (e, ocasionalmente, consecutivos), o Portugal Anos 90 recorda alguns dos melhores e mais marcantes de entre esses locais e momentos.

festivalp10620.webp

Em finais do século XX e inícios do seguinte – e ainda, até certo ponto, hoje em dia - a chegada do bom tempo, e fim (quase) definitivo da época das chuvas primaveris em Portugal era o mote para o aparecimento, tanto nas cidades e vilas como em localidades mais recônditas, de feiras de diversões itinerantes, as quais – tal como acontecia com os circos nos meses invernais – 'assentavam arraiais' durante um período de algumas semanas (ou, por vezes, até apenas de alguns dias) antes de seguirem caminho rumo ao seu próximo destino. Escusado será dizer que, para quem não morava em Lisboa e não tinha, portanto, acesso a uma Feira Popular durante a maior parte do ano, este tipo de estrutura constituía um verdadeiro 'acontecimento', atraindo inevitavelmente a população jovem da área onde surgia – e, por vezes, até alguns visitantes mais 'crescidos', aliciados pelas diversões mais 'de risco' oferecidas por este tipo de feiras.

A razão para este sucesso era evidente, e traduzia-se numa combinação de oferta e 'timing', Muitas vezes montadas para coincidir com as Festas da localidade a que chegavam (embora nem sempre fosse esse o caso) estas feiras ofereciam à juventude da área diversões de feira a que a mesma dificilmente teria, de outro modo, acesso, como o barco pirata oscilante, os carrinhos de choque, as cadeiras voadoras, o comboio-fantasma, e pelo menos uma atracção que implicasse subir a grande altura e cair abruptamente até ao solo, fosse qual fosse a sua configuração; as companhias mais endinheiradas ou elaboradas poderiam, mesmo, dispôr de uma roda gigante ou montanha-russa, tornando a perspectiva de uma Saída de Sábado à noite ainda mais atractiva para o público-alvo.

Infelizmente, tal como sucede com muitas das outras excursões e atracções de que aqui falamos, as crescentes preocupações com a segurança e a criação de novos regulamentos relativos às diversões de feira vieram restringir significativamente tanto o alcance como a frequência deste tipo de companhias itinerantes, que se vêem hoje muito reduzidas tanto em número como na variedade de atracções de que podem dispôr; naqueles tempos mais simples de finais do Segundo Milénio, no entanto, este tipo de feira de diversões temporária veio alegrar o final do ano lectivo e início de férias de muitas crianças e jovens, fornecendo-lhes uma Saída de Sábado diferenciada e bem demarcada da rotina quotidiana, e que, como tal, terá certamente criado memórias nostálgicas indeléveis na geração que com elas conviveu.

01.10.22

As saídas de fim-de-semana eram um dos aspetos mais excitantes da vida de uma criança nos anos 90, que via aparecerem com alguma regularidade novos e excitantes locais para visitar. Em Sábados alternados (e, ocasionalmente, consecutivos), o Portugal Anos 90 recorda alguns dos melhores e mais marcantes de entre esses locais.

Numa das primeiras edições desta rubrica falámos dos 'shoppings', conceito 'importado' dos EUA que chegou a Portugal em meados da década a que este blog diz respeito; nesse artigo, falámos também, de passagem, dos 'Playcenters', espaços de lazer que algumas das referidas grandes superfícies incluíam entre as suas atracções. Esta semana, chega a vez de nos debruçarmos mais a fundo sobre esse autêntico 'chamariz' de 'malta jovem' existente em espaços como o Colombo e Vasco da Gama, em Lisboa, ou NorteShopping, no Porto.

download.jpg

A entrada do mítico Funcenter do Centro Comercial Colombo, em Lisboa

Inspirados, como os próprios espaços que os albergavam, num conceito estrangeiro – no caso, oriundo da América do Sul, onde vinham fazendo sucesso há já mais de uma década – os 'Playcenters' portugueses funcionavam de forma muito semelhante a esses seus antecessores: os visitantes adquiriam, à entrada, um cartão, o qual era carregado com um valor monetário e utilizado para aceder a qualquer atracção do parque, fosse uma máquina de 'arcade' ou a famosa pista de 'karts' do Playcenter do Colombo. Quando o dinheiro acabava, bastava voltar à recepção, efectuar novo carregamento, e continuar a divertir-se. Um conceito que, por vezes, fazia sentir a falta das tradicionais moedas (sobretudo para jogar nas 'máquinas') e 'fichas de carrossel' ao estilo das que se compravam nos divertimentos tradicionais, mas ao qual a juventude acabou por se adaptar, até por ser um sacrifício justo face ao que a maioria destes espaços oferecia.

E essa oferta era, precisamente, o grande motivo pelo qual qualquer jovem de finais da década de 90 queria visitar um 'Playcenter'. Das referidas máquinas de arcada aos 'karts', 'bowling' (também em alta à época) e até montanhas-russas (sim, dentro de portas!) estes espaços pareciam combinar o melhor dos salões de jogos e feiras populares, criando uma experiência que ninguém abaixo de uma certa idade queria deixar de viver em primeira mão.

Tal como tantos outros locais de 'romaria obrigatória' em finais do século XX e inícios do seguinte, no entanto, também os 'Playcenters' e 'fun centers' (a outra designação por que eram conhecidos) foram perdendo a sua relevância ao longo dos anos, não resistindo às mudanças no estilo de vida e interesses sociais das novas gerações, menos propensas a este tipo de Saída ao Sábado do que os seus pais ou irmãos mais velhos; ainda assim, o 'Funcenter' do Colombo (talvez o mais famoso exemplo deste tipo de espaço, e 'ex libris' de toda uma geração de jovens lusos) conseguiu aguentar-se até 2013, sendo um dos últimos espaços deste tipo a extinguir-se, após mais de década e meia de diversão. Apesar de totalmente desaparecidos, no entanto, este tipo de espaços ficará para sempre na memória de toda uma geração, que ali viveu momentos de emoção e diversão que tornavam a já de si entusiasmante ida ao shopping ainda mais aprazível.

29.08.22

NOTA: Este post é respeitante a Sábado, 27 de Agosto de 2022.

NOTA: Dado o carácter temporalmente relevante deste post, o Sábado aos Saltos programado foi adiado uma semana. Assim, os próximos dois Sábados serão ambos de Saltos.

As saídas de fim-de-semana eram um dos aspetos mais excitantes da vida de uma criança nos anos 90, que via aparecerem com alguma regularidade novos e excitantes locais para visitar. Em Sábados alternados (e, ocasionalmente, consecutivos), o Portugal Anos 90 recorda alguns dos melhores e mais marcantes de entre esses locais.

Apesar da enorme diversidade de títulos de qualidade para crianças e jovens, a leitura nunca foi, e continua a não ser, um passatempo consensual entre esta demografia: no entanto, para quem gosta de ler, há um evento anual que vem, desde há décadas, constituindo um dos pontos altos do calendário de cada ano: a Feira do Livro, o tradicional certame que, durante duas semanas de cada ano, reúne num só local todas as principais editoras nacionais, cada uma numa das tradicionais e icónicas 'barraquinhas', e todas oferecendo promoções e preços exclusivos para visitantes do referido evento.

feira-livro-porto.jpg

A Feira do Livro do Porto

Com lugar, habitualmente, de finais de Maio a meados de Junho (apesar de este ano terem sido adiadas um par de meses, tendo finalmente aberto na semana que ora finda, especificamente a 25 de Agosto) as Feiras do Livro de Lisboa e Porto podem já não ter o atractivo que outrora tiveram – na de Lisboa, por exemplo, sente-se a falta das tradicionais barracas coloridas, tendo a opção por um esquema de cores uniformizado em preto e castanho retirado ao certame muito do seu 'charme' visual – mas continuam a ser ponto de passagem obrigatório, a cada Verão, para os fãs de leitura (e intelectuais em geral) das duas principais cidades do País, oferecendo uma excelente oportunidade de colmatar lacunas na biblioteca pessoal, descobrir novos títulos em negócios de ocasião ou contactar em primeira mão com autores e editores. Assim, não é de todo de admirar que ambos os eventos continuem a ter níveis de adesão bastante consideráveis por parte das respectivas populações locais – até porque a localização de cada Feira (em bonitos parques do centro de ambas as cidades) propicia, e até convida, a um passeio, mesmo que não se tenha grande interesse em livros...

feira-do-livro-de-lisboa.jpg

O Parque Eduardo VII, a icónica localização da Feira do Livro de Lisboa

Conforme referido, no entanto, as Feiras do Livro perderam algum do charme e individualismo de que gozavam em finais do século XX e inícios do Terceiro Milénio, seguindo hoje um formato bastante mais padronizado e, como tal, menos interessante; ainda assim, a relevância e interesse deste certame no calendário cultural português continua a justificar plenamente a sua realização, que – espera-se – continuará em anos vindouros; afinal, qualquer incentivo à leitura, principalmente entre os jovens, apenas poderá ser considerado positivo...

 

30.04.22

NOTA: Apesar de este dever ser um Sábado aos Saltos, alterámos ligeiramente o calendário para o nosso post sobre este evento poder coincidir aproximadamente com a data em que o mesmo se realizava. Os Saltos voltam nos próximos dois Sábados.

As saídas de fim-de-semana eram um dos aspetos mais excitantes da vida de uma criança nos anos 90, que via aparecerem com alguma regularidade novos e excitantes locais para visitar. Em Sábados alternados (e, ocasionalmente, consecutivos), o Portugal Anos 90 recorda alguns dos melhores e mais marcantes de entre esses locais.

A par do 25 de Abril, o feriado do 1º de Maio (Dia do Trabalhador) reveste-se de especial importância no calendário português, por representar, juntamente com o seu 'parceiro', uma das mais significativas instâncias da luta por direitos e igualdade da História não só do nosso País, como mundial. Assim, não é de estranhar que, todos os anos, essa mesma data seja assinalada pela realização de marchas e comícios nas principais cidades portuguesas, a maioria organizadas ou com participação substancial de organismos como o Partido Comunista Português ou as uniões de trabalhadores UGT e CGTP.

images.jpg

A Alameda, local habitual do comício do 1º de Maio em Lisboa e, até à década de 2000, da respectiva feira de rua

Para os adolescentes residentes nessas mesmas cidades nas décadas de 90 e 2000, no entanto (pelo menos aqueles que eram menos politicamente engajados) as celebrações oficiais do feriado nunca foram o principal motivo de interesse do mesmo, nem justificaram uma Saída de Sábado no dia 1 de Maio; ao invés, a razão pela qual a maioria dos jovens citadinos portugueses se deslocava ao local dos comícios na referida data estava ligada àquilo que sempre o rodeava – nomeadamente, a feira de rua que invariavelmente ali era montada.

Isto porque, ainda mais do que nas feiras tradicionais (das quais, aliás, já aqui falámos) era ali o local para encontrar as últimas novidades em roupa de contrafacção, normalmente a preços ainda mais 'simpáticos' do que era costume. Havia ali um pouco de tudo por onde escolher: calças de fato de treino com riscas, a imitar Adidas, ténis 'tirados a papel químico' dos caríssimos modelos oficiais, cópias perfeitas das lendárias camisas da Sacoor - que tinham a vantagem de oferecer padrões não disponibilizados pela própria marca, como o xadrez - meias de raquetes, t-shirts com os 'bonecos' da moda (dos personagens do Dragon Ball Z aos Simpsons, Tweety, Tartarugas Ninja, Power Rangers, Pokémon ou o que mais fosse popular entre a criançada), 'sweats' (supostamente) da No Fear, Gap ou Gant, 'pullovers' pseudo-Burberry's ou Polo Sport, pólos a imitar Lacoste, camisolas de futebol 'quase-oficiais' (entretanto monopolizadas pelas lojas de souvenirs para turistas) pólos de râguebi de origem duvidosa (e que, mesmo assim, continuavam a ser caros), e muito mais; com sorte, até se conseguia encontrar um ou outro resto de loja ou fábrica ou protótipo com defeito, adquirindo assim um artigo verdadeiramente de marca (apesar de rejeitado pela mesma) a um preço irrisório. Mesmo as contrafacções mais declaradas eram, por vezes, mais bem conseguidas do que os artigos oficiais, sobretudo por se basearem em padrões e desenhos experimentais, alguns nunca lançados pela marca, e que chegavam a ser mais interessantes do que os presentes nos referidos artigos 'de loja'.

Só a possibilidade de adquirir artigos como os mencionados no parágrafo acima já era suficiente para despertar o interesse da maioria dos jovens, mas como era (e é) tradicional neste tipo de eventos, a feira do 1º de Maio dispunha, também, das tradicionais roulottes de churros e farturas, que tornavam irresistível a proposta de uma 'asneira' gastronómica, a juntar às 'asneiras' económico-comerciais do resto da feira. O resultado era, invariavelmente, um dia bem passado (por menos que se comprasse, e comprava-se sempre alguma coisa) e a determinação de, no ano seguinte, voltar a estar presente no evento.

Infelizmente, com o passar dos anos, as feiras em torno do comício do 1º de Maio parecem ter deixado de se realizar – foi, pelo menos, esse o caso na capital, Lisboa; para quem teve a sorte de conseguir presenciar um destes eventos, no entanto, a recordação e nostalgia de passear no mesmo e admirar as camisas Sacoor de contrafacção (entre outros artigos da mesma índole) estarão, ainda hoje, bem presentes...

13.11.21

As saídas de fim-de-semana eram um dos aspetos mais excitantes da vida de uma criança nos anos 90, que via aparecerem com alguma regularidade novos e excitantes locais para visitar. Em Sábados alternados, o Portugal Anos 90 recorda alguns dos melhores e mais marcantes de entre esses locais.

Recentemente, falámos aqui das expedições ao supermercado do bairro; hoje, vamos abordar a outra formar de obter mantimentos – estes mais frescos – bem como outros artigos de uso diário, como vestuário: a ida à feira ou mercado.

31015c29ce7b9cbf8c04a42f232e8e25-754x394.jpg

Antes de começar a falar sobre este assunto, há, no entanto, que fazer a distinção entre o mercado de bairro ou aldeia – vulgo 'a praça' – e as feiras, mais esporádicas e, normalmente, de maiores dimensões. Nos primeiros, encontrava-se (e encontra-se) sobretudo comida, com apenas algumas bancas dedicadas à venda de roupa ou artigos utilitários; já nas feiras, a distribuição é mais irmanada, havendo lugar a barracas de roupa, comida, artigos para casa, e por vezes até produtos e bens mais insólitos, como malas, electrodomésticos, brinquedos, música ou até animais. O denominador comum entre ambos é o facto de serem – tanto nos anos 90 como hoje – locais extremamente entusiasmantes da perspectiva de uma criança.

E aqui há que fazer ainda outra distinção – nomeadamente, entre aqueles que visita(va)m estes espaços como fregueses, e aqueles que acompanhavam os pais no comércio, visto ambos terem experiências diametralmente diferentes. Quem visitava para se 'aviar', certamente recordará a excitação de ver tudo o que o espaço tinha para oferecer: admirar as peças de roupa obviamente de contrafacção, analisar os brinquedos e eletrodomésticos apresentados sobre uma simples mesa de madeira, ponderar se os jogos para 'Game USA' naquela outra banca funcionaram no seu Game Boy oficial, e por aí adiante; jà quem assistia os pais na venda associará certamente as feiras e mercados a madrugadas, trabalho braçal, mas talvez também a sensação de contribuir para a economia familiar, e o orgulho de conseguir fazer uma venda por si mesmo, sem a ajuda dos pais.

Vivências, como se disse, muito diferentes, mas ambas merecedoras de serem recordadas, parte integrante que são de um tempo que já não volta mais – ainda que as feiras e mercados, em si mesmos, não tenham mudado por aí além (ou de todo) as experiências das crianças de hoje ao visitarem ou participarem neste tipo de evento são, forçosamente, diferentes, influenciadas como são por uma série de factores que, no tempo a que este blog concerne, ainda não existiam. Este pequeno texto pretendeu, pois, recordar a vivência das crianças dos anos 90 a esse respeito – quem quiser e souber, que fale de como ela era para a geração seguinte..

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub