Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

10.02.24

As saídas de fim-de-semana eram um dos aspetos mais excitantes da vida de uma criança nos anos 90, que via aparecerem com alguma regularidade novos e excitantes locais para visitar. Em Sábados alternados (e, ocasionalmente, consecutivos), o Portugal Anos 90 recorda alguns dos melhores e mais marcantes de entre esses locais e momentos.

Tal como sucedia com a época do Natal, também o Carnaval em Portugal se revestia, entre a juventude de finais do século XX e inícios do seguinte, de uma série de rituais. O mais óbvio e imediato era, claro, o de se mascarar, fosse com fatos 'profissionais' alugados em lojas próprias ou de forma mais improvisada e 'feita em casa'; no entanto, também os estalinhos, serpentinas, bombinhas de mau cheiro, bisnagas e balões de água podiam ser considerados 'típicos' da festa carnavalesca lusitana, bem como a realização de 'partidas' mais ou menos maliciosas. A estes rituais havia, ainda, a acrescer um outro, relevante sobretudo para as crianças e jovens de ambientes urbanos, sobretudo os que habitavam perto de um teatro – nomeadamente, a exibição de uma peça infantil por alturas da paragem lectiva de Fevereiro.

mundo_jack-010.webp

Versão contemporânea do tipo de peça em causa.

Muitas vezes alvo de visitas de estudo por parte das escolas locais, poucos dias antes das férias do Carnaval, estas peças adoptavam precisamente o mesmo modelo das famosas 'pantomimes' britânicas, embora trocando o Natal pelo Carnaval, talvez para salientar e ressalvar a associação entre os fatos vistosos dos actores e os envergados por grande parte da audiência. A fórmula era tão simples como eficaz, consistindo na adaptação de uma história ou lenda conhecida do público infantil, cuja narrativa original era enriquecida através de números musicais, piadas e 'achegas' ao público, ao melhor estilo do teatro de revista (que, à época, atravessava ele próprio um período áureo, tendo até direito a um programa televisivo a ele dedicado). Se tal abordagem poderia fazer torcer o nariz aos puristas, no entanto, o público-alvo em si não tinha tais pruridos, deliciando-se invariavelmente a patear e cantar 'co-me-ça, co-me-ça' antes do levantar do pano (normalmente em uníssono com todo o resto do teatro), ou a ajudar o herói a localizar o vilão, durante a inevitável cena 'interactiva' presente em toda e qualquer destas peças, e que as tornava ainda mais divertidas para quem tinha a sorte de fazer parte da audiência.

Tal como tantos outros hábitos e tradições de que aqui vimos falando, no entanto, também as peças de teatro infantis por alturas do Carnaval acabaram por decrescer em relevância e frequência, sendo, hoje em dia, bastante mais raras e esporádicas do que o eram há coisa de trinta anos; quem, na sua altura, assistiu a um destes espectáculos, no entanto, certamente concordará que os mesmos constituíam uma excelente e memorável Saída de Sábado na época do Carnaval, e talvez até tenha pena de que esta tradição se tenha perdido antes de os seus filhos terem idade para a conhecer, e gozar de uma experiência semelhante à vivida pelos seus pais quando tinham a mesma idade...

28.08.23

NOTA: Este post é respeitante a Domingo, 27 de Agosto de 2023.

Ser criança é gostar de se divertir, e por isso, em Domingos alternados, o Anos 90 relembra algumas das diversões que não cabem em qualquer outra rubrica deste blog.

Apesar de o Verão ser, regra geral, sinónimo de férias na praia e brincadeiras no exterior, ao ar livre, a verdade é que surge sempre um ou outro dia chuvoso para estragar os planos, o qual - nos anos 90 - era uma desculpa perfeita para um jogo de cartas ou de tabuleiro em família; e a verdade é que o mercado dos anos 90 oferecia uma quase infindável selecção deste tipo de jogos, quer em 'tamanho completo' quer em versão portátil, ideal para levar em viagem. De clássicos como o Monopólio ou Trivial Pursuit a opções mais complexas e modernas, havia para todos os gostos no que tocava a formas de tornar um dia de chuva num Domingo Divertido; e o produto de que falamos hoje constituía (e continua a constituir) um autêntico clássico nesse capítulo.

magnetic-folding-travel-chess-checker-set-medium-2

Falamos dos eternos mini-tabuleiros magnéticos de damas e xadrez, parte integrante obrigatória da bagagem estival de quem apreciasse, ou quisesse aprender, qualquer desses jogos. Ganhando com o seu reduzido tamanho e tabuleiro dobrável mais pontos do que perdia com as minúsculas peças (mesmo a pedir para se 'perderem' debaixo de um qualquer sofá ou cadeira de uma acomodação de praia), estes tabuleiros (que, por vezes, incluíam no reverso mesas para outros jogos, como o gamão) ajudaram a 'salvar' muitos fins-de-semana chuvosos para a geração 'millennial', para quem a absorção nos referidos jogos ajudava a acelerar a passagem das intermináveis horas antes da próxima 'sessão' de praia.

Numa época em que existem 'apps' e programas informáticos para suprir todas as necessidades que estes tabuleiros preenchiam, é de duvidar que os mesmos continuem a ter a mesma relevância, sucesso e expansão de que gozavam nas últimas décadas do século XX e primeiras do Novo Milénio; para quem nasceu ou cresceu durante essa época, no entanto, estes tabuleiros estarão, certamente, ao nível da bola de praia, colchão insuflávelraquetes ou balde e forminhas na lista de coisas a não serem esquecidas ao fazer a mala para as férias - sob pena de Domingos potencialmente Divertidos se tranformarem, antes, em Domingos muito aborrecidos...

22.08.23

Porque nem só de séries se fazia o quotidiano televisivo das crianças portuguesas nos anos 90, em terças alternadas, este blog dá destaque a alguns dos outros programas que fizeram história durante aquela década.

Os chamados 'programas de Verão' - aquelas transmissões, normalmente ao vivo e a partir de pequenas povoações do Portugal rural, que combinam números musicais e de comédia com entrevistas, concursos e interacções com o público - são, normalmente, o único tipo de programa que o cidadão Português moderno consegue ser 'persuadido' a ver, pelo seu carácter leve, a permitir 'desligar os neurónios', como é apanágio da estação. E apesar de a RTP não ser, de todo, alheia a este tipo de conteúdo, há um exacto quarto de século, a emissora estatal decidiu apostar em algo um pouco diferente (e mais culto) do que vinha sendo proposto pelas 'concorrentes' privadas - nomeadamente, um programa de entrevistas ambientado, não no habitual estúdio de gravação, mas nas praias de eleição de cada convidado.

13806_41220_74350.webp

Apresentado por Margarida Pinto Correia, 'Férias Grandes' (cujo título sugeria, erroneamente, algo um pouco mais juvenil) contabilizou um total de oito episódios, cada um dedicado a um único entrevistado, sendo os mesmos retirados de um meio um pouco mais 'erudito' do que o habitual para um programa estival. De facto, o único nome 'expectável' neste contexto talvez fosse o da comediante popular (e popular comediante) Ana Bola; de resto, os convidados iam de músicos ligados ao pop-rock nacional, como Luís Represas, Rui Reininho e José Cid, ao maestro António Vitorino de Almeida, Fátima Lopes (a estilista, não a apresentadora sua homónima, estrela da 'concorrente' de Carnaxide na mesma época), Eugénia Melo e Castro ou Rosa Lobato Faria. Cada um destes nomes partilhava com a apresentadora, ao longo do episódio, memórias da sua praia favorita (actual ou de infância) à mistura com outros temas relevantes, num formato com um público-alvo muito definido e que, provavelmente, não teria a televisão ligada para o presenciar.

Assim, não é de admirar que 'Férias Grandes' não tenha voltado para uma segunda época estival, estando hoje largamente ausente da memória colectiva nacional sobre o final do século XX - o que não deixa de ser uma pena, já que, em qualquer outra época do ano, o formato tinha tudo para resultar, encontrar a sua audiência, e ir além da mão-cheia e meia de episódios. Tal e como foi lançado, no entanto, o programa de Margarida Pinto Correia constitui, um quarto de século após a sua estreia, uma mera 'nota de rodapé' na História dos Verões televisivos portugueses, bem como um caso de estudo sobre as razões pelas quais não é boa ideia lançar um programa de índole cultural em plena época alta...

30.07.23

NOTA: Este post é respeitante a Sábado, 29 de Julho de 2023.

As saídas de fim-de-semana eram um dos aspetos mais excitantes da vida de uma criança nos anos 90, que via aparecerem com alguma regularidade novos e excitantes locais para visitar. Em Sábados alternados (e, ocasionalmente, consecutivos), o Portugal Anos 90 recorda alguns dos melhores e mais marcantes de entre esses locais e momentos.

Para qualquer criança ou jovem português, tanto dos anos 90 como de hoje em dia, o Verão é sinónimo de uma coisa: férias grandes. E, para a grande maioria dessa demografia, as férias grandes eram (são), por sua vez, sinónimo de uma região: o Algarve. De facto, antes da globalização e normalização das viagens para destinos no estrangeiro, o Sul de Portugal era o grande 'pólo aglutinador' de veraneantes (tanto locais como oriundos de outras partes do País ou do Mundo) devido à sua irresistível combinação de clima ameno, mar calmo, e uma infraestrutura turística suficientemente vasta para ninguém se aborrecer – infraestrutura essa que, a partir da década de 90, passou a contar com mais um ponto de interesse, em particular para o público infanto-juvenil: o Zoomarine.

footer_logo.png

De facto, o parque zoológico inaugurado em 1989 na Guia, nos arredores de Albufeira, apresentava uma proposta de valor absolutamente irresistível, permitindo aos visitantes não só desfrutar de todas as atracções típicas de um parque temático do seu tipo como também ver de perto uma grande variedade de animais marinhos – à semelhança do que fazia o Aquário Vasco da Gama, em Lisboa, e do que mais tarde faria o Oceanário da Expo '98 – observá-los 'em acção' no espectáculo de acrobacias (característica partilhada com o Jardim Zoológico de Lisboa) e, sobretudo, interagir com eles, dentro da própria piscina.

5ce6b948611c1.jpg

A oportunidade de nadar com golfinhos continua a ser a grande atracção do Zoomarine.

Escusado será dizer que foi esta última vertente – que, em Lisboa, ficava restrita a umas quantas crianças 'sortudas' por espectáculo – que cimentou a reputação do Zoomarine, e o tornou um destino quase tão cobiçado como uma Eurodisney pelas crianças e jovens portugueses, que desejavam ferventemente nadar com golfinhos e ver de perto as orcas, animal que não existia em mais nenhum parque zoológico ou aquático na Península Ibérica. Já no Novo Milénio, o sucesso e a natureza icónica do parque entre a referida demografia fizeram, mesmo, dele um dos locais de filmagem para a lendária telenovela juvenil 'Morangos com Açúcar', onde foi rebaptizado como 'Zoomarinho' – um nome, aliás, que muitos visitantes já pensavam ser o seu...

Naturalmente, a própria natureza do Zoomarine não o deixou imune a controvérsias; antes pelo contrário, as mesmas continuam a suceder-se com bastante regularidade até aos dias de hoje, sobretudo por parte de associações e grupos de defesa dos animais, que consideram o tratamento dos animais do parque abusivo, devido ao reduzido tamanho das instalações de descanso e até das próprias piscinas, já para não falar das referidas interacções com o público, um tópico eternamente controverso. Simultaneamente, no entanto, a atracção é respeitada do ponto de vista da conservação, âmbito no qual desenvolve vários programas, bem como na vertente turística, ganhando anualmente uma série de prémios e figurando no Top 10 de parques de fauna aquática na Europa promovido pelo 'site' TripAdvisor, onde ocupa o sétimo lugar.

Assim, é muito pouco provável que o Zoomarine venha a fechar num futuro próximo – embora tenha sido esse, precisamente, o caso com o 'congénere' americano SeaWorld. Até lá, a atracção algarvia continuará, certamente, a atrair milhares de visitantes todos os Verões, e a afirmar-se como fonte de cobiça e inveja para quem – como foi o caso do autor deste blog durante a época áurea de promoção do parque – nunca teve ensejo de lá ir...

 

26.07.23

A banda desenhada fez, desde sempre, parte da vida das crianças e jovens portugueses. Às quartas, o Portugal Anos 90 recorda alguns dos títulos e séries mais marcantes lançados em território nacional.

Na última edição desta rubrica, falámos do 'Disney Gigante', a tentativa feita pela Editora Abril de oferecer aos jovens portugueses material adicional de leitura para as férias; nada mais justo, portanto, do que versarmos agora sobre a publicação que ajudou, originalmente, a popularizar esse conceito, e na qual a Abril se terá inspirado para fazer o seu super-álbum. Falamos do 'Almanacão de Férias' da Turma da Mônica, de Mauricio de Sousa, uma publicação bi-anual lançada para coincidir com as férias escolares do Brasil (em Dezembro/Janeiro e em Julho), e que, apesar de chegar a Portugal com os habituais vários meses de atraso, não deixava de constituir uma excelente proposta para 'guardar' para aquelas viagens mais longas a caminho de um qualquer destino de férias.

images.jpg

O número 8, um dos primeiros lançados nos anos 90.

Criado aquando da passagem da Turma de Mauricio da Editora Abril para a Globo, em 1987-88, esta publicação teve como antecedente directo o 'Grande Almanaque do Mauricio', do qual saíram duas edições – uma ainda na Abril, em 1986, e outra já na Globo, cujo fim era testar a viabilidade do formato na nova editora. E o mínimo que se pode dizer é que a experiência foi bem-sucedida, já que o 'Almanacão' não mais deixaria de fazer parte do lote de publicações da Mauricio de Sousa Produções, sofrendo apenas uma mudança de nome aquando da passagem para a Panini, já nos anos 2000.

O formato, esse, também nunca se alterou, apresentando uma mistura das tradicionais histórias com os conhecidos personagens e cerca de 80 a 100 páginas de passatempos, também com a Turma como protagonista, que constituíam o grande atractivo da publicação, e que englobavam desde desenhos para colorir aos tradicionais labirintos e sopas de letras, passando pelo icónico 'Jogo dos Sete Erros' e outras actividades de premissa menos comum, mas que nem por isso deixavam de ter interesse para o público-alvo. Muito que fazer, portanto – pelo menos para quem não tendia a 'devorar' de imediato todo o conteúdo, como era o caso lá por casa.

A única grande mudança sofrida pelo Almanacão de Férias foi, pois, o número de páginas, que diminuiu quando o número de publicações anuais passou de duas para três, em 1998, e ainda mais quando passou a ser lançado um 'Almanaque Turma da Mõnica' mais genérico, já sem o tema das férias como motivo central. A capa passou, também, a ser plastificada em vez de cartonada, mudança que ajudava a preservar a integridade dos livros, sendo que os primeiros números tendiam, inevitavelmente, a adquirir vincos na capa, algo que a plastificação vinha ajudar a colmatar.

Tirando isso – e, claro, a qualidade das histórias e passatempos em si – o 'Grande Almanaque' da Panini ainda hoje disponível nas bancas é em tudo semelhante à icónica publicação noventista, podendo, por isso, constituir um excelente meio de fazer a nova geração tirar o 'nariz' do iPad e do TikTok durante uma longa viagem de carro ou transportes públicos, ou mesmo um dia de chuva 'fechado' no hotel ou casa de praia, e descobrir como os seus pais se divertiam na mesma situação.

08.04.23

As saídas de fim-de-semana eram um dos aspetos mais excitantes da vida de uma criança nos anos 90, que via aparecerem com alguma regularidade novos e excitantes locais para visitar. Em Sábados alternados (e, ocasionalmente, consecutivos), o Portugal Anos 90 recorda alguns dos melhores e mais marcantes de entre esses locais e momentos.

Há trinta anos atrás, quando a geração que lê este blog era criança ou adolescente, o fim-de-semana que ora se assinala marcava, para eles, não só a festa da Páscoa como também um evento quase tão importante: o ponto médio das férias de Primavera, as quais levavam normalmente o mesmo nome do feriado religioso. Era altura de expôr, na escola, os desenhos primorosamente pintados de ovinhos e coelhinhos (e aquele do aluno criativo - ou espertinho - que dava o seu próprio toque à ilustração com um esquema de cores rocambolesco) e de deixar as aulas durante duas semanas (mesmo tempo das férias do Natal, mais uma semana que as anteriores, do Carnaval) para ir 'encher a barriga' de ovos de chocolate junto da família, fosse em casa ou num qualquer destino de férias.

20190327113920621.jpg

De facto, apesar de ocorrer com menos frequência do que nas férias do Verão (ou 'férias grandes') ou mesmo do que no Natal, havia quem não deixasse de aproveitar a Páscoa para rumar a outro destino que não apenas a casa de todos os dias, ou o lar de familiares próximos, sendo os locais escolhidos os do costume naqueles idos de finais do século XX, desde a casa dos primos no campo até locais de maior destaque, como estâncias de férias ou pontos turísticos no estrangeiro. Fosse qual fosse o destino, no entanto, algumas coisas nunca mudavam: havia sempre chocolates quase à discrição (fossem ovos, amêndoas ou qualquer outro dos doces tradicionais da época) e quem era crente não deixava de ir à missa, mesmo que esta tivesse de ser ouvida em Francês.

Ao contrário da maioria dos assuntos que abordamos neste nosso blog, este período do ano sofreu muito poucas alterações desde aqueles tempos; os destinos turísticos hoje são outros, e é possível falar com familiares sem necessariamente ter que os visitar (graças aos telemóveis e a plataformas como o Zoom e Skype), mas os aspectos-base das férias da Páscoa dos jovens de hoje em dia são, de um modo geral, os mesmos que fizeram os seus pais ansiar por esta época do ano, e sentir-lhe a falta quando ela terminava, e que farão, decerto, a próxima geração sentir-se da mesma maneira sempre que o calendário chega a finais de Março ou inícios de Abril...

14.01.23

As saídas de fim-de-semana eram um dos aspetos mais excitantes da vida de uma criança nos anos 90, que via aparecerem com alguma regularidade novos e excitantes locais para visitar. Em Sábados alternados (e, ocasionalmente, consecutivos), o Portugal Anos 90 recorda alguns dos melhores e mais marcantes de entre esses locais e momentos.

O início do mês de Janeiro assinala, tradicionalmente, o regresso às aulas para o segundo período do ano lectivo; e, como qualquer volta à escola, também esta altura do ano tem como ritual quase obrigatório (entre muitos outros) a 'gabarolice' sobre as férias. E se a primeira 'rentrée', em Setembro, oferece amplas oportunidades para se compararem experiências de férias de Verão, este período pós-natalício traz o 'bónus' adicional de essas mesmas comparações terem como objecto um dos mais invejáveis de todos os tipos de férias para as crianças dos anos 90, logo a seguir à visita à Eurodisney: as idas 'para a neve'.

dicas-esquiar-criancas-1.jpg

O sonho de qualquer criança portuguesa dos 'noventas'.

Embora a inveja quanto a este tipo de intervalo lectivo não se estendesse (nem estenda) a todo o país – afinal de contas, para quem já vive em zonas montanhosas ou frias, a queda de neve é uma experiência perfeitamente normal, e até, muitas vezes, causadora de dificuldades – não havia nos anos 90 criança ou jovem de áreas citadinas ou situadas mais a Sul que não desejasse ardentemente poder passar as férias do Natal numa das muitas estâncias da Serra da Estrela, a aprender a esquiar ou simplesmente a desfrutar das potencialidades do clima mais frio; de facto, a popularidade deste tipo de férias era, à época, de tal monta que a Serra da Estrela serviu mesmo de pano de fundo a um dos melhores títulos da lendária Colecção Uma Aventura.

Mais afortunados ainda eram aqueles que tinham a oportunidade de não só ir 'para a neve', como de o fazer no estrangeiro, numa das muitas cadeiras montanhosas do Norte de Espanha ou Andorra, ou mesmo em locais como a Suíça. Isto porque, apesar de não diferirem grandemente das passadas em Portugal, estas férias tinham o atractivo adicional da viagem para outro país, outro dos grandes motivos de inveja para a juventude de uma era onde as viagens e o turismo estavam, ainda, longe da acessibilidade e facilidade que apresentam hoje em dia, fazendo de cada deslocação mais 'demorada' ou distante uma experiência memorável para quem tinha ainda pouca idade. E apesar de, hoje em dia, todo esse processo ser bastante menos fascinante – e de as 'férias na neve' serem, hoje, bastante menos apetecíveis ou até apregoadas do que o eram à época – estamos em crer que a possibilidade de passar o Natal a esquiar na Serra da Estrela não terá perdido totalmente o seu apelo junto dos mais novos...

29.10.22

As saídas de fim-de-semana eram um dos aspetos mais excitantes da vida de uma criança nos anos 90, que via aparecerem com alguma regularidade novos e excitantes locais para visitar. Em Sábados alternados (e, ocasionalmente, consecutivos), o Portugal Anos 90 recorda alguns dos melhores e mais marcantes de entre esses locais.

Nos anos 90, quando as viagens internacionais estavam longe de apresentar as mesmas facilidades do que na actualidade, umas férias no estrangeiro pouco passavam de uma ambição (ou miragem) para muitas crianças e jovens portugueses; os mais 'sortudos' talvez fossem até Espanha, os mais ricos esquiar a França, mas no cômputo geral, os períodos de lazer da geração que cresceu em finais do século XX tendiam a desenrolar-se 'dentro de portas', em destinos como a Serra da Estrela, o Alentejo ou o sempre popular Algarve. Tal não impedia, no entanto, a dita geração de sonhar, e um dos maiores sonhos para qualquer 'puto' que tivesse a idade certa em inícios dos anos 90 era visitar um dos dois grandes parques temáticos da altura, curiosamente, ambos localizados em França; e se de um deles (o Parque Astérix) já aqui falámos na última Saída de Sábado, chega esta semana a altura de recordarmos o outro, talvez 'O' destino de sonho por excelência dos jovens portugueses da época – a Eurodisney.

11.jpg

Fundado com 'pompa e circunstância' há pouco mais de trinta anos, a 12 de Abril de 1992, o parque hoje conhecido como Disneyland Paris foi um sucesso quase instantâneo, quer entre a juventude local, quer entre as dos países vizinhos, para quem a ligação à perenemente popular companhia do Rato Mickey, aliada à variada gama de atracções e 'zonas' propostas pelo recinto, serviam como principal chamariz. Em Portugal, em concreto, esse desejo foi, ainda, exacerbado por um conjunto de artigos incluídos, no ano seguinte, nos primeiros números da recém-lançada revista Super Jovem, em que os apresentadores do também mega-popular programa 'Clube Disney' visitavam as diferentes áreas (uma por edição) dando a conhecer as suas principais atracções.

94889694_572212310071735_6310106697914384384_n.jpg

Ilustração de época que dava a conhecer todas as diferentes zonas e atracções do parque

A verdade, no entanto, é que o preço proibitivo não só da viagem até França como também da própria entrada na Eurodisney – ou não fosse a mesma um parque Disney, categoria conhecida pelas quantias exorbitantes pedidas por todo e qualquer bem ou serviço – colocavam uma ida à mesma fora do alcance da maioria das crianças portuguesas, sendo poucas (ainda que existentes) as famílias dispostas a fazer o sacrifício económico necessário para proporcionar essa experiência aos seus filhos; assim, para a quase totalidade dos jovens da época, a Eurodisney continuava (e continuou) a resumir-se a um simples sonho, representado em fotografias, alguma ou outra peça videográfica mostrada na televisão - a única maneira de ver imagens em movimento na época pré-YouTube – e ocasional brinde ou produto licenciado. Já quem foi, não deixou certamente de ser alvo de inveja extrema por parte dos colegas, e 'rei' (ou 'rainha') do recreio durante pelo menos o tempo que levou a resumir e relatar a experiência.

Hoje em dia – graças quer à relativa liberdade de movimentos descrita no início deste texto, quer ao próprio declínio de popularidade do parque – a Eurodisney é 'apenas' mais um destino de férias, muito longe da desejabilidade dos seus congéneres norte-americanos, ou de outros parques em outros locais do planeta; quem 'esteve lá' durante os primeiros anos da atracção, no entanto, decerto se recordará do entusiasmo que a mesma causava entre toda uma geração de jovens fãs dos eternos personagens de desenhos animados e BD da Disney, para quem poucas coisas se afiguravam tão desejáveis como uma semana de férias naquele local de sonho nos arredores de Paris...

21.08.22

NOTA: Este post é respeitante a Sábado, 20 de Agosto de 2022.

As saídas de fim-de-semana eram um dos aspetos mais excitantes da vida de uma criança nos anos 90, que via aparecerem com alguma regularidade novos e excitantes locais para visitar. Em Sábados alternados (e, ocasionalmente, consecutivos), o Portugal Anos 90 recorda alguns dos melhores e mais marcantes de entre esses locais.

158966-ferias-em-familia-como-organizar-um-passeio

Para muitas crianças e jovens das últimas décadas do século XX, o período de férias de Verão (as chamadas 'férias grandes') era sinónimo com uma mudança de paradigma, ou pelo menos com uma mudança de 'ares', normalmente como consequência de uma viagem ou deslocação para um ambiente diferente daquele que experienciavam todos os dias - fosse dentro do País ou no estrangeiro.

De facto, apesar de a maioria das crianças portuguesas da altura ir, de uma maneira ou de outra, passar o Verão 'fora', o leque de experiências e vivências dessa mesma geração nos meses de maior calor dividia-se, pelo menos, nas duas grandes categorias mencionadas no final do parágrafo anterior, as quais, por sua vez, se dividiam em diversas sub-categorias; quem 'ia para fora cá dentro', como rezava um famoso 'slogan' turístico da altura, tanto podia fazê-lo na sua casa de férias própria (sendo as zonas 'da moda' da altura, além do Algarve, áreas como o Baleal, a Ericeira ou a barragem de Castelo de Bode) como em casa de familiares - normalmente os avós ou tios - usufruir do conforto alugado de um andar, hotel, ou 'resort' 'da moda', ou até ir passar uma quinzena numa colónia de férias, longe da família mas na companhia de dezenas de outras crianças da mesma idade.. De igual modo, quem decidia ir para o estrangeiro tanto podia optar por destinos puramente veranis, como o 'corriqueiro' Sul de Espanha, como aproveitar para visitar família emigrada, e com eles passar uns dias ou semanas.

Experiências, no fundo, não muito diferentes das dos jovens de hoje em dia, mas que se desenrolavam numa conjuntura bastante diferente, com poucas ou nenhumas soluções tecnológicas, e com bastante menos facilidade de deslocação - o que apenas ajudava a tornar aqueles períodos de férias ainda mais valiosos; afinal, na época em que as férias eram caras e as chamadas telefónicas primavam por esporádicas, após terminado o interregno, era sempre uma incógnita se, ou quando, o mesmo se tornaria a repetir, e quando se voltaria a conviver ou até falar com os familiares visitados.

Isto, claro, sem falar na miríade de novas vivências que umas férias proporcionavam, desde as novas amizades (e reencontro com os amigos 'de férias') até às brincadeiras impossíveis no meio de origem, passando pelos sempre apetecíveis dias de praia, pelas aventuras 'geográficas' em países desconhecidos, ou simplesmente pela comida da avó; factores que, em conjunto ou por si só, contribuíam para fazer daqueles últimos anos de férias 'pré-tecnológicas' uma memória para a vida, e uma daquelas experiências que - infelizmente - as novas gerações já só conhecerão em 'segunda mão'...

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub