Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

29.09.22

Todas as crianças gostam de comer (desde que não seja peixe nem vegetais), e os anos 90 foram uma das melhores épocas para se crescer no que toca a comidas apelativas para crianças e jovens. Em quintas-feiras alternadas, recordamos aqui alguns dos mais memoráveis ‘snacks’ daquela época.

Em Portugal, à semelhança do que acontece um pouco por todo o Mundo, certos tipos de produtos são associados a determinadas marcas a ponto de se confundirem com as mesmas, mesmo quando existem no mercado alternativas concorrentes; o sector alimentício não é, de forma alguma, excepção a esta regra, sendo qualquer pão com chocolate (por exemplo) um 'Bollycao', qualquer fermento químico 'pó Royal', qualquer sobremesa à base de iogurte e fruta um 'Suissinho' ou 'Danoninho', e qualquer achocolatado para beber 'Nesquik' ou 'Cola Cao', entre outros exemplos. Nos anos 90, esta tendência estendia-se, no nosso País, também ao domínio dos bolos e artigos de pastelaria industrializados, a esmagadora maioria dos quais surgia nas prateleiras nacionais com a chancela de uma marca nacional e – à época – em rápido crescimento rumo à monopolização do mercado; a Dan Cake.

dan_cake.bmp

Fundada nos anos 80 (e, aparentemente, extinta, ou pelo menos trespassada, há menos de dois anos à data de publicação deste post) a Dan Cake oferecia produtos ao longo de todo o espectro das bolachas e bolos, sendo também suas, por exemplo, as primeiras 'Madalenas' de pacote, bem como as bolachas 'Danish', comercializadas nas icónicas latas azuis que muita gente usava para guardar os artigos de costura; no entanto, por muito sucesso que esses artigos fizessem (até pela practicidade da embalagem das bolachas...) não era com elas que a marca era sinónima na mente das crianças e jovens noventistas – esse privilégio pertencia às 'tortas', das quais a marca disponibilizava, à época, uma enorme variedade, desde as mais pequenas, em tamanho 'snack' (as famosas Cake Bar), até formatos mais substanciais, aproximadamente do tamanho de um bolo de pastelaria.

1.PNG

img.jpg

Dois dos mais famosos e icónicos produtos da marca nos anos 90

Invariavelmente à base de chocolate, estas tortas podiam, no entanto, vir recheadas dos mais diversos sabores, dos quais se destacavam os clássicos cacau e morango, os mais populares entre a 'meninência' daquela época; populares eram, também, os brindes oferecidos com as 'Cake Bar', que nos anos 90 se resumiam já a cromos – à semelhança do que famosamente fazia o 'Bollycao', e esporadicamente também outras marcas – mas que na década anterior haviam incluído bonecos em plástico monocromático, ao estilo 'Monsters in My Pocket', ligados às principais propriedades intelectuais juvenis da época. O problema? Estes bonecos eram, literalmente, enfiados DENTRO do bolo (sem qualquer invólucro protector, como acontecia nos pacotes de cerais de pequeno almoço ou batatas fritas), criando o mesmo tipo de situação que, anos mais tarde, viria a descaracterizar para sempre o bolo-rei. À época, no entanto, ninguém parece ter visto problema, e a troca para os mais inócuos autocolantes parece ter sido apenas uma questão de mudança dos interesses do público-alvo.

Com ou sem brindes, no entanto, os bolos e tortas Dan Cake faziam, mesmo, furor entre o público-alvo, pelo simples facto de serem deliciosos (embora estivessem também entre as opções MENOS saudáveis, mesmo da prateleira de doces e guloseimas!) E apesar de hoje em dia continuar a ser possível adquirir produtos deste tipo das mais diversas marcas (os chamados, no Brasil, 'alfajores') nenhuma delas vai, para quem cresceu nos anos 80, 90 ou até mesmo 2000, alguma vez substituir os 'Dan Cake'; afinal, como muito bem declaram os Corn Flakes da Kellogg's, 'o original é sempre o melhor...'

28.04.22

Todas as crianças gostam de comer (desde que não seja peixe nem vegetais), e os anos 90 foram uma das melhores épocas para se crescer no que toca a comidas apelativas para crianças e jovens. Em quintas-feiras alternadas, recordamos aqui alguns dos mais memoráveis ‘snacks’ daquela época.

Na última Quarta de Quase Tudo, abordámos no Anos 90 as festas de anos infantis daquela época, tendo nesse mesmo 'post' mencionando o facto de que muitas delas incluíam, à saída, um pequeno saquinho de 'gratificações', oferecido pela família do aniversariante a cada convidado, para lhe agradecer a presença na festa. E embora os conteúdos destes 'pacotes' reservassem, por vezes, algumas surpresas (por aqui, por exemplo, recebeu-se certa vez um boneco do GI Joe em tamanho miniatura) os mesmos tendiam a centrar-se sobre doces e guloseimas de menores dimensões ou individualizáveis, como Sugus, rebuçados ou chupa-chupas.

Em meio a este tipo de doce, no entanto, os referidos saquinhos incluíam, invariavelmente, um outro 'brinde' nunca visto fora desse contexto, pelo menos na altura: as mini-caixas de Smarties.

smarties.jpg

Exemplo moderno das referidas caixas

Apesar de serem precisamente e simplesmente aquilo que pareciam (uma caixinha de papel com talvez uma dúzia de Smarties dentro, sem qualquer outra particularidade que não fosse o ser especialmente criada para uso em ocasiões deste tipo, como festas de anos, eventos infantis ou até no contexto do Halloween norte-americano) receber uma destas caixas após uma festa de anos não deixava de ter os seus atractivos – nomeadamente, o facto de a dose contida no interior da mesma ser suficientemente pequena para poder ser comida toda de uma vez, sem que a criança se sentisse culpada ou os pais a evitassem. Para além disso, cada caixa trazia impresso no verso e numa das laterais um pequeno desenho, muitas vezes parte de uma imagem maior que se obtinha juntando todas as caixinhas de um determinado lote, levando a inevitáveis comparações e tentativas de criar o mosaico completo em conjunto com os outros convidados. Em suma, um brinde que, apesar de aparentemente simples, não deixava ainda assim de 'cair no gosto' de quem o recebia.

maxresdefault.jpg

As caixas incluídas no mesmo 'pack' formavam muitas vezes um mosaico quando juntas umas às outras

À semelhança de muitos dos doces nostálgicos de que aqui falamos, uma rápida pesquisa na Internet revela que estas mesmas caixinhas continuam a ser produzidas até aos dias de hoje, embora não nos seja possível discernir se as mesmas continuam a ser utilizadas para a mesma função que exerciam naquele tempo (talvez algum leitor que conheça crianças ainda em idade de ir a festas infantis nos possa elucidar neste aspecto); certo é que, para toda uma geração de jovens, as icónicas mini-caixinhas foram quase sinónimas com celebrações de aniversário, quer próprias, quer de colegas e amigos, merecendo bem estas poucas linhas de homenagem.

17.03.22

Todas as crianças gostam de comer (desde que não seja peixe nem vegetais), e os anos 90 foram uma das melhores épocas para se crescer no que toca a comidas apelativas para crianças e jovens. Em quintas-feiras alternadas, recordamos aqui alguns dos mais memoráveis ‘snacks’ daquela época.

Já aqui foi referido inúmeras vezes que, nos anos 90. não eram necessárias grandes inovações tecnológicas ou conceitos 'avant-garde' para fazer as delícias do público mais jovem, pelo contrário; muitas vezes, eram mesmo as coisas mais simples que ganhavam tracção entre a miudagem, a ponto de se manterem relevantes e populares entre essa demografia até aos dias de hoje – um feito ainda mais notável se tivermos em conta que o tempo médio de vida de uma 'febre' dos anos 90 era de entre alguns meses a um ano.

O produto que recordamos hoje é prova cabal desse mesmo apanágio, tendo atravessado as décadas (entre elas a de 90) sem nunca perder o apelo junto do público mais jovem, e mantendo sempre imutável o seu já de si simplicíssimo conceito, que em nada mais consiste do que num tubo recheado de minúsculas pastilhas semi-azedas, e encabeçado por um mecanismo dispensador na forma da cabeça de um popular personagem infantil.

Capture.PNG

Exemplos de dispensadores dos anos 90

Sim, falamos precisamente dos dispensadores de Pez, um artefacto (e respectiva guloseima) famosa a nível mundial pelo menos desde a década de 1960, e que continua até aos dias de hoje a constituir um apelativo misto de guloseima e brinquedo para crianças e jovens de uma certa idade. E apesar de os motivos disponíveis se irem, obviamente, adaptando aos tempos - nos anos 90, por exemplo, os clássicos e imortais personagens dos Looney Tunes ou da Disney dividiam o seu espaço com mascotes da Nintendo e Sega, ou bonecos da Rua Sésamo – o conceito-base permance, conforme já referimos, imutável: as drageias Pez são colocadas no tubo e, posteriormente, libertadas uma a uma através de um mecanismo de 'patilha' impulsionado por um toque na cabeça do personagem que encima o tubo. À medida que o tubo se vai esvaziando, a base vai-se, progressivamente, elevando, de modo a que haja sempre uma drageia à 'boca' do dispensador, directamente atrás da cabeça do boneco, pronta a ser libertada quando o mecanismo é accionado.

Um conceito sumamente simples, mas que resulta bem o suficiente para manter estas pastilhas duras, com aspecto de comprimido e sabor a chupa-chupas ácidos, nas prateleiras dos supermercados desde há já várias décadas; afinal, conforme se referiu no início deste texto, por vezes, são os conceitos mais simples, básicos e despretensiosos que mais rapidamente acabam por 'pegar' entre a criançada...

03.02.22

Todas as crianças gostam de comer (desde que não seja peixe nem vegetais), e os anos 90 foram uma das melhores épocas para se crescer no que toca a comidas apelativas para crianças e jovens. Em quintas-feiras alternadas, recordamos aqui alguns dos mais memoráveis ‘snacks’ daquela época.

No esquema global dos doces dirigidos a crianças, os simples quadrados de fruta mastigáveis podem, a princípio, parecer não ocupar lugar de grande destaque; no entanto, como os rebuçados da Penha continuam, cabalmente, a provar, existe mesmo um mercado para este tipo de guloseima entre o público infanto-juvenil – quanto mais não seja, como presença perene, indiscutível e indispensável das mesas de festa de anos (e, nos anos 90, também dos respectivos saquinhos de recordação.)

O doce que hoje abordamos, no entanto, nem carecia da justificação ou contexto de um aniversário para ser atractivo para o seu público-alvo; tão clássicos quanto os rebuçados da Penha (e, tal como estes, ainda largamente disponíveis nos dias de hoje) os Sugus eram, e continuam a ser, simultaneamente uma das mais simples e mais bem sucedidas guloseimas comercializadas em Portugal, havendo pouco quem desdenhe destes quadradinhos de fruta a meio caminho entre o rebuçado e a pastilha elástica.

800px-Sugus.jpg

O que grande parte dos consumidores de Sugus, tanto à época como actuais, talvez não saiba é que estes doces têm já quase um século de História, tendo sido primeiramente comercializados na sua Suíça natal em inícios dos anos 30. Não menos espantoso é o facto de, desde essa altura, a sua essência pouco se ter alterado, tendo os Sugus resistido a inúmeras mudanças no mercado em que se inserem com pouco mais do que uma mudança de embalagem ou mascote (antes do macaquinho que todos conhecemos, a linha era representada por dois jovens cuja estilização étnica levantaria hoje, sem dúvida, vários pares de sobrancelhas.)

DSDWYcrWkAAKQ7Z.png

Errrrmmm...pois...eram outros tempos...

O produto, esse, continua a ser exactamente o mesmo – mais sabor, menos sabor – e a fazer as delícias de geração após geração de crianças, as quais, por muito que a sociedade avance, continuam a ter enorme dificuldade em resistir ao chamamento de um quadrado de puro açúcar com vago sabor a laranja ou cereja, e embrulhado num papel da cor da fruta a que supostamente sabe. Uma receita simples, mas que prova - se tal ainda fosse necessário - que nem sempre um produto tem de ser muito elaborado ou sofisticado para ganhar tracção no mercado: por vezes - como estes quadradinhos de fruta tão bem demonstram - é mesmo na simplicidade que reside o segredo do sucesso...

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub