Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

16.08.23

NOTA: Este post é respeitante a Segunda-feira, 14 de Agosto de 2023.

Em Segundas alternadas, o Anos 90 recorda algumas das séries mais marcantes para os miúdos daquela década, sejam animadas ou de acção real.

Na passada Sexta-feira, falámos aqui dos dois filmes de 'acção real' alusivos ao personagem de Dennis, o Pimentinha (ou Dennis, The Menace) lançados durante os anos 90, numa época em que era grande o volume de séries animadas a terem direito a uma adaptação deste género; nada mais justo, portanto, do que recordarmos agora a animação original cujo sucesso deu azo às referidas tentativas cinematográficas.

mfwGhH7vQEZfv5wrV3kZjnqfn1u.jpg

Baseada na decana banda desenhada do mesmo nome, a série animada de 'Dennis, O Pimentinha' foi produzida originalmente em 1986, através da então habitual cooperação entre estúdios norte-americanos e asiáticos, ficando estes a cargo de grande parte da componente animada. A título de curiosidade, este programa em particular contava, ainda, com o patrocínio da companhia de cereais norte-americana General Mills, que surgia, inclusivamente, como detentora dos direitos, mas sobre a qual os 'putos' portugueses não tinham qualquer referência.

Àparte este curioso 'sponsor', no entanto, 'Dennis, o Pimentinha' trazia todos os elementos comuns às séries infantis da altura, do genérico ritmado e ultra-memorável (com animação a condizer) ao formato com duas histórias por episódio, aos próprios argumentos, que seguiam a linha das situações quotidianas, focando-se, sobretudo, nas brincadeiras do protagonista e dos amigos Joey, Margaret e Gina, além do cão Ruff, e nos 'tormentos' causados pelo grupo aos vizinhos reformados, os Wilsons, e sobretudo ao sofredor patriarca George. Uma receita que arriscava pouco, mas não deixava de render vinte minutos bem passados a quem gostava desse tipo de conteúdo, como era o caso lá por casa.

Um daqueles genéricos que 'reside' de graça na cabeça de muitos 'millennials'.

Essa opinião devia, aliás, ser generalizada um pouco por todo o País, já que 'Dennis, o Pimentinha' passou, não uma, mas duas vezes na televisão portuguesa - primeiro na RTP, em versão original legendada, e mais tarde na TVI, onde surgiu em 1995 com uma nova dobragem em Português da Somnorte, em que a família Mitchell se transformava em Meireles. E apesar de se ter ficado por aí a presença de Dennis e seus amigos nos televisores portugueses (a menos que se conte a transmissão no Canal Panda, ainda alguns anos mais tarde) a influência do 'pestinha' de seis anos estendeu-se até finais da década seguinte, tendo uma série de DVDs sido lançada no mercado em 2008, com ainda uma outra dobragem em Português, agora a cargo da PSB. Nada mau para um desenho animado lançado mais de duas décadas antes e que, para o público original norte-americano, era já algo passado e bafiento, tendo constituído um daqueles casos em que o maior sucesso é encontrado num país que não o de origem.

E se, hoje, o 'puto' Dennis é algo menos conhecido - tendo a Geração Z encontrado os seus próprios heróis animados, do qual não faz parte - para os 'millennials', o rapazito loiro de jardineiras vermelhas e 't-shirt' às riscas será, para sempre, um ícone das tardes de infância passadas em frente à televisão a ver os 'bonecos', justificando por isso estas breves linhas recordatórias da sua passagem pelas ondas televisivas nacionais.

13.08.23

NOTA: Este post é respeitante a Sexta-Feira, 11 de Agosto de 2023.

Os anos 90 estiveram entre as melhores décadas no que toca à produção de filmes de interesse para crianças e jovens. Às sextas, recordamos aqui alguns dos mais marcante.

A transformação de propriedades intelectuais infanto-juvenis em filmes ou séries com actores de 'carne e osso' não era já, mesmo nos anos 90, nada de particularnente novo; pelo contrário, as duas décadas anteriores haviam já visto serem realizados filmes alusivos a criações como Super-Homem ou He-Man, e a própria década em causa já tinha, nos seus primeiros anos, acolhido filmes de Batman e das Tartarugas Ninja. Assim, foi sem grandes surpresas que, em 1993, os jovens de todo o Mundo viram chegar às salas de cinema mais uma adaptação deste tipo, no caso alusiva às aventuras do jovem 'terrorista' Dennis, o Pimentinha, cujo desenho animado continuava a ser visto por milhares de crianças naquele Portugal de fim de século.

20128492.webp

Estreado há quase exactos trinta anos, a 13 de Agosto de 1993, o filme da Warner Bros. trazia o jovem Mason Gamble (mais um dos muitos 'aspirantes a Macaulay Culkin' surgidos na sequência do sucesso de 'Sozinho em Casa') no papel do personagem principal, e o veterano da comédia Walter Matthau como o sofredor vizinho Sr. Wilson, o qual surgia com um pouco de cabelo a mais em relação à sua versão desenhada, mas de outra forma perfeitamente caracterizado. A este duo-charneira juntava-se, ainda, outro nome fulcral do cinema de humor da época, Christopher Lloyd, no papel de um vagabundo com quem Dennis se vê envolvido no desenrolar da trama, além de Lea Thompson e de uma jovem Natasha Lyonne, ainda a meia década do sucesso com 'American Pie'. Em conjunto, estes nomes são garantia de actuações de qualidade (o jovem Gamble dá boa conta de si ao lado dos actores veteranos que o rodeiam) e rendem bons momentos individuais, que qualquer fã da série ou da banda desenhada que a inspirou certamente reconhecerá.

dp1.webp

Dennis e os amigos, em 'carne e osso'.

Pena é, pois, que a trama seja pouco adequada ao estilo de Dennis e companhia, cujas aventuras tendem a ter um teor mais corriqueiro e de vida quotidiana; apesar de ser compreensível o esforço por criar uma história que prendesse o interesse durante noventa minutos (e que envolvesse bandidos, claro, ou não fosse essa a fórmula do mega-êxito de Chris Columbus) neste caso, essa abordagem acaba mesmo por trabalhar contra o filme - um problema que afectou também outras obras do mesmo período, como 'Tom e Jerry - O Filme'. Isto porque a maioria dos espectadores interessados num filme de Dennis, o Pimentinha, certamente prefeririam algo mais próximo aos enredos do desenho animado e respectiva BD, com Dennis a 'torturar' involuntariamente o pobre Sr. Wilson, a discutir com a pomposa e convencida Margaret, ou a arranjar sarilhos juntamente com o inseparável amigo Joey e o carismático cão Ruff - todos os quais surgem no filme perfeitamente caracterizados, mas apenas por breves momentos, sendo a maioria da película passada só com Dennis e o vagabundo de Lloyd, o que deixa a sensação de oportunidade perdida. Assim, tal como sucederia com 'Tom e Jerry' no ano seguinte, os primeiros momentos do filme acabam por ser os melhores, já que mostram, precisamente, o que o público-alvo esperava ver de uma longa-metragem deste tipo; quanto aos restantes noventa minutos, configuram um bom filme para crianças (ou não tivesse tido a intervenção de John Hughes) mas que acaba por ficar aquém do seu potencial.

9AnwwTia1JiQH6lItJ3dSz9onvI.jpg

Ainda assim, o primeiro filme do Pimentinha conseguiu fazer sucesso suficiente para justificar a inevitável sequela exclusiva para o mercado de vídeo, cinco anos depois. Intitulada 'Dennis o Pimentinha Ataca de Novo', este segundo filme já não trazia quaisquer das estrelas envolvidas no original, nem mesmo Gamble. No seu lugar surge o desconhecido Justin Cooper (curiosamente, da mesma idade de Gamble, e como tal, igualmente 'velho' para interpretar o menino de cinco anos), ao lado de nomes consagrados da comédia americana como Don Rickles (a voz do Sr. Cabeça de Batata em 'Toy Story', aqui como o muito semelhante Sr. Wilson), Betty White (uma das célebres 'Golden Girls') ou o então 'na berra' Carrot Top, um daqueles comediantes frenéticos na linha Jim Carrey que o público americano da altura parecia adorar. A história, essa, continua na linha do original, com Dennis a tentar evitar que o igualmente travesso avô materno seja enganado por dois burlões que prometem a 'fonte da juventude'; o resultado é precisamente como se possa imaginar, com a agravante de o filme mal chegar à marca dos setenta minutos, o mínimo exigido para poder ser considerado uma longa-metragem. Não admira, pois, que esta segunda aventura não tenha jamais visto o interior de uma sala de cinema, e tenha feito todo o seu dinheiro no mercado VHS (onde, em Portugal, foi lançado em versão dobrada, tal como sucedera com o original.)

À distância de três décadas e um quarto de século, respectivamente, qualquer dos dois filmes do Pimentinha está longe de poder ser considerado um clássico infantil dos anos 90, uma década mais que prolífera nesse particular; ainda assim, ambos poderão, ainda, constituir boas escolhas para ocupar os mais pequenos durante uma tarde de chuva em casa, já que exibem todas as características que a referida demografia procura num filme, e provocarão certamente algumas gargalhadas. Nenhum deles é, no entanto, daqueles filmes de que o público mais 'crescido' poderá desfrutar juntamente com os mais novos; tratam-se, estritamente, de filmes para crianças, e qualquer adulto dará certamente por si a cabecear logo nos primeiros minutos de qualquer um deles...

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub