Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

19.01.23

Todas as crianças gostam de comer (desde que não seja peixe nem vegetais), e os anos 90 foram uma das melhores épocas para se crescer no que toca a comidas apelativas para crianças e jovens. Em quintas-feiras alternadas, recordamos aqui alguns dos mais memoráveis ‘snacks’ daquela época.

Regra geral, os produtos que abordamos nesta secção inserem-se em uma de duas grandes categorias: os nascidos nos anos 90, e aqueles que apenas duraram até, ou durante, essa época. Tal deve-se, logicamente, à proposta deste blog, que procura centrar-se sobre memórias e nostalgia específica da chamada 'geração Millennial'. Por vezes, no entanto, não é possível manter – pelo menos inteiramente – essa premissa; por vezes, há que falar de produtos que foram tão lendários para a 'nossa' geração como para a anterior, e mesmo a seguinte. O produto desta semana é – a par do Um Bongo e do Bollycao, as outras grandes excepções que abrimos a este respeito – um dos principais representantes dessa categoria de produtos transversais a portugueses de várias idades.

db2d81f737c9691621fd901ea91745ce.jpg

Embalagem moderna do produto em causa.

Trata-se do Tulicreme, o ultra-popular creme de barrar no pão cuja não menos popular mascote, o Urso Tuli, sofria precisamente nesta época da História não uma, mas duas mudanças de 'visual', cada uma das quais o afastava mais das suas raízes como representante minimamente realista (e algo andrógino) da espécie 'ursus arctos', e o aproximava das restantes mascotes (e outros personagens animados em geral) que faziam furor na época.

No entanto, ao contrário do que acontecia com outras marcas, o apelo do Tulicreme não se cingia apenas à mascote, sendo de crer que o produto tivesse sucesso mesmo sem a presença de Tuli como 'embaixador'. Isto porque o creme de barrar era, desde a sua introdução no mercado português em 1964, um daqueles 'prazeres gulosos' a quem havia pouco quem resistisse. Além disso, o teor relativamente económico do produto tornava-o uma opção popular para os lanches das crianças das gerações que com ele conviveram, fazendo o produto, a dado ponto, inclusivamente parte dos lanches oferecidos pelas escolas portuguesas.

Naturalmente, como costuma ocorrer neste tipo de situações, o sucesso do Tulicreme junto do seu público-alvo rapidamente motivou a criação de novos sabores, primeiro de avelã e, mais tarde, de caramelo (cuja recepção ficou bem aquém das expectativas, levando à sua rápida retirada do mercado, e ao regresso da sua bem mais consensual congénere à base de frutos secos). Como também era hábito, o creme rapidamente se viu associado a patronícios de entidades como o Jardim Zoológico de Lisboa (onde apadrinhava, naturalmente, os ursos) e o programa Arca de Noé, que chegou a promover um concurso em conjunto com a marca, em que os prémios de consolação consistiam de peluches alusivos ao 'novo visual' da mascote Tuli.

Capture.PNG

Um dos peluches recebidos como prémio de consolação do concurso promovido pela 'Arca de Noé' (crédito da foto: OLX)

Ao longo dos anos, no entanto, o 'estado de graça' do Tulicreme foi-se, progressivamente, deteriorando, à medida que cada vez mais nutricionistas alertavam para os malefícios do produto; ainda assim, à semelhança do Bollycao (outra 'vítima' da consciencialização alimentar do novo Milénio) o creme em causa ainda vai tendo lugar no mercado alimentício infanto-juvenil actual, levando a crer que o seu tempo de vida nas prateleiras nacionais se prolongue por, pelo menos, ainda mais uns anos, e que o mesmo continue a fazer parte da categoria de produtos 'lendários' do comércio português.

24.12.22

As saídas de fim-de-semana eram um dos aspetos mais excitantes da vida de uma criança nos anos 90, que via aparecerem com alguma regularidade novos e excitantes locais para visitar. Em Sábados alternados (e, ocasionalmente, consecutivos), o Portugal Anos 90 recorda alguns dos melhores e mais marcantes de entre esses locais e momentos.

Os Sábados marcam o início do fim-de-semana, altura que muitas crianças aproveitam para sair e brincar na rua ou no parque. Nos anos 90, esta situação não era diferente, com o atrativo adicional de, naquela época, a miudagem disfrutar de muitos e bons complementos a estas brincadeiras. Em Sábados alternados, este blog vai recordar os mais memoráveis de entre os brinquedos, acessórios e jogos de exterior disponíveis naquela década.

As 48 horas da Consoada conformam ainda hoje, para a maioria dos portugueses, uma série de tradições e rituais, normalmente levados a cabo sempre na mesma ordem; e, destas, uma das principais, tanto nos Anos 90 como hoje em dia, serve como uma espécie de 'dois-em-um' entre Saída ao Sábado e Sábado aos Saltos.

natal-portugal.jpg

Falamos do jantar de Natal em família, uma Saída de Sábado que subentende, normalmente, uma reunião de parentes de vários quadrantes da 'árvore' familiar - não só os pais e avós, mas também os tios, primos (direitos e em segundo grau) e outras figuras apenas esporadicamente vistas durante o ano; e, claro, casa cheia significa, para os membros mais novos da família, mais oportunidades de passar um belíssimo Sábado aos Saltos na companhia dos primos e outros familiares da mesma idade - mesmo antes de abertas as prendas, à meia-noite ou no dia seguinte, conforme a tradição. E no final, claro, há o jantar propriamente dito, com as suas iguarias (sejam elas peru, bacalhau ou cabrito) e sobremesas típicas desta época do ano, que continuam a tornar esta parte da experiência da Consoada tão memorável para as gerações actuais como foi para a dos seus pais, e resistente a todas e quaisquer mudanças sociais verificadas nos últimos trinta anos.

 

22.12.22

Todas as crianças gostam de comer (desde que não seja peixe nem vegetais), e os anos 90 foram uma das melhores épocas para se crescer no que toca a comidas apelativas para crianças e jovens. Em quintas-feiras alternadas, recordamos aqui alguns dos mais memoráveis ‘snacks’ daquela época.

No mundo dos negócios - como, aliás, em muitos outros - a marca de trinta anos é tão respeitável quanto rara. Àparte os grandes conglomerados e as marcas já bem estabelecidas no mercado internacional, é pouco frequente ver uma loja ou serviço manter-se não só 'viva' como 'bem de saúde' do ponto de vista financeiro durante um período de tal forma alargado - o que faz com que seja ainda mais de louvar quando tal facto se verifica, e duplamente em tratando-se de um negócio de moldes mais 'locais'.

Serve este preâmbulo para justificar o desvio momentâneo dos assuntos natalícios, a fim de aproveitar esta última oportunidade para celebrar os trinta anos de uma companhia que marcou a infância e adolescência de toda uma geração de portugueses - a Telepizza, que completou este ano, precisamente, três décadas de existência no mercado alimentar e de 'fast food' português.

brand.gif

Foi, de facto, em 1992 (um par de anos antes do McDonald's e depois da grande rival Pizza Hut) que a pizzaria cujo 'segredo está na massa' 'saltou a fronteira' da vizinha Espanha, onde surgira cinco anos antes, para fazer concorrência à 'monopolista' 'Cabana das Pizzas', e se tornar sinónima com a entrega ao domicílio deste tipo de alimento em território nacional. Com a sua 'receita secreta' de base para a massa (cujo resultado final era tão bom ou melhor que o da concorrente), o seu delicioso pão de alho e os preços bem mais 'simpáticos' que os da 'Cabana', a companhia ibérica não tardou a 'cair no gosto' dos portugueses, assumindo-se como líder na entrega ao domicílio (posto de que ainda hoje goza) e tornando-se tão omnipresente nas principais localidades do nosso país, que muita gente erroneamente acreditou tratar-se de um negócio fundado em Portugal.

O passo seguinte passou, naturalmente, pela internacionalização, ainda que tenha levado à pizzaria ibérica mais de duas décadas a extravasar as fronteiras ibéricas, e a abrir novas lojas, primeiro na América Central e do Sul, e mais tarde em países da Europa (nomeadamente o Reino Unido e a Polónia) e do Médio Oriente e Ásia do Sul. Para muitas ex-crianças portuguesas dos anos 90 e 2000, no entanto, esta companhia continuará a ser, ainda e sempre, aquela que trazia a casa, ao fim de semana, o tão esperado e apreciado disco de massa de pão com 'toppings', pronto a ser 'devorado' em família. Parabéns, Telepizza - e que contes ainda muitos mais!

01.12.22

Todas as crianças gostam de comer (desde que não seja peixe nem vegetais), e os anos 90 foram uma das melhores épocas para se crescer no que toca a comidas apelativas para crianças e jovens. Em quintas-feiras alternadas, recordamos aqui alguns dos mais memoráveis ‘snacks’ daquela época.

Numa época em que o Inverno já está declaradamente instalado, em que as temperaturas descem e os dias ficam mais curtos (tanto assim que quem tem aulas de tarde, ou trabalha em horário laboral, já regressa a casa de noite) existem certas 'comidas de conforto' a que ninguém, e ainda menos uma criança ou jovem, resiste. Dessas, uma das principais é o bom e velho chocolate quente (que não deve ser confnndido com o também bom e velho leite com chocolate, que serve funções diferentes) o qual, nos anos 90, surgia na consicência popular sobretudo através de três marcas: Suchard Express, Cola Cao e Nesquik.

1994_10400g-869x1024.jpg

download (1).jpg

download.jpg

As embalagens clássicas dos três achocolados portugueses.

E a verdade é que, embora o produto em si fosse fundamentalmente o mesmo, cada uma destas variedades apresentava um posicionamento de mercado bem distinto, que lhe garantia a fidelização de um determinado segmento de público; o Cola Cao, por exemplo, apresentava-se como uma marca algo mais 'radical' do que as outras duas, apostando numa suposta ligação ao desporto, enquanto que a Suchard apostava no classicismo e reconhecimento do nome, e a Nesquik baseava toda a sua estratégia de mercado em torno da sua memorável mascote, o Coelho Quicky (o sucessor do canguru que, à época, ainda se podia ver em painéis de patrocínio no Jardim Zoológico de Lisboa.)

Exemplos das estratégias comerciais adoptadas por cada uma das três marcas.

Assim, não é de admirar que a primeira e a última fizessem mais sucesso entre o público mais jovem, enquanto a Suchard se afirmava como a bebida achocolatada que se encontrava no armário de casa da avó, e se bebia nesse mesmo contexto. Também não é, de todo, surpreendente – tendo em conta as tendências típicas da infância e juventude – que cada uma das bebidas supramencionadas tivesse os seus 'defensores', prontos a denegrir quaisquer dos nomes concorrentes e a exaltar as virtudes da sua marca de eleição.

O que é, sim, curioso – tendo em conta as tendências de mercado tantas vezes aqui abordadas – é o facto de todas as três bebidas continuarem a constar das prateleiras dos supermercados e hipemercados nacionais, em formatos quase totalmente inalterados em relação aos de há trinta anos atrás (sendo a principal mudança uma lógica e expectável actualização gráfica.) Juntamente com produtos como o Nestum, Cerelac ou Tulicreme (de que aqui paulatinamente falaremos) estas marcas de achocolatados continuam a 'resistir ainda e sempre ao invasor', constituindo um dos poucos elos de ligação restantes a uma época que, cada vez mais, vai desaparecendo da vida quotidiana dos portugueses...

 

10.11.22

Todas as crianças gostam de comer (desde que não seja peixe nem vegetais), e os anos 90 foram uma das melhores épocas para se crescer no que toca a comidas apelativas para crianças e jovens. Em quintas-feiras alternadas, recordamos aqui alguns dos mais memoráveis ‘snacks’ daquela época.

No próximo dia 14 de Novembro, celebra-se o feriado de São Martinho, uma data que, derivado da lenda que a inspira, fica indelevelmente ligada a um alimento em particular: as castanhas assadas. No entanto, a referida festa está longe de ser a ÚNICA ocasião em que se consomem os deliciosos frutos secos – pelo contrário, qualquer cidadão português que se preze aproveita qualquer desculpa para comer mais uma dose das mesmas.

Em décadas transactas, um sem-número de vendedores ambulantes compreenderam isto mesmo, e investiram numa profissão que, apesar de apenas ser lucrativa uma vez por ano, não deixava de render dividendos no período entre o regresso às aulas e o Natal. Com os seus carrinhos munidos de forno a carvão, prontos a produzir mais uma fornada de 'quentes e boas' em matéria de poucos minutos, os saudosos 'senhores das castanhas' foram, em tempos não muito distantes, presença frequente em qualquer esquina urbana do País, para gáudio da clientela de todas as idades. E a verdade é que a experiência de combater o frio da rua com uma dose de castanhas tão quente que quase queimava as mãos, servida no tradicional cone de jornal (normalmente composto de uma parte da secção de Classificados) terá, sem qualquer dúvida, marcado a infância e juventude de milhares de jovens portugueses, não só em finais do século XX como também em décadas anteriores.

ft_castanhas1 (1).jpg

Uma visão em tempos comum nas ruas portuguesas, e hoje praticamente desaparecida

Com o passar dos anos e o dealbar do novo Milénio, no entanto, deu-se um fenómeno algo entristecedor: os vendedores de castanhas começaram, gradualmente, a desaparecer das ruas do País. Se tal teve a ver com o aumento de preço da matéria-prima (da última vez que foram vistos, estes carrinhos cobravam uns exorbitantes dois euros por dose) ou com regras de higiene respeitantes à confecção das castanhas ou aos embrulhos feitos de páginas de jornal (motivo que também 'matou' esta prática no contexto do tradicional 'fish and chips', no Reino Unido) é um enigma ainda hoje por desvendar: seja qual fôr a razão, no entanto, a verdade é que os carrinhos que em tempos popularam as ruas das cidades portuguesas no início do Inverno se encontram, hoje, totalmente extintos, não havendo já sequer um 'Astérix' que resista ainda e sempre à adversidade (em Lisboa havia um, na Praça de Londres, mas mesmo ele acabou por 'aposentar' o carrinho há já alguns anos). Uma pena, dada a presença que estes vendedores tradicionalmente tiveram na 'vida de rua' portuguesa, e um fenómeno algo surpreendente, dado o pendor turístico de cidades como Lisboa e o Porto, que privam assim não só os locais, como os turistas de uma experiência tradicional e autêntica do Inverno português. Resta, pois, às gerações que ainda compraram castanhas a estes senhores preservar a memória dessa figura icónica, e assegurar-lhe o lugar que bem merece na História da vida quotidiana contemporânea portuguesa.

13.10.22

NOTA: Por motivos de relevância, esta semana, trocaremos a ordem das Quintas ao Quilo com as do Quiosque; estas últimas voltarão para a semana.

Todas as crianças gostam de comer (desde que não seja peixe nem vegetais), e os anos 90 foram uma das melhores épocas para se crescer no que toca a comidas apelativas para crianças e jovens. Em quintas-feiras alternadas, recordamos aqui alguns dos mais memoráveis ‘snacks’ daquela época.

Reza um velho ditado que 'uma imagem vale mais do que mil palavras', e tal axioma torna-se ainda mais verdadeiro num meio maioritariamente visual, como é o caso da Internet. No entanto, como também  demonstrámos, por experiência própria, nas páginas deste mesmo 'blog', certos itens nostálgicos parecem ter sido Esquecidos Pela Net, sendo praticamente impossível encontrar imagens dos mesmos sem recorrer a meios próprios e mais 'artesanais'. E se, até agora, nos havíamos conseguido 'desenrascar' nesse capítulo, no que toca ao assunto do 'post' de hoje, confessamo-nos derrotados; por mais que se procure, NÃO existem na 'net' quaisquer imagens do artigo em causa.

Falamos do sumo de frutas de Astérix comercializado em Portugal em finais dos anos 90, que apenas a memória de o consumir numa ou outra festa de anos nos impede de classificar como uma memória falsa, ou figmento da imaginação. Essa mesma memória diz-nos, ainda, que o referido sumo era vendido em pacotes 'Tetrapak', ao estilo dos do Um Bongo ou Fresky (bebidas com que muito se assemelhava, até em termos de sabor) ilustrados com a famosa imagem do guerreiro gaulês a beber a poção mágica e a sentir, de imediato, os seus efeitos, ao mais puro estilo Red Bull. Tal como no caso dos concorrentes supracitados, esta imagem era comum aos dois ou três sabores em que o sumo era comercializado (os habituais tutti-frutti, laranja, e possivelmente também de ananás, embora a nossa memória já remota não permita ter a certeza) sendo a cor da 'lombada' a única forma de os distinguir.

Em termos de gosto, conforme já referimos, o sumo Astérix ficava extremamente próximo dos seus congéneres e companheiros de escaparate, não passando de um sumo de frutas industrial mediano, sem nada que o notabilizasse, quer pela positiva, quer pela negativa; o principal aspecto diferenciador era, mesmo, a licença, que apanhava ainda a ponta final do ressurgimento da popularidade de Astérix, Obélix e restantes irredutíveis gauleses. Talvez por isso a longevidade deste sumo no mercado português tenha sido curta, e o seu impacto reduzido o suficiente para o inserir, firmemente, na categoria dos Esquecidos Pela Net. Ainda assim, e pese embora a falta de imagens, não podíamos deixar passar em claro aquele que era ainda outro dos muitos produtos com os personagens de Goscinny e Uderzo a surgir na esteira do 'renascimento' destes últimos – ainda que, neste caso, se tratasse de um dos menos memoráveis...

08.09.22

Todas as crianças gostam de comer (desde que não seja peixe nem vegetais), e os anos 90 foram uma das melhores épocas para se crescer no que toca a comidas apelativas para crianças e jovens. Em quintas-feiras alternadas, recordamos aqui alguns dos mais memoráveis ‘snacks’ daquela época.

A experiência de ingressar oficialmente na escola é sempre um marco para qualquer criança, independentemente da nacionalidade ou do período em que viveu - sobretudo pelo sem-fim de trâmites e rituais que acarreta, da aquisição do material e roupa à mudança de rotinas diárias, até então, aparentemente imutáveis. Uma destas rotinas é, precisamente, a da refeição à mesa familiar, que, para muitas crianças, se torna a excepção, em vez da regra, a partir do momento em que iniciam o pré-escolar ou a instrução primária.

Como forma de 'suavizar' esta transição, e de colmatar quaisquer falhas na alimentação das crianças decorrentes da mesma, a Direcção Geral de Educação portuguesa inaugurou, ainda em finais dos anos 70, um programa que visava a distribuição, em escolas primárias e preparatórias, de cerca de dois decilitros de leite a cada aluno, sendo os mesmos, a princípio, criados sobre o lume a partir de leite em pó e, mais tarde, providenciados nas 'caixinhas' Tetrapak com que este tipo de produto alimentício viria a ficar conotado em décadas subsequentes.

a797t1tslhe91.jpg

As pequenas 'obras de arte' descartáveis em que o leite era distribuído.

Foi neste formato que o Leite Escolar (como era, singelamente, apelidado) penetrou na infância das crianças da época a que este blog diz respeito, e é precisamente por ele que é, por elas, nostalgicamente recordado; isto porque o principal motivo de interesse deste leite não era o sabor (que não suplantava a mediania entre os leites com chocolate da época) mas sim a forma como os pacotinhos eram decorados – no caso, com desenhos criados por outras crianças, que davam a cada caixinha um aspecto distinto, e que quase faziam ter pena de a deitar fora depois de vazia - haverá aliás, quase certamente, quem se tenha mesmo dado ao trabalho de guardar as caixinhas, dispondo hoje, assim, de uma colecção que talvez até valha algum dinheiro. Já para quem tinha menos sensibilidades artísticas, a principal memória deste leite será do estampido que o pacote vazio fazia quando se lhe aterrava em cima a pés juntos – um barulho que, certamente, muita gente estará neste preciso instante a 'ouvir' mentalmente, após o ter provocado (ou com ele se ter assustado) na sala de aula da infância.

Curiosamente, ao contrário de muitos dos alimentos que aqui têm vindo a ser recordados, o Leite Escolar ainda existe, continuando a ser distribuído em escolas de Norte a Sul do País exactos 45 anos após a criação do programa – embora, actualmente, apenas em agrupamentos que optem por aderir à iniciativa. Ainda assim, haverá pouco quem dispute (sobretudo entre a demografia a que este blog possa interessar) que o programa teve o seu auge em finais do século e milénio passados, quando as caixinhas distribuídas duas vezes por dia marcaram época entre as crianças de então...

21.07.22

Todas as crianças gostam de comer (desde que não seja peixe nem vegetais), e os anos 90 foram uma das melhores épocas para se crescer no que toca a comidas apelativas para crianças e jovens. Em quintas-feiras alternadas, recordamos aqui alguns dos mais memoráveis ‘snacks’ daquela época.

Hoje ligados a uma vertente mais dietética e 'fitness', os iogurtes líquidos apontavam, nos anos 90, a um público mais jovem, como aliás acontecia à época com a maioria dos produtos do mesmo tipo; longe dos grafismos sóbrios, adultos e 'chatos' de hoje em dia, produtos como o Yop e o Yoggi – os dois líderes de mercado – apostavam em logotipos atractivos e elementos ligados a uma atitude jovem e até 'radical', com vista a atrair um público que, na verdade, já se rendera à combinação vencedora de sabor, saúde e conveniência apresentada por estes produtos.

A tentativa mais declarada neste sentido, no entanto foi feita por uma das outras líderes de mercado, a Danone, cuja entrada no mercado dos iogurtes líquidos se fez com um produto que, mais do que sugerir uma atitude progressiva e 'cool', a exibia aos quatro ventos, num daqueles exageros de 'marketing' que não mais se veriam após os primeiros anos do novo milénio.

Capture1.PNG

Um daqueles anúncios modelo 'ver para crer' - e a única prova de que o B Cool existiu disponível na Internet neste momento!

Posicionando-se como uma resposta alternativa e 'fixe' às bebidas 'quadradas' até então disponíveis (representadas nas publicidades por um sumo Tetra-Pak, que fazia as vezes dos verdadeiros alvos, as competidoras) a fabulosamente denominada B Cool apresentava, numa só embalagem, todos os elementos que a cultura popular de hoje em dia associa à primeira metade dos anos 90, do referido nome ao esquema de cores deliberadamente berrante e às designações alternativas dadas a cada um dos sabores disponíveis, como 'Sunrise' – tudo com o âmbito de se fazer valer como mais do que aquilo que era: um bom iogurte líquido, nem pior nem melhor do que os competidores mais estabelecidos, ainda que permitisse provar alguns sabores ligeiramente mais exóticos.

Ironicamente, apesar de todo o 'marketing' e das tentativas quase cómicas de captar a atenção do público-alvo, o B Cool teria uma vida relativamente curta nas prateleiras dos supermercados – tanto assim que, hoje em dia, faz parte do selecto grupo dos Esquecidos Pela Net, tendo sido necessário recorrer a uma captura de ecrã retirada de uma digitalização em PDF para ilustrar este post. Ainda mais ironicamente, o iogurte que tomaria o lugar deste produto (muito) do seu tempo – o delicioso Dan'Up - apresentaria um grafismo muito mais sóbrio, valendo-se, não de quaisquer truques de marketing, mas antes do nome e reputação do fabricante e de uma combinação invulgar e deliciosa de sabores (morango e banana) para encontrar o seu público, não sendo, pois, de surpreender que continue a ser comercializado até aos dias de hoje. Quanto ao seu irmão mais velho, a sua curta e pouco memorável existência serve de advertência a companhias que dêem primazia a um estilo de marketing imediatista e rapidamente datado, sobre outro mais sóbrio e intemporal: embora a táctica tenda a resultar num primeiro momento, o mais provável é que o produto em causa rapidamente caia no esquecimento quando a referida abordagem 'passar de moda' - como foi, claramente, o caso com o B Cool...

30.06.22

Todas as crianças gostam de comer (desde que não seja peixe nem vegetais), e os anos 90 foram uma das melhores épocas para se crescer no que toca a comidas apelativas para crianças e jovens. Em quintas-feiras alternadas, recordamos aqui alguns dos mais memoráveis ‘snacks’ daquela época.

Dizer que os anos 90 foram um tempo diferente é mais do que apenas um chavão; de facto, os últimos trinta anos viram tomar efeito na sociedade ocidental um número considerável de mudanças (para melhor) ao nível da tolerância à diversidade e da compreensão das diferenças, transversais a todos os sectores da sociedade, e com impacto considerável sobre cada um dos mesmos. O 'marketing' e design de produto não foi, de todo, excepção a esta regra, estando a maioria das companhias, hoje em dia, atenta ao aspecto sócio-cultural dos bens que comercializam, de modo a não ofender – intencional ou acidentalmente – qualquer minoria ou grupo de risco.

Serve isto para dizer que, nos dias que correm, seria praticamente impossível ver surgir nas prateleiras nacionais ou internacionais um produto como os Conguitos, que até nos mais 'insensíveis' anos da viragem do milénio chamava a atenção pela sua embalagem, e sobretudo pela sua mascote – um indígena africano estereotipado, de lança em riste, que certamente suscitaria, hoje, um sem-número de artigos de opinião, e colocaria a empresa responsável (a espanhola Lacasa) em riscos de 'cancelamento'.

202856660_tcimg_BB1BCBDE.jpg

Mesmo há trinta anos, isto era 'puxado'...

Há trinta anos, no entanto, a embalagem até parecia combinar bem com as pequenas drageias de chocolate contidas no interior do pacote, e com o nome escolhido para as mesmas. Quem olhasse com mais atenção, aliás, veria que a mascote representava, na verdade, uma versão antropomórfica do próprio doce; ainda assim, como diz o ditado, no entanto, são as primeiras impressões que contam, e nesse aspecto, a Lacasa ficava muito mal na fotografia.

Mais surpreendente é verificar que, hoje em dia, a imagem dos Conguitos permanece essencialmente imutável - embora a mascote tenha perdido os elementos declaradamente africanizantes, a única outra alteração foi uma passagem do desenho tradicional para o CGI. Ou seja, a Lacasa continua, voluntariamente, a incorrer risco de boicote por parte da geração 'woke', mesmo estando ciente do panorama social de hoje em dia – uma opção surpreendente e que, para alguns, poderá mesmo influenciar a sua opinião do próprio produto alimentício. Para quem os comeu na infância, no entanto, os Conguitos continuarão, provavelmente, a ser apenas um chocolate perfeitamente aceitável (muito longe do nível dos ovos Kinder ou dos Galak Buttons) em que o principal chamariz estava mesmo na quase absurdamente datada mascote...

09.06.22

Todas as crianças gostam de comer (desde que não seja peixe nem vegetais), e os anos 90 foram uma das melhores épocas para se crescer no que toca a comidas apelativas para crianças e jovens. Em quintas-feiras alternadas, recordamos aqui alguns dos mais memoráveis ‘snacks’ daquela época.

IMG_5564_listagem.png

Tradicionalmente, uma das melhores maneiras de vender um produto ao segmento jovem é ter um ângulo apelativo ou, alternativamente, um 'truque na manga'. A maioria das crianças e jovens é extremamente susceptível até mesmo a uma pequeníssima inovação, pelo que tentar destacar-se da concorrência é 'meio caminho andado' para o sucesso.

Foi precisamente isto que o químico americano William A. Mitchell percebeu, e utilizou a seu favor, em meados da década de 1950; no caso, a proposta era um tipo de doce composto de açúcar, lactose, xarope de milho, condimentos, e um tratamento especial que fazia com que, ao contactar com a língua, se desencadeasse um efeito borbulhante e levemente picante, semelhante ao de uma minúscula explosão química. O resultado, patenteado logo nesse ano, levou o nome de Pop Rocks.

Sim, esses mesmos – aqueles docinhos 'explosivos' que, segundo um mito urbano vigente na cultura popular norte-americana, não se devem misturar com Coca-Cola, sob pena de ocorrer uma explosão no estômago; este mito foi, aliás, responsável pelo pouco sucesso desta guloseima aquando do seu lançamento original, em 1979, uns espantosos VINTE E TRÊS ANOS depois da patente ter sido registada.

O fraco desempenho destes doces no seu mercado original não impediu, no entanto, a empresa espanhola Zeta Espacial de adquirir os direitos de produção e distribuição para a Europa Latina, onde os mesmos surgiriam, ainda na década de 80, com o nome pelo qual ficaram conhecidos junto das crianças ibéricas daquele tempo: Peta Zetas.

Sem qualquer mito urbano para impedir a sua popularidade, o renomeado doce encontrou significativo sucesso no seu novo mercado – embora nem todos se atrevessem a colocar uma mão-cheia de Peta Zetas na boca, a 'novidade' de um doce que 'explodia' na boca era suficiente para fazer a maioria dos jovens ultrapassar as suas reservas, e experienciar por si mesmo a referida sensação.

Este efeito não se produziu, aliás, apenas na Península Ibérica; de facto, uma das principais idiossincrasias do produto é ter, após a venda à Zeta Espacial por parte da General Foods, voltado a ser exportado para os EUA, agora sob o nome Frizz Wiz, e gozado de sucesso considerável entre o mesmo público que pouca atenção lhes ligara poucos anos antes! Por sua vez, este sucesso levou a que a marca fosse adquirida pela Kraft Foods, que, em 1985, lança uma terceira versão do doce nos EUA, agora com o nome de 'Action Candy' – e novamente sem conseguir grande sucesso!

Por muito estranha que tenha sido o seu percurso além-mar, no entanto, na Península Ibérica, as Peta Zetas continuaram a fazer sucesso junto dos jovens durante largos anos, não sendo portanto de estranhar que, mesmo sem nunca terem conseguido o estatuto 'perene' de congéneres como os Sugus ou Smarties, se continuem a contar ainda hoje como uma referência nostálgica de alguma monta para a geração que com elas cresceu.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub