Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

16.03.22

A banda desenhada fez, desde sempre, parte da vida das crianças e jovens portugueses. Às quartas, o Portugal Anos 90 recorda alguns dos títulos e séries mais marcantes lançados em território nacional.

Apesar de, nos anos 90, o mercado de banda desenhada 'mainstream' em Portugal estar dominado por revistas infantis, muitas delas oriundas ou adaptadas de publicações brasileiras, a verdade é que, a um nível mais artístico, 'underground' e adulto, o nosso país era pródigo na produção de nomes minimamente interessantes. Embora fosse muito pouco provável que alguma criança daquele tempo soubesse quem eram António Jorge Gonçalves ou Carlos Roque – mesmo tendo, potencialmente, tido contacto com as suas obras por um ou outro meio – a verdade é que ambos se tratavam de ilustradores extremamente conceituados no meio, tanto dentro de portas como a nível internacional.

Relvas II.jpg

O mesmo se podia dizer de um outro nome conhecido de quem acompanhava o meio desde as décadas anteriores, mas totalmente inexpressivo para qualquer leitor que ainda não tivesse atingido a maioridade, ou pelo menos a adolescência: Fernando Relvas. E, ainda mais do que no caso dos seus congéneres e contemporâneos acima citados, esta estranheza era não só perdoável como justificada, já que o desenhista, na activa desde os anos 70 e que se notabilizou no pós-25 de Abril, se tinha até então dedicado sobretudo ao 'cartoon' político, um meio que dificilmente interessa às crianças e jovens ainda em idade escolar.

relvas_f_espiaoacacio.gif

Um dos 'cartoons' políticos por que Relvas se notabilizou

Apesar de ter na caricatura política o seu maior foco, no entanto, a carreira de Relvas não se ficava por aí: nos anos 80, chegou a colaborar com a edição portuguesa da famosa revista 'Tintin', e teve lugar cativo no jornal Se7e, com tiras como Karlos Starkiller. E apesar de, nos anos 90, a sua fama se ver restrita a redutos bem menos conhecidos ou conceituados (nomeadamente a revista LX Comics e o jornal O Inimigo) a verdade é que a produção de Relvas não diminuiu, tendo o desenhador lançado nesse período metade da sua obra total em álbum – no total, foram cinco títulos entre 1993 e 1998 (um deles, de 1997, uma adaptação em álbum das aventuras de Karlos Starkiller) tendo os dois primeiros – 'Em Desgraça', de 1993, e 'O Nosso Primo em Bruxelas', de 1995 - sido lançados por grandes editoras, nomeadamente a Asa e os Livros Horizonte.

12711352.jpg

Capa de 'O Nosso Primo em Bruxelas', de 1995

E apesar de, novamente, nenhum destes títulos ter dito muito às crianças da época, a verdade é que Relvas continuou a ter projecção suficiente no mercado da BD para lançar, no novo milénio, outros tantos títulos (vários deles premiados em eventos da especialidade) e até para expandir a sua lista de competências a um campo adjacente, o da animação, através de uma colaboração com a Animanostra - um dos principais estúdios nacionais do meio - com quem realizou, em 2004, a curta-metragem 'Fado na Noite', ainda hoje a sua única aventura audio-visual.

MV5BYjUwZThjMTgtOWNlMC00ZTZiLThlNzYtOGY3ODQyZTRmM2

Cartaz para a 'curta' de Relvas, num estilo pouco habitual para a Animanostra

Desde então até à sua morte em 2017, Fernando Relvas continuou a construir uma carreira honrosa como autor de álbuns de banda desenhada, incluindo mais uma adaptação para álbum de uma das suas grandes obras, 'Rosa Delta Sem Saída', originalmente publicada em 1980 na revista 'Tintin'. Os 'cartoons' de jornal com que se afirmou em décadas transactas, esses, ficaram um pouco de parte, numa altura em que o próprio jornalismo se começava a tornar obsoleto, e a Internet não era ainda o recurso que é hoje. Não obstante esse desaparecimento da consciência popular, no entanto, Relvas terá terminado a vida com a sensação (justa) de ter tido uma carreira digna de figurar nos anais da História da BD em Portugal...

05.01.22

NOTA: Este post teve como referência de pesquisa os blogs Divulgando Banda Desenhada e Blog da Banda Desenhada. As imagens utilizadas são retiradas destes blogs, e devidamente creditadas.

A banda desenhada fez, desde sempre, parte da vida das crianças e jovens portugueses. Às quartas, o Portugal Anos 90 recorda alguns dos títulos e séries mais marcantes lançados em território nacional.

As revistas semanais com conteúdos divididos entre informações sobre a grelha de programação televisiva, 'fofocas' sobre celebridades e rubricas de carácter geral foram, a par da própria televisão, um dos meios de comunicação mais omnipresentes do último quarto do século 20, sendo presença assídua quer em casas particulares, quer nas mesas da sala de espera de consultórios, cabeleireiros, ginásios e outros serviços afins. Por sua vez, esta dispersão permitiu às publicações em causa abrangerem os mais diversos tipos de público, das donas de casa a que principalmente se destinavam até uma demografia mais jovem, que muitas vezes as lia em casa de familiares, ou enquanto acompanhava os ditos familiares aos locais acima descritos.

Assim, não é de espantar que pelo menos uma das referidas revistas se tenha procurado aventurar no mundo dos suplementos juvenis; tratava-se da TV Guia, uma das mais populares publicações do género, que a partir de Julho de 1996 veiculou entre as suas páginas um suplemento descartável com banda desenhada e passatempos, singelamente apelidado TV Guia Júnior.

2.6.jpg

Página frontal do primeiro número do suplemento (Crédito: http://divulgandobd.blogspot.com/)

Composta por quatro páginas, das quais uma de passatempos, esta algo esquecida iniciativa serviu, acima de tudo, como mostruário para o trabalho de um dos poucos criadores de BD declaradamente infantil em Portugal: o entretanto malogrado Carlos Roque, cujo trabalho mais notável se desenvolveu no estrangeiro, nomeadamente na Bélgica, como parte das equipas das históricas revistas de BD 'Tintin' - que chegou a ter edição portuguesa entre meados dos anos 60 e inícios da década de 80 - e Spirou.

Carlos Roque.jpg

Carlos Roque, autor dos conteúdos do suplemento, chegou a trabalhar com alguns dos maiores nomes da BD franco-belga, como membro das revistas 'Tintin' e 'Spirou' (Crédito da imagem: http://bloguedebd.blogspot.com/)

Em território nacional, Roque teve de se contentar com trabalhos em bem menor escala, pelo menos em termos de visibilidade, mas não deixou créditos por mãos alheias: para o suplemento TV Guia Júnior, foram criadas (pelo 'cartoonista' e a sua mulher, a belga Monique) uma série episódica, com continuação de uma semana para a outra, e duas de 'gags' avulsas, 'Tropelias de Malaquias' (cujo protagonista não escondia a inspiração em Dennis the Menace, da histórica publicação inglesa 'Beano') e outra centrada em torno de uma paródia de Mandrake, baptizada. bem ao estilo das BDs da época, com o pouco subtil nome de Patrake. Em todas elas, era evidente o cuidado e dedicação que Roque trazia para o seu trabalho, fazendo com que valesse bem a pena investir uns minutos todas as semanas a inteirar-se das novas aventuras de cada um destes grupos de personagens.

20110104144910087_0012.jpg

Uma tira de 'Patrake, o Mágico' (Crédito da imagem: http://bloguedebd.blogspot.com/)

Roque não se ficou, no entanto, pela criação de todas as BDs do suplemento; o 'cartoonista' português seria também responsável pela página de passatempos, assegurando assim o monopólio criativo de todos os conteúdos inseridos naquelas quatro páginas. E a verdade é que o 'TV Guia Júnior' não ficou a perder por isso, antes pelo contrário - tivesse Roque a publicidade e fama de que gozavam alguns dos nomes com quem trabalhara na Bélgica, os fascículos deste suplemento constituiriam, hoje em dia, artigos de coleccionador altamente procurados; sem esse mesmo renome, no entanto, Carlos Roque acaba, para toda uma geração, por ficar somente associado a um suplemento pouco lembrado, oferecido durante um Verão por uma revista popularucha - uma pena, pois como os conteúdos deste suplemento bem demonstram, tratava-se de um talento ao nível de qualquer daqueles.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub