Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

17.11.23

Os anos 90 estiveram entre as melhores décadas no que toca à produção de filmes de interesse para crianças e jovens. Às sextas, recordamos aqui alguns dos mais marcantes.

Um dos géneros cinematográficos e televisivos mais frequentemente associados com os anos 90 é o do humor escatológico e politicamente incorrecto. Se, nos anos 80, Hollywood se tinha tornado obcecada com as experiências recreativas e sensuais de personagens adolescentes, na década seguinte, foram as funções corporais que mais foco tiveram nas suas produções, algumas das quais herdavam moldes oitentistas e os actualizavam com ainda mais piadas, literalmente, porcas (como 'American Pie – A Primeira Vez') enquanto que outros aplicavam essa fórmula a géneros, à primeira vista, incompatíveis com o mesmo, como as comédias românticas.

image.webp

O filme desta Sexta como parte da colecção de VHS da TV Guia, já no século XXI.

Talvez o mais famoso e bem-conseguido exemplo desta última categoria estreava em Portugal há quase exactos vinte e cinco anos (no penúltimo dia de Outubro de 1998) e viria a afirmar-se como um sucesso não só durante a sua exibição original como também em décadas subsequentes, nas quais continuou em alta rotação no mercado de vídeo e DVD, bem como na televisão, e reteve a sua relevância no contexto de conversas sobre cinema. Falamos de 'Doidos Por Mary', o filme mais conhecido por incluir uma cena em que, durante um jantar romântico, a personagem principal aplica o que pensa ser gel no cabelo, passando as cenas seguintes com um penteado tão estranho como icónico.

MV5BNjcxNzg4ODU0Nl5BMl5BanBnXkFtZTYwNjY1NDY3._V1_.

A cena que imortalizou e catapultou a película dos irmãos Farrelly.

Há, no entanto, mais atractivos do que apenas uma piada bem conseguida no filme dos irmãos Farrelly, eles próprios mestres do estilo escatológico, ou 'gross-out'. Isto porque, em meio a todas as piadas sobre fluidos usados de forma mais do que indevida, o filme traz uma mensagem até algo feminista, em que os personagens mais abertamente misóginos ou machistas (ou mesmo apenas falsos) são prontamente desmascarados, e sofrem as consequências pelas suas acções, sendo o personagem mais genuíno e honesto, ainda que menos atraente ou atractivo (o Ted de Ben Stiller), o escolhido pela titular Mary, um dos papéis mais icónicos da lindíssima Cameron Diaz, uma beldade sem medo de gozar consigo própria, como bem o comprova a cena acima descrita.

É, precisamente, esse balanço entre piadas hilariantemente absurdas (nem todas escatológicas – também há aqui alguns óptimos diálogos) e uma vertente mais honestamente sentimental que ajuda a tornar 'Doidos Por Mary' um clássico num campo sobrepovoado, mas em que a maioria dos filmes têm dificuldade em gerir esta dicotomia; como tal, e ainda que nem tudo tenha 'envelhecido' bem no filme dos Farrelly, o mesmo continua a ser uma excelente escolha para ver com os amigos ou familiares, acompanhado de bebidas e aperitivos, ou mesmo como Sessão de Sexta em conjunto com um parceiro com tanto sentido de humor quanto a personagem feminina – pela qual é bem possível que fiquem, também eles, 'Doidos'...

 

05.06.21

Os anos 90 estiveram entre as melhores décadas no que toca à produção de filmes de interesse para crianças e jovens. Às sextas, recordamos aqui alguns dos mais marcantes.

Em finais de 1994 e inícios de 1995, um inusitado filme de comédia captava a curiosidade das crianças portuguesas, graças a uma premissa original e a uma campanha de marketing extremamente bem estruturada e orquestrada, toda ela centrada em torno do personagem principal, um monstrengo verde, de fato amarelo-canário, com todo um arsenal de frases-feitas e piadas prontas a disparar ao ritmo de cinco ou dez por ‘trailer’.

download.jpg

Falamos, é claro, de ‘A Máscara’, filme que viria a lançar as carreiras não de um, mas de dois futuros pesos-pesados de Hollywood. O principal, claro está, seria Jim Carrey, o homem por baixo da maquilhagem verde, e capaz de recriar todas as ‘caras e bocas’ do Máscara sem recurso a quaisquer técnicas de computador – habilidade que, basicamente, lhe valeu a carreira, pelo menos até se conseguir afirmar como actor ‘sério’ com os seus papéis em ‘O Despertar da Mente’, ‘The Truman Show’ e ‘O Homem na Lua’. A seu lado, como principal interesse romântico do ‘nerd’ Stanley Ipkiss estava, no entanto, outra futura ‘megastar’, uma jovem de 21 anos de ascendência cubana que obtinha ali o seu primeiro papel de destaque. O seu nome? Cameron Diaz…

Mesmo com a bombástica loira a desviar ocasionalmente as atenções, no entanto, não restam qualquer dúvidas de que ‘A Máscara’ é o filme de Carrey. Depois de efectivada a transformação que dá azo aos restantes acontecimentos, é raro o momento em que a câmara se desvia do tresloucado ‘boneco’ que corre, pula, rodopia, canta e diz dichotes, claramente deliciado pela oportunidade de o fazer - com a apoteose a surgir na famosa cena em que o personagem interpreta um número de 'cabaret'.

 

 

 

O 'Máscara' é, para todos os efeitos, um desenho animado vivo - o tipo de personagem tresloucado, hiperactivo e 'espertalhaço' que as crianças daquela época se haviam habituado a ver nos seus desenhos animados de eleição, com claras semelhanças tanto com Beetlejuice (outro favorito das crianças cuja vida havia começado numa comédia negra para adultos) como com Freakazoid.

O conceito de um 'cartoon' de carne e osso não podia, evidentemente, deixar de agradar ao público infanto-juvenil - e foi isso mesmo que se verificou, com 'A Máscara', ironicamente planeado como comédia negra para adultos, a tornar-se o novo ‘filme-que-tem-de-se-ver’ dos recreios por esse país afora – e, verdade seja dita, um pouco por todo o Mundo também. Pouco tempo depois da estreia do filme, o seu personagem principal era já objecto de uma série animada – o sinal inequívoco de que algo ‘pegou’ entre a miudagem – e de algum merchandise, incluindo bonecos de acção, outro sinal claro de interesse infanto-juvenil. Enfim, tal como outra famosa propriedade intelectual da época , também ela baseada numa BD de humor negro para adultos, este filme e o seu protagonista foram alvo de uma acentuada ‘infantilização’ imediatamente após o seu lançamento – a qual, tal como no outro caso citado, acabou por render dividendos a longo-prazo.

                                           e6f139b08f7cfe8acf068faaf4fd3ae8.jpgimages.jpg

Algumas das figuras de acção alusivas ao filme e à respectiva série animada.      

De facto, ainda que tivesse ‘condenado’ Carrey a vários anos de papéis baseados em ‘caretas’ e exageros, não há dúvida de que este filme foi uma enorme bênção para a carreira do norte-americano, que, sem ele, talvez nunca tivesse atingido os níveis de sucesso que mais tarde conheceu (o mesmo se passando, aliás, com Cameron Diaz, a quem um falhanço de bilheteira poderia, literalmente, ter 'afundado' a carreira de actriz ainda antes de esta ter começado).

Independentemente do furor que causou à época da sua estreia, no entanto, a pergunta que se impõe vinte e sete anos depois de o filme ter causado sensação pelo Mundo fora, é: afinal, ‘A Máscara’ é ou não um bom filme? E a resposta é, ainda, um inequívoco ‘sim’. Seja como comédia de humor negro ou como ‘cartoon’ de acção real tresloucado, o filme continua a constituir uma excelente forma de passar uma hora e meia, a dar umas gargalhadas, admirar as pernas da Cameron Diaz (que nunca esteve tão bonita) e recordar a loucura que o filme suscitou nos tempos da nossa infância. Em suma, e como diria o próprio personagem, o filme continua ‘SSSSSSSSSmokinnnnnn’!’

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub