Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

28.06.21

NOTA: Este post corresponde a Sábado, 26 de Junho de 2021.

As saídas de fim-de-semana eram um dos aspetos mais excitantes da vida de uma criança nos anos 90, que via aparecerem com alguma regularidade novos e excitantes locais para visitar. Em Sábados alternados, o Portugal Anos 90 recorda alguns dos melhores e mais marcantes de entre esses locais.

E para terminar em beleza a ‘semana europeia’, nada melhor que recordar um dos momentos mais excitantes na vida de um pequeno adepto: o visionamento de um jogo, não em casa na televisão, mas ‘ao vivo’, fosse no próprio estádio ou (mais frequentemente) no café da esquina, entre vizinhos e conhecidos.

Ambas estas vertentes tinham os seus atractivos, embora os mesmos fossem, necessariamente, muito diferentes. A experiência de ir ao estádio (que nem todos chegavam a viver, e a maioria muito raramente) tinha a seu favor todo o ‘frisson’ inerente a uma saída ‘especial’, muitas vezes aliada ao atractivo da compra do inevitável cachecol, boné ou camisola do clube do coração, e da ainda mais inevitável combinação de sandes-e-sumo, fosse antes do jogo, fosse durante o intervalo; depois,  havia também a emoção de ver os jogadores ‘ao vivo e a cores’ (embora, muitas vezes, do tamanho de bonecos) e de sofrer ou exultar em uníssono com centenas ou até milhares de estranhos, unidos apenas por uma cor e credo, fosse clubístico ou patriótico. E, no dia seguinte, havia ainda a alegria de se poder ‘gabar’ na escola aos que não tinham podido ir, ou comparar experiências com os que lá tivessem estado – uma parte imprescindível deste tipo de experiência, envolvesse ela o que envolvesse.

ew6wncxk28qt.jpg

Os jogadores parecem bonecos, mas...who cares?! ALLEZ ALLEZ!!

Já o ‘jogo no café’, embora mais corriqueiro e, como tal, menos emocionante, tinha a seu favor o ambiente bem mais descontraído e familiar, que se traduzia sobretudo em oportunidades frequentes de comentar o jogo com os presentes, trocar ‘galhardetes’ e picardias, e em geral estar bastante mais à vontade do que se estaria rodeado de estranhos, num estádio gigantesco. E, claro, a combinação sandes-e-sumo (ou bolo-e-sumo, porque havia jantar em casa) estava também inevitavelmente presente, embora neste caso o cachecol, camisola ou boné tivessem de ser trazidos de casa.

we-braga-spots-futebol04-min.jpg

Mais plasma menos plasma, está tudo mais ou menos na mesma...

Em suma, duas Saídas de Sábado bem diferentes, mas ambas extremamente gratificantes para qualquer criança dos anos 90 – e, suspeitamos, também para as actuais. Afinal, apesar de todos os avanços tecnológicos dos últimos vinte anos, estas são daquelas experiências que se mantêm, fundamentalmente, inalteradas…

30.05.21

NOTA: Este post corresponde a Sábado, 29 de Maio de 2021.

As saídas de fim-de-semana eram um dos aspetos mais excitantes da vida de uma criança nos anos 90, que via aparecerem com alguma regularidade novos e excitantes locais para visitar. Em Sábados alternados, o Portugal Anos 90 recorda alguns dos melhores e mais marcantes de entre esses locais.

E porque o tempo já vai aquecendo e o sol pede para ser aproveitado, falaremos hoje de um dos grandes ‘rituais’ de infância, tanto nos anos 90 como ainda hoje: a ida ao café.

images.jpg

Em criança, antes de o nosso sistema ser ‘treinado’ para associar esplanadas e pastelarias ao consumo de café ou cerveja, uma visita a um destes espaços – normalmente na companhia dos pais – significava uma coisa, e uma coisa apenas: um bolo. Podia haver alguns atractivos extra, fossem eles um sumo, uma pastilha elástica ou ‘chupa’, um pacote de batatas fritas ou cigarros de chocolate (quando ainda os havia), uma oportunidade de ajudar os pais com o Totoloto ou Totobola, ou simplesmente um golo do café ou um pouco de espuma da cerveja dos adultos; no entanto, para nós, estes eram apenas complementos para a verdadeira peça central, sem a qual a experiência não ficava completa. Uma criança que estivesse sentada numa esplanada e não tivesse à sua frente um pão de leite, arrufada, queque, bola de Berlim, ‘croissant’, bolo de arroz ou até mesmo um Bollycao, sentia que faltava algo naquele passeio – algo que era, de imediato, sanado, assim que um dos produtos atrás elencados, ou outro equivalente, lhes aparecesse na mesa. Prazeres simples, mas que muitos de nós continuamos a apreciar vinte ou trinta anos depois (por aqui, a perdição é por ‘croissants’ com creme, bolas de Berlim bolo xadrez ou torta de laranja, por esta ordem.)

28c46cd6-20f2-453b-adb7-54856187f0e1.jpeg

Confessem lá - ainda hoje a experiência de ir tomar café não fica completa antes deste momento...

Mais tarde, já adolescentes, a ida ao café tomava toda uma nova dimensão. Uma saída deste tipo era, agora, uma oportunidade de conviver com os amigos e vivenciar a mesma experiência de sempre de uma perspectiva ‘de gente grande’ (quem se esquece da primeira ‘bica’ tomada à frente dos pares?) Os ‘chupas’, batatas fritas, pastilhas, sumos e sobretudo os bolos continuavam presentes (só os cigarros já não eram de chocolate), mas deixava de ser necessário pedir autorização, ou depender da vontade dos adultos sobre quando e onde os comprar. A ida ao café, nos tempos do secundário, era um ritual de passagem à vida adulta, complementar a tantos outros que se experienciavam durante esses anos formativos – e bastante mais prazeroso do que a maioria deles.

Conforme se referiu anteriormente, este não é exactamente um ritual que tenha passado de moda, ou cujas características tenham mudado significativamente desde aquele tempo; não é por isso, no entanto, que ela deve deixar de ser recordada como parte integrante (e marcante) da infância de qualquer criança portuguesa dos anos 90 – ou de outra década qualquer. Fica aqui, assim, a nossa pequena homenagem a uma saída que – tal como a ida ao jardim ou ao parque infantil que relembrámos nas últimas edições desta rubrica – pode a princípio parecer insignificante, mas acaba por se revelar bem merecedora da nostalgia de toda uma geração.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub