Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

07.05.23

Aos Domingos, o Portugal Anos 90 recorda alguns dos principais acontecimentos e personalidade do desporto da década.

Apesar de todas as gerações terem as suas excepções à regra (basta ver o percurso de Figo ou Cristiano Ronaldo) a primeira fase da carreira de qualquer jovem futebolista fica, inevitavelmente, marcada pelos empréstimos destinados a dar 'rodagem' e experiência de futebol sénior a jogadores considerados como jovens talentos de futuro, a fim de avaliar se os mesmos estão prontos para a integração na equipa principal. Até mesmo nomes de monta no panorama futebolístico nacional, como Deco, Rui Costa ou Pedro Emanuel, foram, em tempos, Caras (Des)conhecidas, a jogar em clubes de menor expressão – situação também vivida pelo futebolista de que falamos hoje, uma 'lenda' do Sporting Clube de Portugal durante os anos 90, e ainda hoje ligado à estrutura do clube.

download (1).jpg

O jogador com a camisola com que se notabilizou.

Nascido há quase exactamente quarenta e sete anos, a 4 de Maio de 1976, Roberto Luís Gaspar Deus Severo, mais conhecido pela sua alcunha, Beto, iniciou a carreira no CAC Pontinha, com apenas onze anos, mas foi verdadeiramente produto das escolas do clube lisboeta, onde ingressaria logo no ano seguinte e faria o resto da formação, ao lado de nomes como Nuno Valente; ao contrário deste, no entanto, Beto não chegaria a ter a sua oportunidade na equipa principal, sendo enviado directamente da equipa de juniores para o União de Lamas, onde realizaria a sua primeira época como sénior, em 1993/94. Escusado será dizer que o jogador 'pegou de estaca' no centro da defesa, tendo realizado vinte e oito partidas, durante as quais contribuiu com oito golos e explanou o talento que mais tarde se lhe viria a reconhecer. Ainda assim, tal não foi suficiente para prevenir novo empréstimo na época seguinte, desta feita ao histórico Campomaiorense, onde volta a ser peça importante, jogando vinte e duas partidas e marcando dois golos.

Torrão Campomaiorense.jpg

Um jovem Beto ao serviço do Campomaiorense.

Este segundo empréstimo, e a prestação consistentemente positiva do central ao longo dessa época e da anterior, pareceram finalmente convencer o Sporting, que integra Beto na equipa principal no início da época 1996-97, para não mais de lá sair ao longo da década seguinte. No total, foram mais de 240 os jogos de Beto de leão ao peito, grande parte deles como titular, e mais de vinte os golos apontados por aquele que era um dos proverbiais 'defesas goleadores' do futebol português. Uma preponderância, aliás, que se estendeu ao espectro internacional, com Beto a conseguir mais de trinta internacionalizações AA, a juntar ás treze que conquistara ao nível dos sub-21, e a afirmar-se como peça importante daquela selecção portuguesa movida a 'Geração de Ouro'.

FPFImageHandler.png

Beto na Selecção.

Curiosamente, seria já mais perto do fim de carreira do que do seu início que o estrangeiro chamaria por Beto, que, em 2006, aos trinta anos, ruma a França para assinar pelo Bordéus; não corre bem ao central esta primeira experiência, no entanto, e o mesmo rapidamente se vê emprestado ao Recreativo, de Espanha, após apenas quatro presenças oficiais pelos gauleses. Em Espanha, a situação é algo distinta, sendo que, das três épocas que passa no país vizinho, Beto se afirma como peça importante da equipa em duas – a segunda ao lado dos também ex-sportinguistas Carlos Martins e Silvestre Varela – nas quais alinha em praticamente todas as partidas e marca quatro golos, dois em cada temporada.

download.jpg

O central fez as suas últimas épocas em bom nível no Huelva, de Espanha.

Na sua terceira e última época em Huelva, no entanto, o central é assolado por problemas físicos, que o fazem perder preponderância no seio da equipa, pela qual realiza apenas mais três exibições antes de regressar a Portugal para – numa decisão a fazer lembrar os inícios de carreira – alinhar pelo histórico Belenenses. Mais uma vez, no entanto, os problemas físicos impedem que o já veterano central se imponha nos azuis do Restelo, pelos quais realiza apenas dez partidas antes de regressar a Espanha para representar o modestíssimo Alzira, da terceira divisão, onde se reúne a mais um ex-colega de equipa, Luís Lourenço, mas pelo qual nunca chega a alinhar - um final escandalosamente modesto para a carreira daquele que foi um dos mais icónicos centrais dos campeonatos portugueses de finais do século XX.

download (2).jpg

O jogador não foi feliz na passagem pelo Belenenses.

Felizmente, a carreira de Beto ganharia novo fôlego nos bastidores do 'Leão', onde desempenhou já várias funções, retribuindo desta forma tudo o que o seu clube do coração lhe proporcionou ao longo de uma carreira nada menos que ilustre, ao ponto de custar a acreditar que o jogador tenha, alguma vez, contado como Cara (Des)conhecida no futebol português: e no entanto, como ficou bem patente neste 'post', até mesmo o eterno central do Sporting noventista e da viragem do Milénio foi, em tempos, apenas mais um jovem a espalhar talento nas divisões secundárias, na esperança de um lugar na equipa principal...

12.03.23

Aos Domingos, o Portugal Anos 90 recorda alguns dos principais acontecimentos e personalidade do desporto da década.

Todas as equipas e Selecções Nacionais têm os chamados 'jogadores utilitários' – nomes que, sem estarem na 'linha da frente' dos seleccionáveis, são suficientemente confiáveis para constituirem uma opção 'de banco' ou segunda linha perfeitamente viável, e como tal, recorrentemente usada. Muitos destes jogadores partilham, também, a particularidade de serem, ou terem sido, membros influentes de equipas também elas de 'segunda linha', onde acabam por se destacar o quanto baste para justificarem a contratação por emblemas maiores, ou a chamada à Selecção Nacional. O Portugal de finais do século XX não constituiu excepção a esta regra, e tanto os três 'grandes' como a Selecção das Quinas da época contavam com jogadores com este tipo de perfil, dos quais poderíamos destacar nomes como Areias, Frechaut, ou o jogador de que falamos neste Domingo Desportivo, Marco Ferreira.

img_920x518$2007_12_11_15_50_42_48879.jpg

O extremo com a camisola que o notabilizou.

Um daqueles 'cromos' clássicos das antigas cadernetas da Panini, Marco Júlio Castanheira Afonso Alves Ferreira nasceu em Vimioso, no Norte de Portugal, há precisamente quarenta e cinco anos, e despontou para o futebol ainda antes da adolescência, em clubes locais como o GD Parada, o Bragança ou o local Águia do Vimioso. A carreira sénior, essa, viria a ter início no histórico Tirsense, onde Ferreira ingressaria para a época 1996-97, conseguindo amealhar dezassete exibições e dois golos na posição de extremo. A razoável época valeria ao jovem uma totalmente inesperada e surpreendente transferência para o Atlético de Madrid B, num daqueles 'passos maiores que a perna' que prejudicam a carreira de tantos jovens jogadores; apesar de este não ter sido o caso com Marco Ferreira, a verdade é que a experiência em Espanha não correu bem, tendo o extremo feito apenas quatro partidas pelos 'colchoneros' antes de rumar ao Yokohama Flugels, do campeonato japonês, no mercado de Janeiro. Também aí a vida não lhe correria de feição, tendo o jogador regressado a Portugal no final dessa época 1997-98, sem ter realizado qualquer jogo pela equipa nipónica.

Felizmente, o regresso ao nosso País permitiu a Marco Ferreira rectificar o seu percurso, tendo-se o extremo afirmado como parte importante da equipa do Paços de Ferreira na única época em que representou os 'castores': no total, foram dezanove as partidas realizadas por Ferreira com a camisola verde-amarela, apresentando-se o jogador a um nível suficientemente alto para despertar a atenção do histórico Vitória de Setúbal, adversário directo do Paços na então II Divisão de Honra; os sadinos acabariam mesmo, aliás, por fazer uma proposta pelo jogador e, no início da última época futebolística do século XX, Marco Ferreira rumaria a Setúbal para aquela que seria a melhor fase da sua carreira. No total, foram três épocas e meia com a 'listrada' sadina, sempre com influência determinante, como o comprovam as quase noventa partidas e quase dezena e meia de golos obtidos pelo extremo durante este período, e que lhe valeram as suas únicas chamadas à Selecção Nacional, todas no ano de 2002.

download.jpg

Ferreira numa das suas três chamadas à Selecção.

A preponderância de Ferreira no plantel sadino levaria, naturalmente, ao interesse de um 'grande', e, no mercado de Inverno da época 2002-2003, o jogador diria adeus à 'casa' onde fora feliz e regressaria ao seu Norte natal, para integrar 'aquela' equipa do FC Porto de José Mourinho, que contava com outras caras previamente desconhecidas, como Pedro Mendes, Pedro Emanuel e Deco; e apesar de nunca ter conseguido ser mais do que um dos tais 'jogadores utilitários' no plantel dos 'Super' Dragões, o extremo conseguiria, ainda assim, comparecer por vinte e três vezes ao serviço da equipa durante a sua primeira época – uma delas na final da Liga dos Campeões, quando rendeu Capucho ao minuto 98, conseguindo assim ter o seu 'momento' europeu para mais tarde recordar.

391_marco_ferreira.jpg

O jogador com a camisola do Porto.

Apesar da regularidade e utilidade como 'opção de banco' (apesar de suplente, chegou a marcar três golos pelo Porto) Marco Ferreira ver-se-ia, na época seguinte, dispensado por empréstimo para o Vitória de Guimarães, onde faria mais de vinte partidas, marcando três golos, antes de regressar ao Grande Porto para representar o Penafiel, naquela que se saldaria como a primeira experiência verdadeiramente 'falhada' desde os seus tempos de juventude: sete partidas e um golo são o saldo de meia época que não deixou grandes lembranças. Foi, pois, com alguma surpresa que os adeptos nacionais viram o extremo assinar por outro 'grande', no caso o Benfica, no início da época seguinte.

0018a341.jpg

Marco durante a infrutífera passagem pelo Benfica.

Como seria de esperar, no entanto, Ferreira nunca encontrou espaço no plantel 'encarnado', tendo-se a sua passagem pelos lisboetas traduzido em apenas cinco partidas e dois empréstimos, um dos quais o veria embarcar na primeira aventura internacional desde as suas primeiras épocas de sénior; nem a cedência ao Leicester City, de Inglaterra, nem o subsequente ingresso no Belenenses correram de feição, no entanto, com o extremo a conseguir apenas seis partidas em duas épocas, todas com a Cruz de Cristo ao peito. A dispensa do Benfica era, pois, inevitável, e os últimos dezoito meses da carreira de Marco Ferreira seriam passados na Grécia, ao serviço do Ethnikos Piraeus – experiência que tem o mérito de ser a primeira 'aventura' internacional bem sucedida para o jogador, e de lhe ter permitido retirar-se do futebol como figura proeminente do plantel de uma equipa, com trinta e dois jogos realizados ao serviço dos gregos, durante os quais contribuiu com cinco golos, uma das suas melhores marcas pessoais numa só época.

No momento da reforma, Marco Ferreira podia, pois, gabar-se de uma carreira repleta de 'aventuras' e que, apesar dos altos e baixos, o cimentou como uma das melhores e mais reconhecíveis 'segundas linhas' do futebol português da sua época – uma posição perfeitamente respeitável, e que o torna merecedor desta singela homenagem no dia do seu aniversário. Parabéns, Marco Ferreira!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub