Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

21.10.21

NOTA: Este post corresponde a Quarta-Feira, 20 de Outubro de 2021

A banda desenhada fez, desde sempre, parte da vida das crianças e jovens portugueses. Às quartas, o Portugal Anos 90 recorda alguns dos títulos e séries mais marcantes lançados em território nacional.

Apesar da grande expressão comercial que a banda desenhada internacional teve (e continua a ter) no nosso país ao longo das décadas, a produção nacional da mesma era, foi e continua a ser quase insignificante, tanto num contexto internacional como mesmo dentro de portas. Ao contrário, por exemplo, do mundo da música, no qual Portugal conta com muitos e muito respeitados artistas, a BD nacional não conta, praticamente, com quaisquer nomes dignos de nota, ou que possam sequer ombrear com os criadores 'de culto' de outras nações europeias ou mundiais.

Parte desta inexpressividade deve-se, admitidamente, à falta de meios através dos quais veicular a sua arte. A produção de publicações ligadas à BD em solo português tem sido, historicamente, quase tão fraca como a própria criação artística, o que também não motiva por aí além os poucos nomes ligados ao meio existentes no nosso país; mesmo em plena era da Internet, e com cada vez mais ênfase governamental na cultura, continuam a ser poucos ou nenhuns os meios ao dispôr de um desenhista que queira divulgar a sua arte – e, como seria de esperar, a situação era ainda menos encorajadora numa época em que não existiam quaisquer destes recursos.

Em inícios da década, no entanto, houve uma publicação que tentou mudar este paradigma, e oferecer aos artistas de banda desenhada nacionais pelo menos um meio que possibilitasse a sua exposição a um maior número de potenciais fãs; uma iniciativa arrojada, que acabou por não resultar, e que se afirma, hoje em dia, como pouco mais do que uma nota de rodapé na História da banda desenhada em Portugal, mas que merece ainda assim ser recordada, quanto mais não seja pela coragem que os seus criadores exibiram em tentar fazer vingar tal conceito em plena era da decadência da BD no nosso país.

img_228149580_1493154133_abig.jpg

Capa do número inaugural da revista

Falamos da revista LX Comics, uma publicação editada durante apenas cerca de um ano – entre 1990 e 1991 – e que tinha como fito, precisamente, dar a conhecer alguns dos talentos lusitanos no campo dos 'quadradinhos', novelas gráficas e demais meios de narrativa plástica. Numa revista que procurava preencher o espaço deixado vago, poucos anos antes, pelas referências 'Tintim' e 'Mundo de Aventuras', não havia espaço a super-heróis da Marvel ou DC, nem a historietas cómicas da Disney – a LX Comics apresentava-se como uma publicação séria, de culto (ou nicho, se preferirem) e com pretensões abertamente artísticas...o que pode ter contribuído para o seu rotundo falhanço.

De facto, numa altura em que a banda desenhada ainda era considerada, por muitos, uma coisa 'de crianças', e em que as mesmas constituíam grande parte do público comprador de 'quadradinhos', tentar uma empreitada como a LX Comics, sem quaisquer concessões comerciais ou mesmo um grande nome através do qual despertar interesse, foi, no mínimo, arriscado; mal comparado, seria como se a World Wrestling Federation de meados dos anos 90 despedisse Bret Hart, Shawn Michaels e o Ultimate Warrior, e procurasse ainda assim competir de igual para igual com a rival World Championship Wrestling, que tinha Hulk Hogan e Ric Flair. Ainda assim, e como se disse acima, há que dar os parabéns aos criadores desta revista pela sua inabalável coragem e visão de futuro – pena que as mesmas não tenham sido postas a uso duas ou três décadas mais tarde...

29.04.21

NOTA: Este post corresponde a Quarta-feira, 29 de Abril de 2021.

A banda desenhada fez, desde sempre, parte da vida das crianças e jovens portugueses. Às quartas, o Portugal Anos 90 recorda alguns dos títulos e séries mais marcantes lançados em território nacional.

E porque o tema desta semana (até agora) têm sido as Tartarugas Ninja, nada mais justo do que continuar nessa senda e falar da revista de banda desenhada alusiva às aventuras do quarteto, publicada em Portugal no início da ‘nossa’ década.

1[1].jpg

Não, não estamos a falar do original de Peter Laird e Kevin Eastman, no qual tudo o resto foi baseado – esta revista de BD era já um produto puramente ‘corporate’, com o fim único de aproveitar a ‘Tartamania’ que se espalhava pelo Mundo naquela passagem de década dos anos 80 para os 90. E, a julgar pela longevidade – 7 anos, segundo certas fontes! – poderá dizer-se que definitivamente o conseguiu.

Apesar desse longo período de publicação, no entanto, esta revista parece ter sido largamente ‘esquecida’ pela Internet – pelo menos na sua encarnação portuguesa. Aparte os sempre fiáveis sites de leilões (invariavelmente os primeiros resultados em pesquisas por coisas daquele tempo) não há quaisquer registos desta BD sequer ter existido no nosso país. Felizmente, estivemos ‘lá’, comprámos e lemos vários números da revista, e ainda retemos suficientes memórias para vos podermos contar como foi. Por isso orgulhem-se, caros leitores, pois vão ficar associados à fonte número 1 de material sobre a BD portuguesa das Tartarugas Ninja!

Primeiro que tudo, há que ressalvar que não – a revista NÃO foi publicada durante sete anos. Nada que se pareça. Foi, mais ou menos, contemporânea da ‘Tarta-Mania’ em Portugal, ou seja, existiu durante os primeiros anos da década de 90, quando a série era a coisa mais falada entre a miudagem lusa, e desapareceu discretamente ‘no éter’ quando a febre passou. Um percurso que não surpreende, já que, como dissemos acima, a BD era um produto de marketing, mais do que algo feito com paixão e dedicação.

Capture.PNG

Não garantimos, mas quase apostamos que estará aqui representada uma colecção completa do título...

Não que a mesma fosse má de todo – para o propósito a que se destinava, podia até ser bem pior. Só não era BOA. Publicada em formato A4, à semelhança das revistas ‘para crescidos’ ou dos ‘comics’ norte-americanos, e vendida por exorbitantes (para a época) 120 escudos, a revista trazia um estilo gráfico original (talvez a parte mais cuidada da BD), mas demasiado ‘adulto’ para um público alvo cuja média de idades rondava os 8 anos; chegava quase a ser caricato ver personagens como Man Ray desenhados num estilo com aspirações a realista, ao estilo da Marvel ou DC. Quanto à escrita…bem, digamos que, apesar das histórias nem serem más, a tradução estava longe de ganhar quaisquer prémios – e isto numa altura em que a Abril Jovem lançava no mercado, todos os meses, revistas em ‘brazuquês’, ou seja, com localizações semi-acabadas às três pancadas. A BD dos Tarta-Heróis não sofria desse mal, mas sofria de todos os outros, desde palavras deslocadas dos balões até frases algo ‘manhosas’ a nível de gramática e sintaxe. É verdade que estas não são prioridades que tendam a ser seguidas por revistas de BD deste tipo, mas ainda assim, se um ‘Tarta-Maníaco’ de 6 anos se apercebe que algo está mal, é porque algo está mesmo muito mal.

Ultrapassados estes aspetos técnicos, sobrava uma revista mediana para o período de tempo em questão, muito longe dos líderes de mercado em termos de BD de acção, mas que servia bem o seu propósito, e aliciava q.b. o seu público-alvo para ir mantendo o seu lugar no ‘comboio’ da ‘Tarta-Mania’. Nada que ficasse para a história, mas – apesar dos defeitos – também nada que fizesse quem leu dar o seu tempo por perdido.

E vocês? Lembram-se? Provavelmente não, dado que – como dissemos – este é um post com base em memórias pessoais. Ainda assim, se alguém por aí leu, que mande avisar, para sabermos que não fomos os únicos leitores desta surpreendentemente obscura revista!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub