Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

13.06.22

Qualquer jovem é, inevitavelmente, influenciado pela música que ouve – e nos anos 90, havia muito por onde escolher. Em segundas alternadas, exploramos aqui alguns dos muitos artistas e géneros que faziam sucesso entre as crianças daquela época.

E depois de na última edição desta rubrica termos falado de Laura Pausini, chega hoje a vez de abordarmos aquele que foi o outro grande nome da 'mini-invasão italiana' dos tops musicais portugueses em inícios de 90, um seu contemporâneo com quem Laura chegou a gravar um dueto: Eros Ramazzotti.

180px-Eros_Ramazzotti_(early_1990s).jpg

Nascido na capital italiana a 28 de Outubro de 1963, Eros Walter Luciano Ramazzotti viria a ter o seu primeiro encontro com o sucesso ainda adolescente, já depois de ter sido rejeitado pelo Conservatório de Roma e de ter composto várias canções em parceria com o seu pai; no caso, a grande oportunidade do jovem chegaria através de um concurso musical, 'Vuoci Novi di Castrocaro', vencido por Zucchero (outro nome que chegaria a ter algum impacto em Portugal) mas no qual Eros deixaria uma impressão suficientemente positiva para que um dos juízes lhe oferecesse o primeiro contrato discográfico. Corria o ano de 1981, e Eros mudava-se para Milão com o irmão e a mãe, para viver no próprio prédio da editora que o assinara.

O sucesso, no entanto, tardou a chegar, tendo o primeiro single, de 1982, sido virtualmente ignorado pelo meio discográfico italiano; só depois de um encontro com o seu futuro mentor, Renato Briochi, é que a carreira do jovem principiaria a descolar, com duas participações consecutivas no Festival de San Remo, em 1983 e 1984, a suscitarem algum interesse no seu álbum de estreia, que conheceu sucesso não só em Itália, mas também em França, onde chegou a vender um milhão de cópias. Os dois álbuns seguintes, de 1986 e 87, seguiriam a mesma tónica, atingindo vendas de Platina na Suíça (parte da qual, recorde-se, tem como idioma o italiano) e de Ouro na Alemanha. Os anos 80 concluem-se com um dueto com Patsy Kensit e um mini-EP, lançado em 1988.

A década seguinte prossegue na mesma toada, com mais um CD de enorme sucesso internacional, em 1990, que vale a Eros um concerto no Radio City Music Hall nova-iorquino, e participações no programa de Jay Leno e em 'Good Morning America'. Era o início do sucesso internacional, que se viria a consumar dois anos depois, com o lançamento de 'Tutti Stori' (cujo grafismo de capa recorda aliás, e muito, o álbum de estreia de Laura Pausini); de súbito, Eros Ramazzotti, um veterano com doze anos de experiência na indústria musical e prestes a completar trinta anos de idade, atingia vendas de Platina pela Europa fora, fazia a capa de revistas como a portuguesa Super Jovem, e encontrava espaço nas paredes de 'posters' das mesmas jovens que, na altura, cantarolavam a 'Solitudine' da compatriota Laura,

Tuttestoricover.jpg

'Tutti Storie', de 1993, foi o álbum de consagração internacional de Ramazzotti

Tal sucesso despertou a atenção da multinacional BMG, que, no ano seguinte, oferecia um contrato ao italiano, o qual lhe abria a porta para uma turnê com Elton John, Rod Stewart e Joe Cocker, no Verão de 1995. Os álbuns, esses, continuavam a surgir a bom ritmo, agora com a participação de ilustres do calibre de Andrea Bocelli e Tina Turner, ambos os quais surgem em versões regravadas de músicas do cantor, incluídas na sua primeira colectânea de êxitos, lançada em 1997 e que atingiria vendas de quíntupla platina; Turner viria também, aliás, a participar do álbum ao vivo lançado no ano seguinte, e que também trazia o contributo de Joe Cocker. No mesmo ano, Ramazzotti grava novo dueto com Andrea Boccelli, desta vez para inclusão no disco deste último, e ganha pela segunda vez consecutiva o prémio Echo - um importante galardão da indústria fonográfica alemã – na categoria de 'Melhor Artista Masculino Internacional'; uma prova cabal de que o italiano era mais do que apenas outra 'cara bonita' a cantar baladas românticas.

Essa impressão ficou, aliás, cimentada no novo milénio, que viu a carreira de Ramazzotti como compositor, intérprete e produtor seguir de vento em popa, com mais sete álbuns de originais, uma colectânea dupla, e colaborações com artistas de todos os quadrantes musicais, de Joe Satriani a Nicole Scherzinger, passando pelo compatriota Jovanotti e pela inevitável Laura Pausini; as vendas, essas, contabilizam-se em mais de 55 milhões, numa carreira que ultrapassa já as três décadas e meia – uma marca nada menos que impressionante.

Para os ex-jovens portugueses de finais do século XX, no entanto, Eros Ramazzotti continuará, provavelmente, a ser aquele 'menino bonito' de olhos azuis que cantava músicas românticas e fazia capa nas revistas 'da moda' – apesar de ser bem possível que, pelo menos para uma parcela dos mesmos, a música do italiano os tenha acompanhado até à idade adulta; de facto, a julgar pelos volumes de vendas que Ramazzotti continua, em plena era digital, a conseguir, essa hipótese não é, de todo, descabida...

17.05.22

Porque nem só de séries se fazia o quotidiano televisivo das crianças portuguesas nos anos 90, em terças alternadas, este blog dá destaque a alguns dos outros programas que fizeram história durante aquela década.

Numa semana em que se vive o rescaldo de mais um Festival Eurovisão, e depois de termos aqui recordado os mais emblemáticos participantes portugueses no mesmo durante a década de 90, nada melhor do que nos debruçarmos um pouco mais a fundo sobre o programa que revelou ao Mundo um dos nomes mais memoráveis dessa lista, Sara Tavares.

mw-680.jpg

Falamos, claro, de 'Chuva de Estrelas', o mega-popular concurso de talentos musicais que foi pedra basilar da programação da SIC desde a sua criação até ao virar do milénio. E a verdade é que se, à distância de trinta anos, o conceito do concurso (adaptado, como era habitual neste tipo de programas, de um formato estrangeiro, no caso holandês) parece tudo menos original, a verdade é que, à época, tratava-se mesmo de um programa inovador, um dos primeiros, senão mesmo o primeiro, do seu género em Portugal.

De facto, se para um público do século XXI, habituado a programas como 'Ídolos' e 'The Voice Portugal', 'Chuva de Estrelas' é extremamente fácil de definir – trata-se, pura e simplesmente, de uma versão embrionária de um concurso desse tipo – no contexto português de inícios da década de 90, o termo de comparação mais próximo para o que propunha Ediberto Lima talvez fosse mesmo o Festival da Canção, o evento anual que apurava, precisamente, o representante de Portugal no Festival Eurovisão daquele ano; as únicas (mas significativas) diferenças residiam no facto de os concorrentes de 'Chuva' interpretarem, quase exclusivamente, versões de músicas de outros artistas, muitos deles internacionais – um conceito que, décadas mais tarde, serviria de base aos referidos concursos de talentos adaptados de formatos de Simon Cowell.

Ao contrário de 'Ídolos', no entanto, 'Chuva de Estrelas' nunca esteve ciente do valor de uma audição propositadamente irónica ou embaraçosa – todos os concorrentes em destaque no programa eram escolhidos, unicamente, na base do seu talento, e correspondiam com interpretações à altura, emotivas e vigorosas - a carreira musical de Sara Tavares, por exemplo, teve início após a cantora ter 'canalizado' Whitney Houston, numa actuação que lhe valeu a vitória na primeira das seis edições do concurso, em 1993. Esta abordagem viria, mais tarde, a beneficiar também nomes como João Pedro Pais, João Portugal, Carlos Coincas (dos Excesso e D'Arrasar, respectivamente) e Célia Lawson, a responsável pelo primeiro 'nul points' de Portugal na Eurovisão em mais de trinta anos.

chuva-de-estrelas-1200x900.jpg

A apresentadora e vencedora da primeira série do programa, Catarina Furtado e Sara Tavares

O facto de este concurso ter, ao longo dos anos, sido entregue à 'nata' dos apresentadores da SIC – primeiro a Catarina Furtado, depois a José Nuno Martins e, por fim, a Bárbara Guimarães – diz muito sobre a importância que lhe era atribuída no contexto geral da grelha de programação da SIC; e a verdade é que essa confiança não foi, de todo, infundada - o programa não só foi um sucesso (dando, até, azo a uma versão 'Mini', com cantores infantis, da qual paulatinamente aqui falaremos) como é, ainda hoje, um dos mais recordados de entre os transmitidos pela estação naquela época, ao lado de outras 'pérolas' como o Ponto de Encontro, o Templo dos Jogos, o Portugal Radical ou o Buereré. E apesar de, tal como alguns destes, a 'mise en scène' do concurso ter envelhecido particularmente mal – 'Chuva' já era 'piroso' na altura, e é ainda mais 'piroso' agora – o seu estatuto como precursos dos concursos de talentos que todos conhecemos (e de que todos já nos fartámos) hoje em dia continua a merecer-lhe lugar de destaque na 'revolução televisiva' do Portugal noventista.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub