Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

26.10.22

A banda desenhada fez, desde sempre, parte da vida das crianças e jovens portugueses. Às quartas, o Portugal Anos 90 recorda alguns dos títulos e séries mais marcantes lançados em território nacional.

Apesar de nunca ter lançado um artista de projecção verdadeiramente internacional, à semelhança do que fazem Estados Unidos, França, Bélgica, Brasil ou Japão, Portugal possui uma rica e já longeva ligação à BD, a qual remete às caricaturas e 'cartoons' de artistas como Bordalo Pinheiro, ainda no século XX. E a verdade é que, apesar da falta do referido nome reconhecido internacionalmente, a 'cena' portuguesa não deixou (e deixa) de ter os seus nomes de relevo, que vão de veteranos como os falecidos José Garcês ou Fernando Relvas a nomes mais contemporâneos como Luís Louro, José Carlos Fernandes, Luís Pinto-Coelho, António Jorge Gonçalves ou o nome de que falamos esta semana, Miguel Rocha.

Miguel-Rocha-416x555-1.jpg

Nascido em Lisboa em 1968, crescido em Alhandra e formado na Escola António Arroio – principal escola técnica de artes plásticas da Grande Lisboa, e uma das principais do País – Miguel João Pinheiro Soares Rocha insere-se na nova geração de autores de BD lusitanos, tendo desenvolvido a grande maioria da sua obra do lado 'de cá' do Terceiro Milénio; não obstante, a sua carreira remonta a finais da década de 90, tendo a sua estreia oficial como artista de banda desenhada sido feita através de uma folha mensal integrada na revista Pais & Filhos – um dos muitos veículos pouco ortodoxos que os artistas da 'nova escola' portuguesa utilizaram como 'rampa de lançamento' para os seus trabalhos. Antes, Rocha havia feito o habitual 'périplo' pela área da publicidade e artes gráficas, e colaborado, na qualidade de paginador, com a revista Selecções BD, o compêndio mensal de clássicos do género editado pela Meribérica-Liber.

O talento, esse, era já óbvio, mesmo nessa fase mais embrionária, e não tardaria até Rocha ver o mesmo ser reconhecido com galardões, nomeadamente o Prémio Especial Revelação no prestigiado Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora, no caso com o seu segundo álbum, 'As Pombinhas do Sr. Leitão', sucessor de 'O Enigma Diabólico', lançado no ano anterior. Pelo meio ficavam colaborações com o prestigiado jornal 'Público', e a oportunidade de ilustrar, com uma pequena história, o catálogo de uma exposição dedicada ao 25 de Abril – a primeira de muitas obras institucionais que o autor viria a criar. Ainda em 1999, saem outros dois trabalhos, o álbum 'O Polvo' e a história 'Borda D'Água', inserida na revista LX Comics, e que voltaria a ser publicada no ano seguinte – agora em versão a cores - na revista 'Pública', um dos suplementos do jornal acima referido.

4033920104-as-pombinhas-do-sr-leitao-miguel-rocha.

A segunda obra do autor valeu-lhe o primeiro do que viriam a ser sete galardões no prestigiado Festival Internacional de BD da Amadora.

O ano 2000 vê, aliás, a carreira de Miguel Rocha seguir de vento em popa, com o lisboeta a arrecadar mais dois prémios no Festival de BD da Amadora, incluindo o de Melhor Álbum Português para 'Eduarda', adaptação da obra literária do mesmo nome da autoria de Georges Bataille, e desenvolvida em parceria com o argumentista Francisco Oliveira; o outro prémio, o de Melhor Desenhador, vai para 'Março', o outro álbum grande formato lançado nesse ano. Além destas duas obras, Rocha volta ainda a colaborar com o 'Público', agora com uma ilustração para a série dos 'Sete Pecados', e cria um álbum de pequeno formato, 'Transcomix – Lisboa ao Quadrado', para distribuição gratuita no âmbito do Dia Europeu Sem Carros. No ano seguinte, o desenhador é alvo de uma retrospectiva no âmbito do FIBDA, prova cabal do estatuto que lograra obter em apenas quatro curtos anos de carreira.

Os anos seguintes desenvolvem-se na mesma toada, entre álbuns de originais e participações institucionais, destacando-se, destas últimas, a adaptação de um conto de Miguel Torga para inserção num álbum alusivo ao Dia Mundial do Livro 2002, e a criação do cartaz oficial do Euro 2004, talvez o projecto de maior visibilidade de toda a sua carreira. O auge do seu reconhecimento na comunidade bedéfila chega, no entanto, apenas dois anos depois, quando o seu trabalho sobre Salazar, em parceria com João Paulo Cotrim, arrecada nada menos do que quatro prémios no Festival da Amadora, ganhando Melhor Álbum, Melhor Argumento e Melhor Desenho, além do Prémio Juventude. E apesar de o artista não lançar qualquer trabalho de originais há mais de uma década a esta parte (os últimos dois são de 2010) o contributo que deu à BD portuguesa ao longo dos doze anos anteriores foi mais que suficiente para lhe outorgar o estatuto de nome 'grande' da nova geração de artistas nacionais de banda desenhada, restando, apenas esperar para ver o que o futuro reserva para a sua carreira.

29.04.22

Os anos 90 estiveram entre as melhores décadas no que toca à produção de filmes de interesse para crianças e jovens. Às sextas, recordamos aqui alguns dos mais marcantes.

O 25 de Abril é, por razões óbvias, um dos mais importantes no calendário de feriados português; afinal, foi neste dia que (sem disparar sequer um tiro ou fazer sequer um morto) o Movimento das Forças Armadas conseguiu levar a bom porto uma operação clandestina que destronou a ditadura e instaurou a democracia em Portugal.

Naturalmente, uma data de tal importância histórica foi, desde a sua ocorrência, inspiração para inúmeros trabalhos criativos e mediáticos, nos mais diversos campos; e se na passada Quarta-feira demos a conhecer uma dessas obras no campo da banda desenhada, chega agora a altura de 'adaptarmos' um pouco as nossas regras para falar do seu principal representante na área do cinema.

Capitães_de_Abril_2000.png

Isto porque 'Capitães de Abril', o filme de que se fala neste post, saiu a 21 de Abril de 2000 – portanto, já uns meses 'fora' da década que dá nome ao nosso blog; no entanto, há uma máxima que diz que o primeiro ano de uma nova década ainda faz, mais ou menos, parte da anterior, pelo que este excelente representante do cinema português moderno acaba por se enquadrar no âmbito desta página.

Ou melhor, 'cinema português' assim, entre aspas, dado 'Capitães de Abril' ser uma colaboração entre Portugal, a vizinha Espanha, e os 'primos' latinos França e Itália, que não só financiam o filme como contribuem com alguns actores para o mesmo: sim, um filme sobre o principal evento da História de Portugal tem um elenco mais de metade estrangeiro – incluindo a maioria dos actores principais, os quais têm direito a dobragens estilo 'western spaghetti' que deixariam Sergio Leone orgulhoso (num memorável momento, o Salgueiro Maia de Stefano Acorsi lança um 'gaita!' que se consegue ver claramente, pelo movimento dos lábios, ser na verdade um 'cazzo!'...)

Apontar este tipo de defeitos ao filme de estreia de Maria de Medeiros como realizadora (ela que também encarna Antónia, a mulher de um dos Capitães), e que também conta no elenco com nomes sonantes do cinema nacional, como Rogério Samora, Joaquim Leitão, Canto e Castro e o 'internacional' português Joaquim de Almeida (além de, por qualquer razão desconhecida, Manuel João Vieira); isto porque - para lá de quaisquer dobragens ou daqueles momentos de representação menos conseguidos que todos os filmes portugueses têm - 'Capitães de Abril' consegue prender a atenção do espectador durante as suas duas horas de duração, levando-o numa 'viagem' na qual também cabem alguns momentos cómicos (estes propositados) e até românticos. E apesar de a maioria dos factos sobre o dia da revolução em si serem bem conhecidos, Medeiros consegue, ainda assim, apresentá-los de uma forma que faz com que os mesmos quase pareçam 'frescos' e inéditos, evitando que o filme caia na lentidão característica do cinema português e fazendo desta uma boa obra para mostrar aos mais jovens, para que aprendam sobre o dia que retrata; de ressalvar, no entanto, que este não é um filme para crianças – dizem-se asneiras, e existem alguns momentos de franca tensão mesmo para um público adulto.

Para os mais velhos, no entanto – e para aqueles que, mais de vinte anos depois, são já maduros o suficiente para aguentar uns palavrões e 'safanões' em filmes – o visionamento de 'Capitães de Abril' afigura-se como uma excelente maneira de celebrar o Dia da Liberdade português, na semana em que se completam 48 anos sobre o retorno da democracia ao nosso país. Por isso cliquem no link abaixo, e desfrutem!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub