Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

22.05.24

A banda desenhada fez, desde sempre, parte da vida das crianças e jovens portugueses. Às quartas, o Portugal Anos 90 recorda alguns dos títulos e séries mais marcantes lançados em território nacional.

A hegemonia da Abril Jovem (depois Abril-Controljornal) no seio do mercado de banda desenhada português de inícios dos anos 90, e os riscos que essa posição permitia tomar sem grandes repercussões, são já temas recorrente desta rubrica do nosso 'blog'; menos falado, no entanto, é o facto de a ubiquidade das BD's Disney nas tabacarias e bancas de jornais portuguesas ter motivado outras editoras a tentar conseguir um pedaço de tão lucrativo 'bolo', fosse através da edição de álbuns individuais, fosse, como no caso do tema deste 'post', através de uma colecção completa.

pt_dbd_011a_001.jpeg

Um dos álbuns da série, no caso tematizado na então recém-inaugurada Eurodisney.

Genericamente intitulada 'Disney em Banda Desenhada', a série editada pela RBA Editora há cerca de trinta anos revelava, infelizmente, tão pouco cuidado na selecção de histórias como na denominação da série. Isto porque, em oposição directa à tematização explícita das edições especiais da Abril, a colecção da RBA parece não ter um fio condutor, ou sequer propósito declarado, cabendo na mesma desde histórias da Disney Adventures traduzidas (com personagens como o Comando Salvador ou o Pato da Capa Preta) até adaptações directas de filmes da companhia como Aladdin, Basílio o Grande Mestre dos Detectives ou o segundo filme de Bernardo e Bianca, passando por histórias mais compridas e épicas, livros compostos inteiramente por 'tirinhas' de uma página e até uma edição comemorativa do aniversário da criação do Pato Donald, que por essa altura celebrava sessenta anos de existência. Um verdadeiro 'balaio de gatos', que tinha a vantagem de oferecer conteúdos um pouco para todos os gostos (e em luxuosa edição em formato livro, por oposição às habituais revistas formato A5) mas pecava pela falta da coesão a que a Abril Jovem havia habituado (mal) os seus leitores.

Não é, pois, de admirar que a referida colecção não tenha sido mais do que um mero 'ponto' no 'radar' da banda desenhada Disney dos anos 90, ofuscada tanto por alguns dos álbuns editados pela própria Abril como por colecções como a que propunha adaptações bilingues de todos os filmes da companhia. Ainda assim, a série da RBA ofereceu algo, à época, ainda pouco visto, nomeadamente histórias declaradamente afastadas do 'núcleo duro' de personagens da companhia, o que poderá ter servido de 'chamariz' para os fãs das BD's Disney já fartos do constante foco em Mickey e Pateta. Para esses, a colecção ora em análise poderá ter tido algum factor nostálgico; para o fã comum das revistas da Abril, no entanto, o mais provável é que esta série tenha passado quase despercebida

20.07.22

A banda desenhada fez, desde sempre, parte da vida das crianças e jovens portugueses. Às quartas, o Portugal Anos 90 recorda alguns dos títulos e séries mais marcantes lançados em território nacional.

Já por várias vezes, nesta mesma rubrica, falámos das compilações de 'tirinhas' de jornal norte-americanas (as chamadas 'comic strips') lançadas em Portugal por editoras como a Gradiva, sendo que, pela sua importância no contexto da referida indústria, nomes como Mafalda, Calvin e Hobbes e Garfield tiveram direito a posts individuais sobre as suas versões portuguesas; agora, chega a vez de juntar mais um nome a essa selecta lista (ainda que um com bem menos expressão nacional do que os restantes acima enumerados) e falar do primeiro álbum de Hagar, o Terrível lançado em território nacional.

download.jpg

Corria o mês de Agosto de 1993, quando Haggar – então com vinte anos – desembarcava do seu 'drakkar' em costas lusitanas, pela mão da Livros Horizonte, uma editora sem expressão no meio da banda desenhada, mas sem a qual os fãs portugueses do obeso 'viking' teriam ficado 'em seco' no tocante a tirinhas traduzidas para a nossa língua; mesmo assim, e apesar de 48 páginas (cada uma com cerca de quatro ou cinco tiras) serem melhor do que nada, a oferta para fãs do personagem de Dik Browne ficou muito, mas muito aquém daquilo a que as personagens que o rodeavam nos suplementos de Domingo norte-americanos tiveram direito no nosso país.

PlancheS_49132.jpg

Exemplo de uma página do livro

Ainda assim, 'a cavalo dado não se olha o dente', e a verdade é que, apesar de 'magro' e sem grande brilho em termos de grafismo de capa, o volume em causa possui tradução cuidada, e serve como uma excelente amostra do trabalho de Browne; o problema reside mesmo no facto de essa amostra cumprir demasiado bem a sua missão de abrir o apetite para mais – sendo que, neste caso, o 'mais' apenas chegaria aos escaparates mais de uma década e meia depois, sob a forma de dois volumes editados em 2008 pela pequena Libri Impressi, cujo esforço de publicar cronologicamente todas as tiras do personagem se ficaria, infelizmente, por aí...

Quanto ao álbum da Horizonte, aqui em análise, a sua mais-valia reside mesmo no facto de oferecer material de Haggar (bem) traduzido para português, algo que, conforme demonstrámos nos parágrafos acima, não está propriamente disponível em abundância, e ainda menos em 1993; só esse facto já servia (e continua a servir) para justificar o (modesto) investimento neste álbum por parte dos fãs do 'viking' mais sedentário da História. Já quem não conhece Haggar, tem também aqui um bom ponto de partida por onde iniciar a sua exploração dos já quase cinquenta anos de tirinhas alusivas ao personagem editadas pelos sindicatos de BD americanos...

26.08.21

NOTA: Este post é relativo a Quarta-feira, 26 de Agosto de 2021.

A banda desenhada fez, desde sempre, parte da vida das crianças e jovens portugueses. Às quartas, o Portugal Anos 90 recorda alguns dos títulos e séries mais marcantes lançados em território nacional.

Na última edição desta rubrica, recordámos ‘Calvin e Hobbes’, talvez o mais famoso e popular exemplo das ‘comic strips’ norte-americanas no nosso país. No entanto, apesar de ter sido o mais emblemático título deste tipo publicado no nosso país, a série sobre o menino traquinas e o seu amigo imaginário de peluche esteve longe de ser a única a cruzar o oceano até às nossas paragens – pelo contrário, o sucesso de que a série gozou em Portugal motivou a editora que a lançara, a Gradiva, a arriscar a sorte com outras propriedades intelectuais do mesmo tipo. É delas – bem como de outras publicadas por editoras concorrentes – que falaremos no post de hoje.

E começando, desde logo, pela Gradiva, podemos recordar séries como Cathy, Foxtrot e (já no novo milénio) Zits, todas presença comum nos suplementos de banda desenhada dos jornais norte-americanos da época, e todas chegadas a Portugal exactamente no mesmo formato em que haviam sido publicadas no seu país de origem – os álbuns eram precisamente os mesmos, com as mesmas capas e as mesmas tiras, tendo apenas sido traduzido e adaptado o conteúdo conforme necessário. Escusado será dizer que, apesar de nenhuma delas ter atingido o nível de sucesso generalizado de ‘Calvin e Hobbes’, todas tinham o seu público, muitas vezes conseguido acidentalmente, apenas por virtude de se tratar de banda desenhada (Cathy, por exemplo, é declaradamente dirigida a um público feminino adulto, e terá certamente deixado muitos jovens confusos quanto a como e porque é que aquilo tinha piada.) Ainda assim, qualquer destas séries fez sucesso suficiente em Portugal para justificar a continuidade da publicação e, como tal, qualquer delas merece umas linhas neste nosso blog.

image.jpg

Alguns dos muitos álbuns publicados pela Gradiva

Ainda antes de a Gradiva se ter lançado na aventura dos ‘comic strips’ americanos, no entanto, já outras editoras vinham tratando de editar algumas das mais populares propriedades desse meio, traduzidas para o ‘nosso’ português. No entanto, ao contrário das propriedades anteriormente citadas, clássicos como Peanuts, Garfield ou Haggar o Horrível nunca encontraram ‘casa’ fixa no nosso país, saltando de editora em editora ao longo dos anos sem que nenhuma conseguisse ‘segurar’ a publicação. Edinter, Meribérica-Liber, Horizonte e Dom Quixote foram apenas algumas das editoras que pegaram, ou tentaram pegar, nestas séries entre finais dos anos 80 e inícios do século XXI, obtendo sempre o sucesso que já é quase inerente a estes nomes mais clássicos, mas nunca o suficiente para levar a algo mais do que uns quantos álbuns publicados. Destas, a mais bem sucedida talvez tenha sido a Dom Quixote, que, durante a década de 90, conseguiu lançar no mercado uma série relativamente longa de álbuns com as aventuras mais modernas de Garfield, que vale bem a pena procurar adquirir.

unnamed.jpg

O primeiro volume da colecção de Garfield lançada pela Dom Quixote

Não é, pois, difícil perceber que, apesar de nenhum ter chegado aos píncaros de sucesso de ‘Calvin e Hobbes’, os ‘comics’ de jornal norte-americanos tiveram uma presença discreta, mas honesta no nosso país, encontrando, na sua maioria, um público bastante receptivo ao seu humor clássico e personagens marcantes e memoráveis. Hoje em dia, tal presença encontra-se, talvez, um pouco mais esbatida, mas durante os anos que nos concernem, foi, sem dúvida, suficientemente marcante para justificar estas linhas aqui no Anos 90…

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub