Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

Portugal Anos 90

Uma viagem nostálgica pelo universo infanto-juvenil português dos anos 90, em todas as suas vertentes.

29.01.22

As saídas de fim-de-semana eram um dos aspetos mais excitantes da vida de uma criança nos anos 90, que via aparecerem com alguma regularidade novos e excitantes locais para visitar. Em Sábados alternados (e, ocasionalmente, consecutivos), o Portugal Anos 90 recorda alguns dos melhores e mais marcantes de entre esses locais.

De entre todos os possíveis 'hobbies' de uma criança dos anos 80 e 90, os videojogos ocupavam muitas vezes lugar de destaque, especialmente entre o sexo masculino; e com bom motivo – estas duas décadas (e, em menor escala, também a primeira do século XXI) viram esta indústria nascer e desenvolver-se a passos largos. Os anos 90, em particular, são muitas vezes tidos como o apogeu da primeira fase da indústria, tendo sido berço daqueles que são, ainda hoje, considerados alguns dos melhores títulos e personagens da História dos 'games'.

E embora a década fosse também pródiga em consolas de qualidade – da Mega Drive à PlayStation – muitos desses jogos surgiam, primeiro e muitas vezes em exclusivo, nas máquinas de jogos operadas por moeda, vulgo 'arcades', tornando os locais que vulgarmente as alojavam, os salões de jogos, num local de peregrinação para os jovens fãs de videojogos...

...pelo menos nos Estados Unidos, já que em Portugal a história era significativamente diferente.

Sim, enquanto que do outro lado do Atlântico – e mesmo na América do Sul – os salões de jogos eram locais de reunião de crianças e jovens por excelência, por terras lusitanas, passava-se precisamente o oposto – estes espaços destinavam-se, exclusivamente, a adultos, estando os jovens abaixo de uma certa idade proibidos de os frequentar, pelo menos sem supervisão adulta. E com bom motivo, como quem alguma vez entrou num destes espaços durante aquela década certamente atestará; não era à toa que os salões de jogos tinham uma reputação sensivelmente equivalente à dos 'pubs', o outro grande tipo de 'local misterioso só para adultos' da época.

1230309.jpg

Um salão de jogos ao estilo clássico dos anos 90...

De facto, os salões de jogos dos anos 90 tendiam a ser locais esconsos e escuros, vagamente amedrontadores, frequentados por indivíduos algo menos que recomendáveis e impregnados de cheiro a fumo de cigarro, antes de estes serem banidos dos espaços interiores. Qualquer criança ou até adolescente que lá entrasse era alvo de olhares não muito convidativos, e até algo suspeitos, fazendo com que o mesmo rapidamente tivesse vontade de se ir embora – antes mesmo de ser convidado a sair pelo dono do salão.

Mesmo tendo tudo isto em mente – ou talvez precisamente pela 'aura' que estes locais possuíam – muitas crianças portuguesas fãs de jogos de vídeo sonhavam em ter idade suficiente para frequentar um destes espaços, não só pela oportunidade de jogar todos os seus títulos favoritos e exclusivos das máquinas de arcada, como também pelo 'atestado de adultidade' que tal acção representava nas suas mentes. E escusado será dizer que quem tivesse um adulto disposto a levá-lo a um salão de jogos podia considerar-se quase tão sortudo como se lhe tivesse saído a lotaria...

Havia, é claro, opções mais 'kid-friendly' para quem quisesse jogar uns joguitos na máquina; em Lisboa, por exemplo, a Feira Popular oferecia uma variedade de espaços para esse propósito, enquanto o CascaiShopping albergava o primeiro espaço totalmente dedicado a videojogos no interior de um 'shopping'. O advento de outros locais deste tipo, como o Colombo em Lisboa ou o NorteShopping no Porto, ajudou também a popularizar o conceito de 'PlayCenters', os quais incluíam zonas de máquinas de arcada, aproximando assim a experiência dos jovens portugueses daquela de que já gozavam os seus congéneres brasileiros, por exemplo.

arcadebox_02.jpg

...e outro mais moderno, espaçoso, iluminado e convidativo

Esta democratização da experiência de 'arcade' levou, por sua vez, a que os salões de jogos tradicionais – aqueles antros de vício fumarentos, sempre a debitar para a rua sons de máuinas diversas – fossem, progressivamente, caindo em desuso, e principiando a desaparecer; ainda assim, a sua morte foi tão ou mais lenta que a de outros espaços em processo de obsolescência, como os clubes de vídeo, sendo que na segunda década do século XXI ainda se podia encontrar, por esse país fora, um ou outro exemplo de salão de jogos 'clássico'.

Na sua grande maioria, no entanto, estes espaços foram mesmo substituídos por versões mais 'assépticas', para toda a família – o que mostra, cabalmente, a mudança de paradigma a este respeito em território nacional, já que, conforme referido, os salões de jogos clássicos tudo faziam para impedir a família de entrar...

Hoje em dia, é já raro ver um jogo aparecer nas arcadas, sendo a esmagadora maioria dos novos títulos lançado directamente para o mercado caseiro, e a maioria das máquinas vistas 'no seu ambiente natural' relativas a jogos da 'era clássica' dos 'arcades', sobre a qual este post versou. Ainda assim, quem viveu aquela época não pode deixar de se lembrar da sensação de querer rapidamente ter idade suficiente para entrar num daqueles salões de jogos 'à moda antiga', e desfrutar de umas 'jogatanas' de Street Fighter ou Mortal Kombat...

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub